PARA QUEM AMA GATOS

PARA QUEM AMA GATOS
(Clique na imagem)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Animais: Minha vida, meus amores!

Às vezes pareço pedante com essa de sublimar sempre os animais, dando-lhes um espaço grande em minha vida.
Pensem o que quiserem, mas os vejo mais merecedores de minha dedicação que muitos seres humanos que conheço...
Os animais são perfeitos no que é possível ser perfeito no Planeta Terra!
Sua lealdade é impressionante; o seu amor e senso de gratidão valem mais que ouro!
Neste encerramento de 2009, gostaria de deixar com vocês imagens em vídeo desses seres que MERECEM tudo o que há de melhor que possamos oferecer!
E deixemos de frescura de achar que animais são seres inferiores e irracionais.
Não se iludam: eles são MUITO melhores que nós, em TODOS OS SENTIDOS!...




P.S.: Sábado, 26 de dezembro, foi meu aniversário.
É um dia que geralmente tiro para refletir sobre minha vida, pessoas, a existência em si.
Acabo descobrindo, quase sempre, que se eu pensar muito sobre seres humanos, fico deprimida.
Essas criaturas não valem a pena...
Como diria uma frase que li por aí, com adaptações minhas para essa ocasião:
TANTO MAIS CONVIVO COM O SER HUMANO, MAIS EU AMO OS ANIMAIS!

(http://www.labin.lasalle.tche.br/infoedu/siteinfoedu1_03/turmasv_site/turma2_01/htmls/md6animais.htm)

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

A mídia da fome


Mídia é algo assim impressionante!
O poder da manipulação que os meios de comunicação possuem, se fosse usado no sentido certo, poderia transformar muitas mentes e colaborar para um mundo realmente melhor e desejado por todos nós, cidadãos de bem.
Baseado nessa concepção de "poder midiático", que expus em forma de poema a minha visão de como a fome é tratada pelo mundo afora...


A MÍDIA DA FOME

As pessoas acham ilógico
Alguém não ter o que comer,
Se têm tudo ao seu redor,
Que as ajudam no bel-prazer...

Sei que para quem é classe média
Fome é algo, sem pé, nem cabeça
Mas há uma campanha na TV,
Que diz: "Fome- Não se esqueça!"...

Entretanto, não nos alimentamos
De branca, limpa mensagem,
Esta entregue aos transeuntes,
Que é para o chão, uma rápida passagem...

Há uma corrente de esperança
Tipo Imagine , de todos compartilharem
Mas isso deve ser sonho de criança
Que nem tem para recordar,
Uma vaga, inexistente lembrança,
De quando tinha, ao menos, um lar...


(Imagem:

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Onde está o erro?

Num cursinho de quatro semanas de Português para Concurso no ano passado, a nossa professora deixou para descobrirmos o erro que estaria instalado num pequeno texto.
O texto é o seguinte:
"E aquelas irmãs viviam todas na mesma vila, visitavam-se todos os dias, trocavam receitas e xícaras de açúcar. Muitas vezes discutiam por causa do barulho: moravam em casas germinadas, de paredes muito finas. Mas eram felizes daquele jeito".
Depois de analisarmos com muita atenção, descobrimos.
É um desafio muito interessante; acho que vão gostar.
Pergunto, então, para vocês:
Onde está o erro?
Vocês seriam capazes de descobrir?
Espero que consigam acertar...
Logo, logo, darei a resposta!

(Imagem:

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Flamengo Campeão!

(Petkovic e sua visível emoção pela vitória do Flamengo)

Depois dos gritos, da rouquidão, dos brados de "ACREDITA, ACREDITA!", do "single tuístico" (daqui a pouco eu explico!), eis aqui uma flamenguista das mais felizes pelo simples (eu disse "simples"?) fato do meu Mengão ser mais uma vez campeão no Brasileirão! (eta "ão" gostoso, sô! haha).
Ah, como eu gritei assistindo o Fla correndo para lá e para cá atrás do "preju" por ter levado um gol logo nos primeiros vinte minutos de jogo...
O que que era aquilo, minha gente? O Grêmio engrossando para o lado do Rubro-Negro, sem dó????
Eles estavam malucos ou o quê?
Eu, hein? "Abrir as pernas" agora é isso????
Cadê a "entrega do jogo" que prometera a diretoria do Grêmio?
Mas sabem de uma coisa?
ADOREI!!!!
Não queria moleza para o meu time!
Flamengo tem cacife para vencer qualquer partida; tem time para isso...
Não precisamos de facilitação, precisamos apenas de uma bola no pé!
Chega de frescura, "O Grêmio vai levar na manha!"
Nada!
É só o Flamengo jogar, que dá!...
Gostei da postura do time gaúcho que fez a sua parte e botou no campo a dignidade de uma equipe de ponta.
Grêmio foi digno, valente, jogou de forma que não parecia esatr assustado com o estádio lotado com aquele mar vermelho e preto conspirando totalmente contra a equipe tricolor gaúcha.
Conclusão: só valorizou a vitória do Flamengo!
E nos encheu de esperança de que o futebol é feito de honestidade e de que sempre vence realmente o melhor!
Parabéns para todos que de uma forma ou de outra estiveram envolvidos nesta grande final do Campeonato Brasileiro!
Como eu amo aquelo sérvio sem-vergonha (no bom sentido, é claro!) chamado Petkovic!
Que safado!!!!
Ele sempre faz isso comigo (beijei a tela quando nos favoreceu o Campeonato Carioca de 2001) e agora, de novo, com o mesmo score! (Ele não fez o gol, mas propiciou a alegria da mesma maneira!)
Ah, Pet, como eu te amo! Repito quantas vezes você quiser...
Não nos deixe mais, por favor! Mesmo que esteja bem velho, jogue!
Tenho certeza de que ainda poderá render um bom caldo...
Adriano, faça o mesmo: você sempre é um imperador para a equipe!
Léo Moura, fica lá, meu rei: adoro a sua magreza eficiente! (Como corre aquele homem!)
Bruno, meu goleiro: que susto! Ai, mas deu tudo certo!... ( Você tem domínio com a bola nos pés, que bom!)
David: ainda bem que você é oportunista! O placar foi aberto para o Mengo por sua causa!
Ronaldo Angelim: e ainda bem que você entende a genialidade do Pet, subindo certinho fazendo aquele gol de cabeça ao chute de escanteio do sérvio (O placar da vitória!).
Dessa vez acompanhei de perto a campanha do Mengo pelo Campeonato todo, coisa que eu não costumava fazer em outros anos (confesso que futebol não é lá a minha praia...).
Valeu a pena!!!!
Flamengo mostrou serviço, garra, força!
2X1 , o placar final no jogo de campeão. Merecido!
Chegou a hora de eu explicar o "single tuístico":
Quando o meu gatinho Tuí era filhote, e eu queria brincar com ele, ficava cantarolando uma música da Gretchen ( "Conga, Conga, Conga") na parte "Pipipipipi", de um modo que o irritava.
Acabou que eu comecei a usar o mesmo tema quando o Flamengo estava em momento de perigo dentro de algum jogo.
Claro que por mera coincidência, Mengão jamais perdeu um jogo quando cantarolo a música!
E meu "single tuístico" me resguardou da premissa que times favoritos também podem perder.
FLAMENGO CAMPEÃO! YES!!!! É HEXA!!!!
É tudo o que a minha garganta consegue proferir!...
Curtam comigo o trecho do samba-enredo da Estácio de Sá, de 95:
"É Mengo, tengo,
No meu peito éFlamengo!
Uh, tererê,
Sou Flamengo até morrer!"

