PARA QUEM AMA GATOS

PARA QUEM AMA GATOS
(Clique na imagem)

Quais assuntos mais te interessam no blog Fatos de Fato?

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

É de lei pecar




Desligar do mundo, ficar deitada um pouco mais, dormir um pouco mais, adiar um pouco mais...
Soninho gostoso que surge num relaxar de quem já assumiu o seu pecado: a preguiça.
Não faço parte do time das pecadoras mórbidas, a típica apedrejada por cometer delitos graves, nem tampouco das que merecem levar uma surra de chicote com espora gaúcha.
No entanto, eu peco, peco, gente, PECO! Ah, não abro mão da preguiça! Cheguei a ficar revoltada quando descobri que era um dos pecados capitais!(agora vocês vêem uma coisa dessas!)
Há algum tempo assisti ao filme "Seven - Os sete crimes capitais", com Brad Pitt e Morgan Freeman. Considerei coisa de doido um sujeito lá matar seguindo a ordem dos pecados capitais, e eu não queria admitir que eu poderia ser morta por aquele indivíduo se ele existisse: "Não, não eu não tenho nenhum desses pecados! Imagine!"
Tá. Então Papai Noel existe mesmo! O Natal já está chegando e a imagem distorcida de milagre natalino começa a povoar as mentes de marketing! Oras, todo mundo comete seus "delitos íntimos e inconfessáveis" ! Não venham, porque não vão ter!
Adoro cumprir meus deveres, sou bem prática e responsável, curto ajudar quem precisa, não deixo ninguém na mão, sou trabalhadora,sim!
Essa preguiça pecaminosa surge quando não tenho nada para fazer. Não sou do tipo que inventa moda.
Caio no mundo da pachorra e lá fico, até o próximo dever a cumprir, até algo acontecer, me chamando como querendo quebrar o meu deleite de madorna :"Venha! Venha para o mundo da agitação, da atividade, do corre-corre!" No meu pensamento:"Logo agora? Bem que poderia ser mais tarde..."
Um que iria dançar legal nas mãos do vilão de "Seven" seria o anti-herói Macunaíma, personagem do livro de mesmo título de Mário de Andrade.
Qualquer atividade um pouquinho mais forçosa, dizia sem pestanejar: "Ai, que preguiça!" Inclusive é bom ressaltar que esse personagem é uma alegoria com o próprio povo brasileiro, que é conhecido internacionalmente como gente que não gosta de trabalhar.( Há controvérsias, mas Mário de Andrade era um homem de controvérsias, como o nosso povo, admitamos...)
Peco muitas vezes! Encosto no sofá, vejo tv e a molezinha chegando devagar, na "camufla", com telefone tocando:
"Deixa para lá! Não deve ser nada importante".
Apertam a campainha: "Algum chato querendo vender vaso de flores!"
Algum barulho esquisito na rua: "Ah, são aqueles vizinhos que adoram aparecer!..."
E a preguicite vai que vai! Estou falando a mais pura verdade: é o que me ocorre!
Essa moleza volta e meia me pega quando o dia demora a passar!
E há dias assim, nós sabemos, que a vida corre, mas nos esquece de contar que está em total disparada. Carlos Drummond , o maravilhosos poeta, um vez falou: " A vida é curta, mas os dias são longos..."
E parece que eu levei ao pé-da-letra essa sua afirmação!
Nessa história toda, vai uma desculpinha para mim ( todo defeito deve vir acompanhado de uma virtude!) .
Garanto que a minha preguiça não se compara à força de vontade de lutar por tudo o que quero.
Meu nome costuma ser esse: DETERMINAÇÃO.


Como um anexo, segue abaixo a lista dos sete pecados e suas características, conforme definira Gregório Magno, no século VI:



1- GULA - refere-se ao ato de comer compulsivamente, muito e à toda hora;



2 -AVAREZA - a ver com vontade de juntar dinheiro além do que precisa sem dividi-lo com ninguém;



3 - INVEJA - vontade de possuir o que o outro tem, não se esforçando para conseguir o seu objeto de desejo;



4 - IRA - é a junção de sentimentos de ódio, rancor, que demonstra ser incontrolável;



5 - ORGULHO - demonstração de falta de humildade, achando-se superior ao outro e auto-suficiente;



6 - LUXÚRIA - apego excessivo aos prazeres carnais;



7 - PREGUIÇA - vontade de se entregar ao ócio, aversão a esforço físico.