(Imagens:

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Ser tímido é bom ?

Não sei quem inventou que ser tímido é bom.
Não.
Ser tímido não é bom.
Outra: confundem "timidez" com "retidão de caráter".
Nada a ver também!
Ser tímido não é símbolo de qualidade ou característica, ou "status" de decência, tampouco ornamento para personalidade, com exibição de "sapiência".
Quem vos fala nesse momento é uma ex-tímida de carteirinha.
Portanto, tenho o direito adquirido para explanar o que quiser sobre o assunto!
Eu era tímida "de pedra", de um gênero tal, de raridade insopitável, daquelas que temiam mudar de lugar na escola, só para não ter que ouvir perguntas concernentes à minha simples locomoção dentro da sala de aula!
"Saiu daqui por quê?", " O que está acontecendo?", "Não é mais nossa amiga, né?", um dos questionamentos que me assombravam a consciência.
Ai, que raios!
Por que não conseguir ir e vir na hora que bem entendesse?
Daí, a "boazinha" ficava quietinha, "aceitando" o que os outros diziam pura e simplesmente porque não tinha coragem de virar e dizer: "Qual é? Eu não vou participar dessa palhaçada e pronto!"
Então, a que tudo absorve , era vista como uma criatura decente, justa, boníssima, mas pouco procurada, badalada, bajulada, reverenciada...
Ser tímido não é nada bom, pessoal!
Só quem o é ou já foi, é quem pode falar com sobriedade!
Sabe aquele gatinho da escola?
Tchau, fora de alcance.
Que tal falar sobre saúde, educação, transporte público?
"Eu ouvi falar..."( Nunca uma opinião própria!)
Você está a fim de dar uma saída hoje?
Talvez, pode ser... ( A dúvida que não existia , tinha que virar "dúvida" porque a porcaria da timidez não iria dar mole, né?)
Piadas para descontrair a galera?
Você deve estar ficando maluco! Nem pensar...
Tem gente que adora falar que é tímida como se fosse um troféu!
Troféu de quê?
Da falta do que falar, do engasgo para paquerar, das esnobadas dos colegas de colégio, é isso?
Ganha-se troféu por "tacanhez" agora?
Timidez atrapalha!
Quantas vezes eu não perdi chances maravilhosas, em todos os sentidos, por que a boca secou e a palavra calou-se na garganta?
Quantas vezes não fui confundida com metida por que não cumprimentei essa ou aquela pessoa na rua?
Quantas vezes fui confundida como sendo "jeca", só por que não usava uma roupa mais "avançada" ?(tímidos têm medo de comentário desta natureza: " Ó, como ela está moderninha hoje! O que foi que te deu?")
Quantas vezes eu não fui "eu mesma", apenas para não pisar no "eu mesmo" dos outros?
E agora sou até cara-de- pau demais! (Haha)
Confesso que às vezes sou um pouco intrometida.
Perdoem, é a sede de gritar para o mundo que EU EXISTO!
Há alguns anos encontrei uma colega dos tempos de colégio que veio até a minha casa para uma visita.
Chamei-a para entrar e a mesma ficou boquiaberta:
- Mary, você fala!!!!
Então a inquiri no conceito que ela tinha sobre a minha pessoa, resumindo assim:
- Achava que você fosse quase muda...
Qual era o primeiro pensamento que as pessoas tinham sobre mim?
De uma criatura "que não falava"!
As pessoas não sabiam meu gosto musical, desconheciam o que eu pensava sobre os programas de TV, qual seria o meu tipo de rapaz para namorar, a ideia que eu fazia sobre os amigos...
O que vinha era isso: aquela menina ali que "não fala".
Acabo de me lembrar agora de duas passagens literárias envolvendo "mudez":
"Das Dores, tão boazinha...", de Monteiro Lobato (moça burra e tímida que só fazia o que os outros faziam) e "Um Estranho No Ninho", de Ken Kesey (um índio que acabou "desaprendendo" a falar de tanto que não davam atanção ao que ele dizia!).
Minha timidez só foi eliminada do meu ser porque eu sempre fui muito orgulhosa, nunca gostei de perder!
Na minha mente pensava sempre assim:
"Ou eu vou, ou eu racho!"
E eu preferi ir!...
Fui trabalhando aos poucos dentro de mim, passo a passo, como ir diminuindo esse tormento; fui criando segurança.
Um dia dava uma pequena opinião sobre algum assunto, no outro já conseguia estabelecer um papo de 5 minutos, numa outra oportunidade fazia amizade numa fila de banco e até a minha formação profissional me ajudou muito porque professor que tem vergonha de dar aula não existe, né? (Olha o efeito "Ir ou rachar" se fazendo presente!)
Tudo na vida são desafios a serem superados; ninguém perde a timidez de uma hora para a outra.
A pessoa tem que ir tateando com muito cuidado esse "campo minado" que se chama comunicação.
Cada gesto que se faz no objetivo de conquista, é mesmo uma vitória e vá seguindo em frente!
E se todo esforço não der certo para vencer a timidez, não titubeie: procure um profissional!
Não se meta com drogas, subterfúgios nocivos.
Um terapeuta pode ajudar nesse sentido ou alguém que você confie muito.
O melhor é admitir que timidez é um problema e que deve ser resolvido!
É como se fosse agora que recordo quando uma moça entrou numa loja onde eu trabalhava na seção de bebês e, após muito olhar e conversar comigo sobre chupeta ideal para o filhinho dela, me perguntou :
-Aqui vocês ganham comissão? Podem receber gorjeta?"
Eu lhe respondi "não" para as duas questões.
Ela frisou:
-Que pena... Eu te daria um agrado com prazer! Você é muito SIMPÁTICA!
Parecia que eu ganhara na MegaSena!
Nunca antes alguém dissera que eu era simpática exatamente porque quase ninguém sabia quem eu era...
E se alguém ainda tem dúvida do quanto isso não é nada agradável - ser tímido- visitem o site do meu amigo Aurelio Martucelli, Timidez Tô Fora, onde ele costuma postar textos claros e informativos sobre timidez (muitas dicas, explicações, matérias interessantes).
Uma música do BRock, com o Biquíni Cavadão ( ai, Bruno Gouveia, o vocalista é um doce! Tive o prazer de conhecê-lo!), chamada "Timidez" (aliás, um perfeito tratado sobre a timidez excessiva!) fechará de maneira soberba o post de hoje.
Apreciem o vídeo e acompanhem a letra. Vejam se não é fantástica?! (Só quem é tímido é que vai entendê-la com propriedade! haha)


TIMIDEZ - Biquíni Cavadão

Toda vez que te olho
Crio um romance
Te persigo, mudo todos os instantes
Falo pouco pois não sou de dar indiretas
Me arrependo do que digo em frases incertas
Se eu tento ser direto, o medo me ataca
sem poder nada fazer
Sei que tento me vencer e acabar com a mudez
Quando eu chego perto, tudo esqueçoe não tenho vez
Me consolo, foi errado o momento, talvez
Mas na verdade, nada esconde essa minha timidez
Eu carrego comigo a grande agonia
De pensar em você, toda hora do dia
Eu carrego comigo, a grande agonia
Na verdade nada esconde essa minha timidez
Na verdade nada esconde essa minha timidez
Talvez escreva um poema
No qual grite o seu nome
Nem sei se vale a pena
Talvez só telefone
Eu me ensaio, mas nada sai
O seu rosto me distrai
E, como um raio,eu encubro , eu disfarço eu camuflo, eu desfaço
Eu respiro bem fundo
Hoje digo pro mundo
Mudei rosto e imagem
Mas você me sorriu
Lá se foi minha coragem
Você me inibiu

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Vamos pular!


Não, não estou evocando música juvenil de Sandy e Júnior, com o título "Vamos pular"...
Não estou fazendo quando era criança, chamando minhas colegas: "Vamos pular corda?"
Também não quero fazer referência ao que os velocistas e saltadores em Olimpíadas devem dizer entre si para alcançarem um recorde: "Vamos pular mais três centímetros..."
Nem tampouco relembrando passagem de Festa Junina onde a famosa "Pule a fogueira, iaiá!" embala toda acepção de festa nos meses de frio...
O que quero dizer, gente, é sobre um "Vamos pular!" mais abrangente, aquele que dá conta de um abaixo o comodismo, a negligência , o "empurra-com-a-barriga", o " fazer-vista-grossa", "ouvido de mercador", e toda aquela montanha de parasitismo que nos acomete quando queremos burlar a lei do "Faça você mesmo!"
Vamos parar com a vontade de nos esquecermos dos deveres e só lembrarmos dos direitos, de ficarmos em casa com arzinho ligado gostoso e metendo o malho no Governo...
Vamos parar com a displicência adolescente e sermos mais adultos!
Vamos pular, galera, e pular bonito!
Corrermos atrás dos nossos sonhos e sermos mais práticos!
Vamos parar de nos considerarmos números e sermos mais individuais em prol do bem comum!
Vamos parar de apontar o erro do outro e fechar os olhos para os nossos próprios erros...
O que quero dizer, gente, é que há certas pessoas que insistem em delegar ao seu semelhante suas responsabilidades, quando a nossa parte devemos realizá-la... e muito bem!
Há gente que insiste em dizer: "Mas a maioria...", quando cita-se algum deslize que muita gente comete, e eu insisto : "Que mané maioria, pô?"
O seu nome agora é "Maioria"?
Não, você é único (a) no Universo!
E o que te compete é seu, para bem ou para mal!
Pule, galera, pule!
Mexa-se, não espere o outro fazer por você!
Respeite o seu limite e faça o que tem que ser feito, porque os problemas contrariam a lei dos problemas da matemática onde existem as quatro operações: adição, subtração, multiplicação e divisão.
Estranhamente, os problemas da vida humana, só se multiplicam...
Amarga, eu? Não!
Prática, só isso!
Ocorreu por esses dias um fato que muito me aborreceu...
Gente que quer responder pela "maioria" a sua concepção sobre determinada questão.
"Mas a maioria..."
Saco!!!!
As pessoas devem aprender a responder por si mesmas: "Mas eu..."; isso é que é bacana de se ouvir!
Enquanto houver pessoas que olham para o seu semelhante como "dados estatísticos", nossa querida Política continuará fazendo o que já faz "com louvor", nos considerando como "cabeça de gado eleitoral". (Como o Governo adora esse tipo de gente!)
"Números" é o que somos, quando nos eximimos dos nossos deveres...
"Cabeça de gado eleitoral" é como os políticos nos vêem na contagem dos votos...
É isso o que você quer para a sua vida?
Seus pais se mataram para escolher um nome decente para o(a) filho(a), e no final você ser intitulado(a) como "Maioria"!
-Qual é o seu nome, menino(a)?
- Maioria.
É assim que você responde a um desconhecido? Creio que não!
Vista a camisa do seu nome e encare sua opinião!
Não forme o cordão das "maria-vai-com -as -outras" e ser aquele(a) tonto(a) que fica jogando uma resposta decorada no ar!
Ai, vocês não sabem o que é ter na convivência de trabalho pessoas assim...
E um desses discursos "comodistas" me tirou da minha normalidade...
É como dizia um camelô ao vender seus produtos onde morávamos:
- É pra pegar e pegar alto! ( Ele queria dizer que já que a pessoa iria comprar um produto, que comprasse logo o do melhor).
Aqui no post cabe o seguinte:
É PRA PULAR E PULAR ALTO!

Não espere a próxima Festa Junina para fazer isso...

(Imagem:

http://altoslugares.files.wordpress.com/2009/01/pulo1.jpg)

Resposta do desafio do último post. Infelizmente, ninguém arriscou um palpite, que pena...
A pergunta era:
Quem foi o ator que disse a frase: A beleza abre portas; o talento as mantém abertas ?
R.: Marcos Paulo.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Frases marcantes dos artistas

Não sei se é normal assistirmos TV ou filme e prestarmos a atenção em certos trejeitos, falas, que os artistas têm ao se comunicarem, seja atuando, seja dando entrevista, enfim, transmitindo alguma ideia.
Faço isso direto; não me contenho!
Eu sei que o mais comum é nos ligarmos nas roupas, acessórios, a moda que ditam como sendo a melhor.
De uma maneira bem humorada, resolvi postar algumas das frases-efeito ou algo que o valha, que alguns artistas costumam dizer (não sei por que insistem em repeti-las!).
Escolhi três das que mais me marcam.
Vou fazer uma espécie de Olimpíadas e começarei pelo terceiro colocado (na verdade, terceira!) do trio TTT (no final vocês vão entender porque os chamei assim!)