Como se vê, eu sou uma preguiçosa só quando posso ser, não o tempo todo...


QUE TODOS NÓS SAIBAMOS "PECAR " , DENTRO DOS LIMITES PERMITIDOS!!!!






quarta-feira, 19 de novembro de 2008

AGRADECIMENTOS PELOS SELOS RECEBIDOS

Estou tão feliz da vida por ter recebido dois lindos selos da minha amiga Sol, do Flores &Pérolas, que nem esperei mais um dia sequer para postá-los aqui!
Não consigo agradecê-la o suficiente pela amizade e carinho que revelou-se neste tão pouco tempo de amizade "diHITTiana".
Obrigada, querida, e mil beijos para você!!!!
E como você diz em seu blog:

"Eu sou a Sol!!!... Espírito imortal e único(...)



Ofereço-os aos meus queridos amigos :

Berenice
(http://ribeirobr.blogspot.com/)

Victor

(http://www.victorsgomez.com/)

Jorge

(http://www.pontoblogue.com)

Lindos, repasse-os também para outros blogs que considerem merecedores!

Ah, não esqueçam de dar o mérito ao blog que começou isso tudo, o Golfinho Alegre!(Link o endereço deste blog quando postarem os selos)

Blogs que agradeço:
(http://floreseperolas.blogspot.com)
(http://golfinhoalegre.blogspot.com/)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Formatura, yeah!!!!




Tantos assuntos, tantas idéias , e o que me recorre? Um sonho. Deitada, ainda pensando na vida, vi-me nesta manhã sem pé-nem-cabeça.




Às vezes acontece isso, de você se achar meio sem lógica, um impasse, tipo "de onde se vem, pra onde se vai?" porque simplesmente você não tem em mente o que é o certo a se fazer.
Calma! Isso não é nenhuma crise existencial!


Confesso que passei por algumas (nada além do aceitável) durante o meu percurso de vida, e isso é louvável, pois eu sou um ser-humano.


O que me aconteceu hoje difere de outras dúvidas.


É o fato de um simples sonho ficar martelando , pedindo para existir.


Oras! Ele é um sonho; tem que saber o seu lugar. Ou agora eu começarei a delirar com montanhas em terras longínquas e as terei aos meus pés, com seus sorrisos verdejantes?


Mas esse sonho é daqueles com personalidade, insistentes em querer ser, e não querem nem saber...


Com essa, ele me jogou lá , na terra onírica, no meio de pessoas conhecidas...


E não eram montanhas verdejantes que nos cercavam!Paredes claras, cadeiras, quadro ( o único "verdejante" da história!) e uma professora que não consigo precisar a fisionomia.


Colegas meus para tudo quanto era lado, e eu lá, querendo falar, pois gosto muito da exposição verbal .


No final da que seria uma aula, eu viro para os meus colegas e os alerto, esses queridos companheiros de luta acadêmica:


"Pessoal, já pode ir buscar o DVD e as fotos! Está tudo pronto. Eu mesma já peguei!"


Essas criaturas tão amáveis limitam-se a sorrir e a continuar a sua caminhada para os seus lares. Alguns distantes, outros mais próximos, outros que nem sei...


Em vigília, após esse delírio que acredito ter sido de madrugada, sinto que há devaneios petulantes já que a razão nos informa a verdade e eles insistem.


O sorriso dos meus colegas parecia tão real!


Eles me entregaram uma fisionomia como quem nutre pena profunda.


"Gagá, esta moça! Mas ela ainda não tem idade para ficar trocando as bolas!..."


Na fase onírica, quando eu "vivenciava" a situação, eu não entendera o porquê do ar e sorriso lançados para mim de maneira real.


Acordada, olhando para as paredes igualmente claras, quais às da minha faculdade, é que eu os compreendi...