3.o lugar - Medalha de bronze= Taís Araújo

Nossa, acho maravilhosa a forma como Taís Araújo interpreta seus personagens!
Ela coloca o tom certo e possui o tempo cênico perfeito (não é todo ator que consegue isso!) e como essa grande atriz impõe dramaticidade nas cenas mais exigentes! (Ela costuma ter o que chamamos de interpretação sincera, ou seja, coloca a alma no personagem).
Todavia, tanto elogio deveria ser acompanhado de uma crítica construtiva e eu não perderei essa oportunidade!
Taís, para meu desespero, costuma lançar um " Queridinha", ou "Meu amor" em QUASE todos os personagens que nos honra interpretando!
Por que raios essa moça cisma tanto com esses dizeres?
Não acredito que todo autor de novelas escreva propositalmente para ela repetir isso tantas vezes...
O pior é a ironia na voz , o que os seus personagens, por mais dóceis que sejam, acabam usando os citados termos com essa figura de linguagem!


2.0 lugar - Medalha de prata = Tony Ramos


Tony Ramos...
Dono de interpretações inesquecíveis como as do grego Nikos (Belíssima), Riobaldo (Grande Sertão: Veredas) e Cláudio (Se eu fosse você 1 e 2), esse ator digno de estátua, seria perfeito se não fosse um defeito: repete demais o seu bordão pessoal "Que loucura!".
Tendo como variantes "Mas que loucura" e "Que loucura isso!", Tony impõe a frase-efeito aos telespectadores por onde quer que passe!
Já cansei de contar as vezes em que o ouvi proferindo tais dizeres...
Ah, ele também tem a mania de gesticular apontando o dedo indicador quando está dando conselhos, irritado, reclamando, etc.
Considero repetitiva essa particularidade do Tony...
Desculpe, meu lindo, mas acho que você deveria diminuir um pouco esses trejeitos!


1.o lugar - Medalha de ouro = Tarcísio Meira


Tarcisão, nosso galã-mor, considerado como a cara da Globo, intérprete de personagens memoráveis, que eu renderia um post inteiro só falando deles, tem no seu repertório o indubitável "Mas que diabos!" em QUASE todas as novelas!
É impressionante que o cara pode fazer o papel que for - bom ou vilão - mas ele tem que desfilar a frase que traduz sua irritabilidade!
Foi engraçada a aposta que fiz comigo mesma de que o ator na última novela que fez (A Favorita) não iria dizê-la.
Num capítulo aparentemente calmo, o nosso veterano galã acabou desferindo-a e uma gargalhada sonora poderiam ouvir de mim até o próximo quarteirão...
Adoro Tarcísio Meira!
Para mim, ele é um dos maiores!
Dizem que já foi até melhor quando era rapaz ( o alcancei um senhor...) e fico imaginando se poderia ainda ser melhor que é!
Só que seu dito novelístico está muito manjado!...
Caramba, não dá para mudarem o bordão desses atores?
(Conseguiram entender por que apelidei o trio de TTT?)
Acho digno frisar que esses atores são de alto nível e os tenho na cota dos melhores que o nosso País pode oferecer.
É apenas uma maneira alegre de citá-los, sem ser didática...
Hum, adoro um bônus e vou saborear um junto a vocês:
Que tal o "Imagina!" que o igualmente grande ator, Ary Fontoura, nos brinda em todas as novelas?
É sentar diante da TV e esperar o momento que ele dirá a dita-cuja... (Ary, gosto de você, mas dá um tempo com essa frase, né?!)
Eu também possuo uma frase de efeito (estou metida, virei celebridade! haha), que ando me corrigindo para não repeti-la.
Em qualquer situação, eu dizia muito (ainda digo, mas em menor proporção):
"Complicado isso!"
Eu apenas me dei conta que eu a repetia demais, quando uma vizinha falou, automaticamente:
"É, minha filha, é complicado mesmo!" ( E o assunto que falávamos nada tinha a ver com "complicação"...)

Alguém se aventura em lembrar frase repetitiva de celebridade?

Você tem alguma sua que repete demais?

E para finalizar, um desafio:

Qual ator disse a frase reflexiva abaixo numa entrevista (Aliás, frase maravilhosa!)?

"A beleza abre portas; o talento as mantém abertas..."

Resposta no próximo post!

(Imagens:

http://joannastabel.wordpress.com/2009/05/15/televisao-desde-os-primordios/


http://audienciadatv.wordpress.com/2009/10/22/tais-araujo-chora-ao-ler-as-criticas-de-viver-a-vida/


http://marcosrivelles.zip.net/arch2008-01-06_2008-01-12.html


http://blogs.abril.com.br/novela-das-oito/2009/01/onde-foi-parar-copola.html)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Essa é para quem curte tênis de mesa!


Não tem como escapar!
O Diego tem um jeitinho todo especial de convencer, a nós, seus amigos blogueiros, a participarmos de seus desafios! (haha)
Agora ele mandou para a galera um ping-pong (nome popular para "tênis de mesa") , daqueles que os entrevistadores fazem com as celebridades: "Quando você viajou para Paris?", "Cite três cores preferidas", nesse gênero, sabem?! (Já perceberam que estou me sentindo a própria Angelina Jolie com essa história!...)
Mais uma vez entro nessa brincadeira promovida entre os blogueiros e estou contentíssima por ter sido indicada!
Ah, o João Poeta também não me permitiu "fugir" e me convidou também...
O desafio é respondermos aos seguintes itens (15 no total) com a mais profunda sinceridade possível (haja memória também!) e depois indicarmos alguns amigos para entrarem na "farra".
Vamos lá:

01.Há dez anos
Estava preocupada porque diziam que o mundo iria acabar em agosto de 1999!
A minha irritação é que o mundo acabasse antes do prazo (o famoso anos 2000), sem que eu realizasse os meus muitos sonhos...

02. Há cinco anos:

Iniciei um curso de teatro muito legal onde aprendi bastante sobre a vida, pessoas, deixei muito dos complexos de lado. (Aconselho a todo mundo a fazer um curso de dramaturgia porque serve para a vida, não somente para virar celebridade!)

03. Há dois anos:
Interrompi meu curso intensivo de inglês (Advanced) - que pena!- para me dedicar tão-somente à faculdade.
Pretendo voltar, se Deus permitir!

04. Há um ano:

Ah, consegui me formar!
Andei parando a faculdade por uns tempos (motivos pessoais , tipo: falta de grana) e exatamente no dia 29 de agosto de 2009, colei grau, o que só me enche de orgulho por ter sido através de muito esforço e perseverança que cheguei lá!

05. Ontem:

Foi muito legal! Um dia muito agitado...
Dei aula, estudei com uma amiga minha e sua irmã, fiz compras no mercado, "faxinei" a casa do meu irmão e espantosamente, não "internetei" em momento algum!
No final do dia, me encontrava gostosamente cansada...

06. Amanhã:

Só Deus sabe! (Se Ele permitir, vou encarar uma fila de banco, que costuma ser imensa em início de mês...)

07. Cinco coisas sem as quais não posso viver:

Bem, devo separar em...
Materiais:
Meu celular, internet, materiais escolares (por motivos óbvios!), batom e uns 10 reais para comprar ao menos um lanche!