Sim, o que ocorrera havia sido o auge de qualquer delírio que eu tenha tido, porque até os "personagens" do meu sonho sabiam da loucura que se passava.




ONDE JÁ SE VIU ALGUÉM SE FORMAR ANTES DE TERMINAR UM CURSO?



Isso mesmo...


Se estavam todos ali, é porque ainda havia aula , e se havia aula...


Ah, estou com Gilberto Gil: "Melhor é deixar pra lá!"


Jogo a culpa para a realidade.


Mês passado, mais precisamente meados de outubro, fui buscar o DVD e as fotos. Tudo me impressionou muito. Alguma teoria freudiana para explicar sentimento de saudade?


Até bem pouco tempo estávamos todos ali, ALI, com frustrações, alegrias, "sumiços" de aulas (sexta-feira, principalmente, onde a mente se encontra em qualquer lugar que não seja instituição educacional!)Vendo as fotos , as imagens da formatura , onde sorríamos para tudo ou todos, não segurei essas reflexões do momento.


E o bendito sonho captou tudo isso, e fez um bolo com realidade, saudade, lembranças, festivas ou não.


"O Moço do Sonho"não veio com manual do proprietário, então tornou-se tarefa hercúlea entender "essa parada toda". Dessa história, eu tenho certeza apenas de algumas coisas:





*Sinto falta dos colegas.





*Sinto falta dos professores.





*Sinto falta da correria.





*Sinto falta de estudar para a prova às vesperas por não ter tido tempo.





*Sinto falta da minha "prisão"à noite : agora posso ver TV direto. (Que pena!)





*Sinto falta ( essa é demais; quem diria!) até dos meus estágios...




Alguém consegue compreender isso? "Estar preso por vontade?" Já acabou, eu já me formei, tudo isso é passado. Caramba! Será que eu quero me graduar e continuar me graduando???? O negócio é eu partir para a pós(ou mestrado), isso sim! É... Independentemente de qualquer argumento , só vem uma frase real dita por uma colega nos meus tempos de ensino médio, quando nos tornamos professoras do nível fundamental, o que ainda costumamos chamar de primário. Formada ou não, é gostoso gritar:





FORMATURA, YEAH!!!!










































segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Entre Letras e letras





Muitos escritores têm escrito sobre seus conflitos básicos, existenciais, e muitos deles falam da expressão através da escrita. Eu gosto de escrever, e para longe de mim se vá a pretensão de me equiparar aos grandes mestres - seria uma quase blasfêmia!- ao explicar motivações que me levam a querer também transpor para o papel meus sentimentos. Gostaria apenas de me entender! Quase como se fosse um tratado psíquico-sintomático do que me ocorre.O que me leva a querer escrever? Talvez eu consiga ser mais explícita através do poema abaixo. Quem sabe?...






Entre Letras e letras



Escrever é uma arte.
Uma arte vívida onde só os corajosos enfrentam o leão feroz da indigência.

Uma arte onde só os solitários suportam, porque é solitário não existir.
Onde a força é plena, e o descaso é animal, voraz.
Escrevo porque sou teimosa. Nasci assim. A minha natureza me chama.

Mas, verdade seja dita.

"Eu apenas existo quando escrevo". Doce Clarice Lispector já dissera isso.

Shakespeare , em Hamlet , já indagaria :"Ser ou não-ser".

Então, escrevo.

Opto em "ser", em "não-ser". Sou o que eu bem entendo!

"Dizem que sou louca/por pensar assim". Rita Lee, mutante como ela só,expôs solenemente a sua aversão pelo "normal".

Tento domar o que há de mais inenarrável em mim, o louco, O monstro inabitável, como um certo dia tentara conter Sérgio Sant'Anna. Será que conseguiu? Ou o leão faminto permanece com fome?

Então, escrevo.

Sou infinitamente eu quando fujo de mim.

Mil pessoas numa só, como faria uma única pessoa : Fernando Pessoa.

Gasto horas a fio na arte das letras ,pensando em como transformar A insustentável leveza do meu ser, em algo que se pode sustentar , exibindo para o mundo a minha rudeza, o meu peso. Milan Kundera que se faça "insuportável" para que possamos entendê-lo!