Emocionais:

Minha família, meus animaizinhos (eu sempre tenho que criar ao menos um!), amizades sinceras, consciência tranquila e um sorriso afável nos momentos que eu estiver para baixo...

08. Cinco coisas que eu compraria com mil reais:

Mil reais não são tanto dinheiro assim, portanto, iria empregar só com frescura!(haha)
Roupas, bijuterias, roupas, sandálias, roupas, bolsas, roupas, enfeite de geladeira, roupas, relógio de pulso, roupas, prendedor de cabelo, roupas, ...
Passou de cinco?
Hum, foi mal, desculpem!...


09. Cinco maus hábitos:

Falar demais (sei que às vezes extrapolo...), comer bobagens de rua (Sabem aqueles salgadinhos de procedência duvidosa? Pois é...), repetir algumas vezes o mesmo assunto, roer unhas quando estou ansiosa (nessa estou com você, Diego!) e querer empurrar meus gostos pessoais para as pessoas.

10. Três coisas que me assustam:
Quando estou dormindo e ouço barulho esquisito, filmes de terror e a política no nosso País...
11. Três coisas que eu estou vestindo nesse momento:

Bermuda jeans, camiseta, presilha no cabelo.

12. Quatro das minhas bandas/cantores favoritos (as):

Dos internacionais, são:
Scorpions (meus eternos maravilhosos!!!!)
U2 (esses irlandeses são demais!!!)
30 Seconds To Mars ( os descobri há coisa de dois anos e estou fascinada!)
A-Ha ( os noruegueses têm tudo que um pop/ romântico deve conter!)

Dos nacionais, temos:

Lulu Santos (desde sempre e para sempre!!!!)
Pitty (acho que a milésima vez que a cito num post! haha)
Rita Lee ( a mãe do rock nacional dispensa comentário...)
Chico Buarque ( suas letras são incontestáveis!)

13. Três coisas que eu realmente quero agora:

Tomar banho, beber um suco de maracujá (está prontinho na geladeira; é só pegar!) e assistir o restante do famoso e "veinho" filme chamado "Ao Mestre Com Carinho" (com Sidney Poitier) que ainda não terminei...

14. Três lugares aonde quero ir nas férias:

Califórnia, Egito ou alguma reserva ecológica ( ai, se um dia for possível qualquer um desses...)

15. Pessoas escolhidas: (para fazerem o mesmo)

Não sei se as pessoas abaixo já foram escolhidas, mas vou arriscar:






Bom, se já foram escolhidos, ignorem a indicação!
Abração a todos!

(Imagem:

http://horamadeira.blogs.sapo.pt/287333.html)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Amo a vida!

Vamos celebrar a vida, gente!
Encontrei um vídeo tão lindo de nosso País no Youtube, que não vacilei: resolvi postá-lo aqui.
É cada cena mais linda que a outra!...
Duvido que vocês não irão gostar...
Apreciem e absorvam esse dom maior de podermos ser felizes com pequenos gestos de ternura e amor!
Corremos tanto atrás do impossível e requintado, quando as melhores coisas estão a nossa volta, esperando apenas que paremos para as observarmos com mais sentimento, com o olhar sensível do coração.
Por falar nisso, em gestos simples, em coisas aparentemente tolas, sempre me emociono ao vir uma delicada joaninha pousada numa folha (para quem não sabe, é um insetinho muito fofo, arredondado, de asinhas coloridas).
Adoro observar seus movimentos limitados, que apesar de tão pequena, ela consegue enfeitar a folha que é a sua eleita para o pouso!
É uma bobagem para muitos, mas eu sou assim, uma pessoa apaixonada pela vida, que vibra com esses detalhes que passam desapercebidos por muitos.
Vocês também teriam algo que para os outros é tolice, mas que na sua opinião é importante?


segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Injustiça com os animais

Seguramente, o ser humano é a criatura mais injusta que existe!
Não importa se tentamos acertar, o caso é que, com aquele epíteto de SERES RACIONAIS - portanto, sabedores e com o direito de comandar os seres "inferiores" - só estamos perpetuando nosso rastro de mágoa e dor.
Sempre me entristece muito o reconhecer da inferioridade e mesquinhez da minha raça dita humana!
Como somos pequenos, metidos, idiotas!
Bem, meu enfoque aqui é sobre o conhecimento recente de dois casos antiquíssimos e reais, do tempo da minha avó, literalmente, que me deixaram um tanto reflexiva.
As histórias são bem semelhantes entre si e fulguram naquelas injustiças que podemos cometer corriqueiramente, "do nada", quando achamos que aquilo jamais nos aconteceriam.
O primeiro caso foi de uma família americana que havia saído e deixado o filho sozinho, tendo como companhia apenas o cachorro de estimação, de porte grande e robusto.
Na volta, o casal encontra o menino desacordado, com algumas porções de sangue pelo pequeno corpo ainda franzino.
O cachorro também estava ensanguentado e perto da criança, aparentando cansaço.
Que conclusão a que o casal chegou?
- Aquele cão odioso atacou nosso filho!
Com uma arma que o marido tinha o porte, ele deu dois tiros no animal, matando-o sem pestanejar.
Mais tarde, acordado e com a consciência plena, o menino pergunta pelo seu companheiro de quatro patas.
Os pais o avisam que deram cabo nele pois o animal malévolo o havia ferido.
Em prantos, o garotinho grita, desesperadamente:
- O que vocês fizeram?! Ele me salvou! Um urso havia entrado aqui e ele lutou até conseguir matá-lo! Vão na cozinha para ver se o urso não está lá morto...
Quando entraram no local que o filho indicara, com que estupefação o casal não constata a dura realidade do que fizeram: o urso morto, ou seja, a injustiça contra o amigo de anos!...
O segundo caso foi em minha família, por parte do meu avô paterno, um homem decente, trabalhador, mas grosseiro, infelizmente.
Meu avô e minha avó moravam na roça, logo, o ambiente propício para a criação de animais diversos.
Dentre os tantos, havia uma gatinha ( não sei o nome), muito mansinha e delicada, que costumava ficar na cozinha para fazer suas refeições e dormir.
Nunca havia pulado sobre a mesa para pegar comida!
Ficava "mocinha" esperando a sua refeição que vinha na hora certa (Ela já sabia o horário e só miava pedindo nesse horário).
Um dia meu avô comprou peixe ( a tentação dos felinos!) como tantas vezes o fizera e foi logo avisando, quando minha avó o havia preparado:
- Esse bocado aqui é meu! ( umas três postas de peixe) Não quero que ninguém pegue!
Pôs sobre a mesa, dentro de uma travessa.
Saiu para o roçado na ânsia de retornar e servir-se da porção que havia separado.
Em seu retorno, cadê o peixe? Sobre a mesa, só a travessa vazia!
A pequena felina estava lá, sono solto, ronronando gostoso o seu soninho de gata...
- Que gata miserável! - pensou ele - Comeu o meu peixe e agora está aí, dormindo, com o pandulho cheio!
Enraivecido, serviu-se de sua espingarda de caçar passarinho, e lascou-lhe uns tiros, que a matou na hora (papo fiado de que gato tem sete vidas!).
Minha avó escutou os estampidos, e veio correndo para ver o ocorrido.
Com ar de justiceiro, meu avô contou-lhe a história.
Consternada, minha avó apenas disse:
- Homem, que burrada a sua! Eu só troquei o peixe de lugar. Estava dando muita mosca...
Olhe ali o seu peixe dentro da panela!...
Coisas que acontecem com pessoas normais, justas, honestas, trabalhadoras!
O que muito me choca é saber que não somos melhores que nenhuma dessas pessoas que fizeram essa ignorância!
Podemos a qualquer momento estarmos nessas situações e agindo da mesma forma.
E o que muito me choca também é por se tratar de animais.
Eles têm boca, mas não sabem falar...


Vocês conhecem algum caso de injustiça contra animais?
Sintam-se livres para narrá-lo, se assim o desejarem!

(Imagem:

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Camila, de Nenhum de Nós - Você a entende?


Acho que vocês já perceberam que adoro analisar letra de música!
Não consigo ouvir uma canção, seja ela em língua portuguesa ou estrangeira, sem tentar captar-lhe o significado.
Sempre procuro descobrir o que há por trás da letra , correndo atrás da tradução ( no caso das não brasileiras).
Uma música que martela a minha mente desde que a conheci, mas que nunca apurei o que ela queria dizer de verdade já que ninguém "fechou" com um sentido só , foi Camila Camila, de Nenhum de Nós.
Encontrei várias interpretações para a letra e todas cabíveis.
Como os compositores não se pronunciaram qual seria a de fato adequada, então postarei aqui a letra e o vídeo para que nós, juntos, possamos chegar à uma conclusão, se é que isso é possível.
Antes, porém, algumas informações:
A música é um dos clássicos do chamado BRock da década de 80.
A banda é catarinense e lançou, além dessa, a versão para Starman de David Bowie , a sua mais conhecida canção: Astronauta de Mármore ( Há quem diga que estragaram a música original. Eu não acho. O que a fez um pouco piegas foi o fato que tocou até estourar os ouvidos nas rádios!).
Temos também as famosíssimas Eu caminhava e Sobre o Tempo.
Deixo aí a letra de Camila Camila, seguida do vídeo.
Hum, será que conseguiremos finalmente entendê-la????

Camila Camila - Nenhum de Nós

Depois da última noite de festa
Chorando e esperando amanhecer, amanhecer
As coisas aconteciam com alguma explicação
Com alguma explicação
Depois da última noite de chuva
Chorando e esperando amanhecer, amanhecer
Às vezes peço a ele que vá embora
Que vá embora
Camila
Camila, Camila
Eu que tenho medo até de suas mãos
Mas o ódio cega
E você não percebe
Mas o ódio cega
A lembrança do silêncio
Daquelas tardes, daquelas tardes
Da vergonha do espelho
Naquelas marcas, naquelas marcas
Havia algo de insano
Naqueles olhos, olhos insanos
Os olhos que passavam o dia
A me vigiar, a me vigiar
Camila
Camila, Camila
E eu que tinha apenas 17 anos
Baixava a minha cabeça pra tudo
Era assim que as coisas aconteciam

(Imagem:
Ah, sim!
Resposta da pergunta da última postagem: Qual seria o desenho animado que emoldurou o post?
R.: Carangos e Motocas.
Somente minha querida amiga Sissy conseguiu acertar (Ela respondeu no diHITT).
Parabéns, Sissy!
Aguardem, que eu porei muitos outros desafios!

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Brincadeira de criança

Neste dia 12 de outubro, Dia das Crianças , gostaria de prestar uma pequena homenagem a essa que foi uma das melhores fases de minha vida: a infância.
Todo mundo tem uma imagem infantil , ainda que nem todos os adultos tenham tido uma infância das melhores.
Eu lembro que fui bem feliz quando era criança no que é possível uma família com parcos recursos poder ser, pois recebi amor, carinho e compreensão dos meus familiares, um bem maior, insopitável em nossas vidas.
Driblava a falta do recurso financeiro que não me permitia possuir brinquedos caros, com a imaginação.
Como eu era criativa!!!!
Inventava tantas brincadeiras que só existiam em meu imaginário...
E os "amiguinhos da parede"?
Eles eram duas criaturas dos gêneros masculino e feminino que eu identificava como tendo a mesma idade que a minha, sendo que os nomes foram assimilados com os de uns vizinhos adultos (não sei por que fiz tal assimilação!).
Por que "da parede"?
Porque eu sempre oferecia comida e "conversava" com eles pela parede da sala, como se houvesse portas e janelas de tamanho mágico que se adequavam à proporção de seus corpos.
Esses meus "amiguinhos" me acompanharam dos quatro aos sete anos e eu seria classificada por Jean Piaget como estando no período pré-operatório (Segundo ele, é nesta fase que surge, na criança, a capacidade de substituir um objeto ou acontecimento por uma representação, esta substituição é possível, conforme Piaget, graças à função simbólica. Neste estágio a criança já não depende unicamente de suas sensações, de seus movimentos, mas já distingue um significador (imagem, palavra ou símbolo) daquilo que ele significa (o objeto ausente), o significado, é importante ressaltar o carácter lúdico do pensamento simbólico. Assim este estágio é também muito conhecido como o estágio da Inteligência Simbólica).
Quando eu li, já adolescente o livro O quarto que virou circo, de Mauro Martins, me identifiquei inteiramente com a historia, que não perdendo tempo, já indico para uma leitura mesmo sendo você, adultíssimo!
Era sobre um garotinho que também imaginava, achando que o seu quarto era um circo, como sugere o título. (Historia pungente que nos toca de maniera ímpar na nossa sensibilidade mais profunda).
Das brincadeiras físicas, sempre fui apaixonada pelos piques:
Pique-alto, pique-madeira, pique-esconde, pique-cola e o preferido dos preferidos, era o pique-ajuda, paixão que cultivei até a adolescência.
Tive a sorte de ainda pegar a época que se brincava de roda, e aprendi tantas canções que até hoje me causam uma dor gostosa de saudade... ( Tenho um CD com várias dessas músicas; assim volto um pouco no tempo).
Eu era muito boa em pular corda também; conseguia cantar aqueles clássicos como O homem bateu a minha porta até o fim, sem errar o pulo!
Comecei a brincar de queimada (pasmem!) só quando fiquei adulta, porque quando eu era criança, não sabia brincar direito e era "zoada"! (Ano passado fui desafiada pelos meus alunos adolescentes a jogar com eles. Não topei. Fiquei temerosa... de vencê-los! haha)
Houve alguns fatos um tanto chatos e/ou tristes na minha infância, mas graças a Deus consegui absorver só o lado bom e não guardo a memória ruim.
Viver é uma brincadeira tão fascinante...
Quem precisa ficar triste?