Então, escrevo.

Para falar dos outros, da verossimilhança das artes com o real e que quando nos damos conta, é a realidade que imita a arte!

Dos antigos gregos, com suas festas em homenagem ao deus Dionísio do vinho, do passado e as odisséias, do calor das Mil e uma noites, tudo é motivo para se relatar, transladar, estirar, viajar, domar...

Sou Loreley também. Teatralizo lascando a persona de palhaço, maquiando até a alma para fugir do que sou . Uma aprendizagem ou seria O livro dos prazeres, ou os dois? Oh, doce Clarice, faça-me suficiente para ser apenas o que o mundo quer que eu seja, e perdoe-me por recorrer à sua sapiência de quem foi , ou quis ser, apenas uma aprendiz!

Falo de amor, sim.

O homem feito de tórax viril, de penugem branda amenizando as suas poucas saliências do peito, os braços calorosos para me receber , e o beijo longo que suga todo o meu ser... ou não-ser.

É por isso que escrevo...

Onde mais eu poderia ter a audácia de dizer que sou feliz?

Onde mais eu poderia me redimir com a palavra, definindo delírios com a soberba dos maiorais?

Onde mais eu poderia ser pedante?

Onde mais eu poderia mergulhar no mar , me molhar, e dizer para ninguém mergulhar?

Olhar de soslaio para o mundo, dando aquele desprezo, por saber-me longe dali?

Ver as pessoas como elas são e aceitá-las ?

Ser o alvo e a solidão, e ter um coração em chamas para o bem-viver?

Sou assim.

A minha natureza me induz.Aquele instinto animal de sobrevivência, impulsiona o meu corpo para a caça infinita. E caço, e caço, e caço...

Porque a leoa que há em mim, é voraz :está sempre faminta e essa fome, é só de escrever!

Então, escrevo...













segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Remédio bom: tv

Sexta-feira,à noite, cansada, chovendo o suficiente para não
incentivar ninguém a sair de casa, ou pelo menos, muita gente.Que remédio? Assistir tv.
"A tv é um ópio!" , diriam alguns.
"Tv é como um amigo antigo: mesmo não vendo às vezes, é bom saber que está lá.", diriam outros.
"A minha tv só tem uma função: enfeitar a sala. É um móvel bem bonito...", restringiriam alguns outros.
Eu já prefiro definir de um jeito não-original, embora bem propício.
Faço alusão à obra Pesadelo ,de Arthur La Bern, quando o personagem central é internado:
"Estava ligada a panacéia do mundo, a tv." (a frase não era bem assim , mas é a idéia que cabe aqui).
Foi nesse livro que eu li, pela primeira vez, o termo "panacéia".
Corri para "O Pai dos Inteligentes". Significado:"Remédio para todos os males".
Tv , para mim, é panacéia.
Bom, gente, eu ainda não falei do que me propus de verdade.
No entanto, creio ter sido profícuo ( lembrei-me da minha professora
em língua inglesa(!) na faculdade; era ela quem muito usava esse termo) esse ensaio sobre tv, pois o assunto que quero expressar vem dela. Um dia, talvez, eu até escreva algo só sobre a importância dos meios de comunicação. Talvez...
Voltando à tal sexta-feira à noite, eu fiquei aguardando, sem muita boa vontade, o Globo Repórter (31/10/08), imaginando temática repetitiva ou corrida demais, que muito nos deixa com a sensação de que ficou faltando algo.
Não havia eu visto anunciar o tema do dia, então, a espera se fez necessária.
E digo que valeu a pena!
Como é bom assistir ser humano, gente de verdade, em algum lugar!...
Pessoas especiais, no sentido mais amplo que isso possa ter.
Falava sobre pessoas com alturas extremas ( altas ou baixas demais) e suas limitações diante do mundo.
Meu Deus, isso é para fazer qualquer um pensar mais um pouco!
Fico imaginando o sofrimento dessas pessoas, tendo que encarar uma sociedade preconceituosa, hipócrita, cheia de não me toque.
Chamou muito a minha atenção o menor casal do mundo.
Naturalmente que a altura mínima é digna de observação (ela, 0,92 cm; ele, 0,89 cm ), mas o meu enfoque todo vai para a alegria dessas pessoas, a fome de viver e o modo particular de enfrentar as situações difíceis dentro de um mundo que não feito para os "diferentes".(Vocês sabem, né?, o nosso mundo é muito "normal": joga-se crianças pela janela e mata-se ex-namoradas em seqüestros, que duram dias e dias...)
Muito interessante quando puseram uma câmera na testa de cada um deles para nos situar do quanto a locomoção e visão de mundo se faz dificultosa para esses pequenos gigantes. Adorei a parte da roleta do metrô, que parecia mais barra de academia, que roleta propriamente dito. É ótimo mostrarem isso para darmos valor ao que temos. Nunca mais reclamarei dos meus 1,59m!
Assim transcorreu a matéria, falando de outros pequeninos e do tratamento que é feito(caríssimo!) para ganhar-se alguns centímetros a mais.
O outro lado da moeda, a turma dos gigantes, me pareceu bem infeliz.Era para se sentirem poderosos, já que conseguem ver o mundo de cima, literalmente. Logo se vê, entretanto, o velho ditado:"Tamanho não é documento". Eles sofrem por vários motivos, e altura, quem poderia detectar isso?, é o principal dilema dessas pessoas.
Porque não se trata pura e simplesmente de altura disparatada. Trata-se de saúde, de aspecto financeiro, de adequação para dormir.
Uma pessoa alta demais tende a sofrer de atrofia;os ossos não conseguem sustentar um corpo tão esticado. Além disso, pessoas com gigantismo (termo que não aprecio, assim como o nanismo para os com baixa estatura) são "caras", isto é, todas as roupas, calçados, camas, banheiros e tudo mais é em tamanho maior, o que causa a urgência de mandar fazer sob medida, tudo bem singular, e singularidade custa caro.
Não tive como não me emocionar com o caso do homem mais alto do Brasil. Ele mede 2,30 m, tem 23 anos e ainda pode crescer mais. E o que é pior: seus órgãos vitais, assim como as extremidades, acompanham o mesmo ritmo de crescimento exacerbado.Ele terá que fazer uma operação no cérebro, onde o hormônio de crescimento se localiza.
Aliás, um outro homem bem alto (2,25 m) operara há uns dois anos e conseguiu se livrar do fantasma do gigantismo infindável. Agora trabalha numa biblioteca em meio-período e não se precisa usar escada com ele por perto.
Sua história é bem emocionante também. Ele fora abandonado pela mãe biológica, depois pela adotiva aos 12, e pediu encarecidamente para uma enfermeira o adotar. O mais lindo de tudo: ela aceitou o desafio. Moram juntos e aparentemente são pessoas bem felizes.
Há tantas histórias boas ... Como a da dona Maria Feliciano e seus filhos muito altos que não podem trabalhar, por motivos óbvios. Aliás, essa senhora é maravilhosa porque não fez drama com a altura (2,25m). Apesar de doente, diz que a altura a ajudou, pois pôde contribuir com os pais através da fama e dinheiro que conseguiu. Há a história da pequena professora Luzia, de 53 anos, cujos alunos acham que ela tem pouca idade por causa do tamanho . Achei engraçado quando uma aluninha de dois anos disse que a professorinha tinha a idade dela. Tão fofinha essa menina!... Ai, quantas vivências fantásticas!
Sexta-feira chuvosa, à noite, quando você não tem muita opção, pode te surpreender.
Que venham outras quais essa , onde a panacéia pode exercer a sua função maior: remediar todos os males, até aqueles que não sabíamos que existiam...
Lindos, mil beijos para vocês!

Exemplo de Gigantismo Exemplo de Nanismo





Agradecimentos pelas imagens: Gigantismo:http://maryvillano.blogspot.com/2007/06/as-mulheres-mais-altas-do-mundo.html; Nanismo:http://www.alunosonline.com.br/biologia/nanismo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...