Um quiz pessoal sobre infância:

1) Qual era a sua brincadeira favorita?

2) Quem era o seu ídolo?

3) Qual era o seu desenho animado favorito?

4) Qual era o nome do(a) seu(a) melhor amiguinho(a)?

5) Qual era o seu sonho de presente no aniversário?

Desafio:
Você seria capaz de responder o nome do desenho animado que está aparecendo no post?
Apenas uma dica: é da década de 80.
Resposta? Só no próximo post! haha

Boa memória de criança para todos!!!!

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Fatos de Fato - 1 ano... de fato!


"O tempo não pára/ Não pára, não/Não pára!" é o trecho da música de Cazuza que melhor sintetiza os sentimentos que me tomam hoje.
Parece brincadeira mas é neste dia que o Fatos de Fato está completando 1 ano de existência!
Puxa, tanta coisa aconteceu desde então...
Para começo de conversa, eu era uma fissurada perscrutadora de blogs, aprendendo muito com blogueiros fantásticos e suas matérias importantes.
"Fuço" daqui, "fuço" dali , acabo encontrando o blog do Zeca Camargo , no que fiquei impressionada com a "cara-de-pau" dele ao expor seus gostos musicais bem ecléticos.(Maiores detalhes em Falando de blog, meu primeiro post).
Sim, estava ali nascendo uma blogueira!
Descobri que blogs tinham uma função que sempre busquei e não havia encontrado: que servem para uma pessoa ter opinião.
E depois não é!
A interatividade que um blog permite é qualquer coisa de maravilhosa, a inquietude que salta em palavras bem recebidas ou não.
Que emoção, gente, quando pela primeira vez, vi ideias MINHAS na internet, colocadas à prova, com a probabilidade de serem avaliadas, amadas, odiadas, mas MINHAS!
A partir daquele primeiro momento, eu soube o quanto era importante eu poder ser eu mesma, com particulares minhas , concernentes ao meu modo de enxergar a vida!
Depois disso, daquele dia 7 de outubro de 2008, não parei mais.
Tenho conhecido tanta gente também!...
Dá a impressão que se trata de pessoas que moram na minha rua, que falo o meu rotineiro "Bom dia!", conversando gostosamente numa dessas calçadas de bairro.
O mais incrível é que parecem vizinhos dos mais legais possíveis, pois o papo gira em torno de cultura, informação, entretenimento, opinião. Jamais fofocas!
Como já fui ajudada em todos os aspectos!
Quantos comentários inteligentes, doces, amigáveis, incentivadores, críticos, informativos eu não tenho recebido?!
Quantos blogs o Fatos de Fato não me permitiu conhecer?!
Quanta emoção, gente, eu não estou sentindo agora? (Ainda bem que não estou na fase das lágrimas, senão elas já estariam escorrendo...)
Só quem tem um blog sabe o quanto ele nos proporciona um bem-estar interno inenarrável, uma sensação de liberdade naquela suave prisão que nos arremete a um post futuro, sabendo que se você está livre para as ideias, está preso porque deve manter um "padrão".
Às vezes me pego meio sem inspiração, mas o blog me "cobra": "Ei, você não queria um blog? Eu, o Fatos de Fato, te exijo que siga em frente!"
Interessante que ele me "incentiva" a não desanimar, já que tem uma personalidade própria! (haha)
Como não falar do Fatos de Fato e não citar o diHITT?
Adoro dizer que o blog não existia, no strictu sensu (sentido mais direto), antes de eu conhecer esse site!
No diHITT que as coisas acontecem e como podemos aprender!
Acho justo salientar que o citado site agregador não seria o que é, se não fosse a competência, carisma, brandura, amizade do fundador Pablo Melo.Creio ser ele o ÚNICO dono de alguma empresa, que CONVERSA com os hierarquicamente inferiores a ele (não nos esqueçamos que somos apenas usuários do site que, aliás, é GRATUITO!).
Nosso Pablito é gente que faz!
Outra situação que faço uso é de não elogiá-lo muito, porque depois vão achar que eu sou uma "puxa-saco"! (haha)
Só que é a grande verdade e todos nós, orgulhosos diHITTianos, admitimos que há um diferencial dentre todos os sites agregadores e/ou de relacionamentos, muito por causa do nosso estimado "chefe".
E eu não poderia deixar de dizer, que sou uma incansável defensora dos blogs, porque sei que são eles que comandarão, num futuro bem próximo, essa fantástica nave, que se chama internet.
Meu muitíssimo obrigada por todos vocês que compartilham comigo das venturas e desventuras do Fatos de Fato!
Espero poder contar com a benevolência e ternura que me transmitem sempre, me colocando para cima com sua amizade e incentivo!
Sobre vocês, meus amigos, eu só tenho que agradecer e agradecer!
Vocês existem????
Se não existissem, pediria a Deus para que lhes criasse!...
Só por curiosidade: qual foi o post ou o tema que vocês mais gostaram de ler aqui no Fatos de Fato?
Mais uma vez, obrigada!!!!
(Em tempo: Pitty faz aniversário hoje também! Parabéns, minha querida roqueira!)


Bem, termino deixando o clip da música Keep each other warm, de Barry Manilow, canção que me causa emoções inexplicáveis, de tão linda! Se ela tem a ver com o blog, não vou me preocupar.
Só sei que ela é umas das músicas que mais adoro ouvir nessa minha existência!
Divirtam-se!





(Imagem:

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Todo mundo é... invejoso!

Zuenir Ventura, magistral escritor brasileiro, que escreveu 1968 - O ano que não terminou, resolveu explanar também suas ideias sobre a inveja, no consagrado Mal secreto - Inveja, onde o objetivo era deixar a patifaria de lado e demonstrar que pessoas são pessoas em qualquer lugar ou época, independentemente de qualquer conceito que possam desenvolver.
O tema é intrigante, portanto, eu quero abraçar a polêmica nesse mais novo post da série Todo mundo é..., que há muito não a colocava em pauta.
Bom, não li o livro, mas acompanhei a entrevista do escritor no Jô Soares e adorei o que ele havia colhido em revelações de gente que é gente.
Constatou-se que não há NENHUMA pessoa no mundo totalmente desprovida de inveja!
Pasmem, senhores, mas não dá para correr dessa revelação...
O fato é que as pessoas NÃO ADMITEM terem inveja de nada (costumam dizer que têm admiração, por isso, imitam os outros), quando, geralmente, é uma vontade imensa de que ela, a pessoa, tenha, e o outro, se vier a conseguir, que consiga bem depois dela!
As proporções podem variar, e o objeto de cobiça, também, só que o sentimento de querer o que o outro possui, está lá, velado, fazendo-se de "desentendido", fingindo que aquilo não lhe atinge...
Oras, a inveja surge devido a algum complexo de inferioridade que todos nós temos diante de algo que nos parece impossível e que é o que mais queríamos realizar na vida!
Por exemplo, um célebre cientista que quisesse inventar aparelhos revolucionários, trabalhasse arduamente para este fim, e um colega, de mesmo patamar que o dele, desenvolvesse a ideia primeiro.
Qual seria a sensação naquele que "ficou para trás"? De complexo de inferioridade!
Ele se consideraria com menos capacidade que o colega; logo, a inveja viria com toda a força.
Inveja é um dos pecados capitais que mais temos vergonha de revelar porque é como se estivéssemos assinando o nosso próprio fracasso , como não pudéssemos jogar no time dos vitoriosos , e nos arrastássemos atrás daqueles que nos são nossos "algozes", nos fazem sofrer sem o saberem!
Há pessoas que dizem que só sentiam inveja quando eram adolescentes e que agora fazem de tudo para terem o seu próprio caminho.
Aí é que está a questão!
Se elas nutriam uma vontade de posse do que é do outro, isso não acabará só porque amadureceu na idade!
Desde o ginásio eu ficava revoltada por não ter "pernas de Cláudia Raia", aquelas que fazem os rapazes olharem mais de uma vez...
É um tanto ou quanto desconcertante para mim ainda ver amigas minhas que nasceram com o privilégio da genética, cruzando suas belas pernas, sendo as donas do pedaço, e fazendo questão de "dominarem" da maneira mais ingênua!... ELAS PODEM!
Não chegam a serem "cambitos" ( até têm o seu valor), só que as minhas pernas estão a milhas de distância de serem as cobiçadas pelo clube masculino!
Infelizmente, uma invejazinha costuma me perseguir quando vejo outras mulheres com essa "vantagem"...
Eu me perdoo porque não fico torcendo para que as pessoas não tenham seus objetivos alcançados, o que invariavelmente chama-se de inveja saudável.
Simplesmente é um desejo de ser boa nesse ou naquele sentido, que me leva a ter certos pensamentos.
A idade adulta e a filosofia de vida que adotei me ajudaram a aceitar melhor o que me é permitido possuir.
Se a inveja ainda persiste, ao menos eu não a deixo dominar, abano o sentimento ruim e penso: "Não era para ser meu"!
Admitir que temos inveja, seja ela de qual teor, já é caminho andado para a retificação do erro.
Porque aí poderemos trabalhar para a melhoria do caráter, não deixando margem para aquilo chegar ao ponto de defeito crônico, e que faz mal ao nosso semelhante, senão, a nós mesmos.
Por mais triste que seja, o dito popular é sábio: A INVEJA MATA.
Duas historias conhecidas nos comprovam a veracidade:
1) Caim que matou o seu irmão Abel.
2) A madrasta da Branca de Neve que mandou matá-la.
E ambos os casos, a motivação principal foi a inveja.
São historias que podem acontecer na vida real, tomemos cuidado!
Uma das frases de Zuenir sobre o tema, resume bem tudo o que foi escrito:

"Ciúme é querer manter o que se tem; cobiça é querer o que não se tem; inveja é querer que o outro não tenha ..."


(Imagem:

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Eu detesto, e vocês?

Volta e meia sou chamada para desafios e quase nunca corro deles!
Achei muito legal quando meu amigo Diego, e depois, o Pedro, me chamaram para a "luta":
conseguir condensar em uma única lista, as 10 coisas que detesto!
Hum, detesto tanta coisa nessa vida, assim como adoro tantas outras...
E meu desafio pessoal (ninguém me obrigou a isso! haha) era fazer a lista, e colocando um "mas", para falar das coisas que quase ninguém gosta, só eu! ( ou alguns outros poucos loucos!)
Vamos à ela, então?

10.o lugar: JILÓ

Eu sei que há pessoas que comem jiló, e que há pessoas que até gostam, mas eu sou do time que DETESTA esse alimento!
Não desce, não vai, não suporto o cheiro! Não tem conversa: é ZERO pra você, jiló!
Talvez eu aprenda a pelo menos conseguir engoli-lo!
Preparem o guarda-chuva quando isso acontecer!...
... MAS gosto de quiabo, coisa que também detestava e agora me amarro!

9.o lugar: USAR ROUPA MOLHADA
Essa é uma das "brabas"! Sabem quando só se tem um uniforme para trabalhar, aquele está sujo demais , tem que ser lavado no dia anterior e ele não ficou seco o suficiente para o dia?
Pois é. Horrível usar aquilo, não?
Já aconteceu comigo várias vezes e por conta disso, pelo trauma causado, está incluído aí na lista dos detestáveis!
...MAS adoro usar uniforme de um modo geral, desde criança, algo um tanto insuportável para a maioria das pessoas.

8.o lugar: QUANDO INTERROMPEM ALGUM ASSUNTO
Ai, quer me deixar irritada mesmo, é quando estou falando algo e alguém fica falando junto assunto que não tem nada a ver com o que eu dizia!
Parece que a pessoa está desprezando a minha opinião, ou acha que a dela é melhor...
Não façam isso, se quiserem ser meus amigos! haha
...MAS adoro ouvir "causos" de idosos! Eles são hiper criativos e sábios! Tenho a maior paciência.
Já ouvi muitos colegas dizerem para mim: "Só você mesma para aguentar esse tipo de gente!", como se eles nunca fossem envelhecer...

7.o lugar: ESPERAR
Quem é que inventou esse verbo "esperar"?
Se não fosse ele, ninguém nunca mais iria se atrasar para um encontro...
E por causa desse bendito verbo, inventou-se urgentemente o "Desculpe, eu sei que demorei!" após meia, uma hora de atraso odioso!
Eu já me atrasei, é claro, mas nunca fiz disso um hábito!
Será que há gente sentindo prazer em usar a frase feita? Só pode...
...MAS, em contrapartida, sinto enorme satisfação em esperar festas!
Todo mundo quer que chegue logo, não gosta de aguardar a data certa, às vezes dá o presente antes...
Eu, não!
Adoro ficar contando os dias para a data chegar.
Levo a sério o ditado que diz que "O melhor da festa é esperar por ela!".

6.o lugar: LAVAR ROUPA
Tudo bem que prendas domésticas não são minha "praia", não faço o gênero "dona-de-casa" com pano na cabeça e gritanto para vigiarem a água no fogo (Coitadinho do meu futuro marido! Vai ter que deixar qualquer machismo de lado e me ajudar na labuta "de mulher"! haha), mas costumo ter uma convivência pacífica com a vassoura, espanador, esponja, etc, sem grandes "grilos".
Porém, há uma tarefa enjoada , que não topo de jeito nenhum: lavar roupa!
A despeito da invenção incomparável da máquina de lavar, nós, as representantes do sexo feminino, sabemos que nem toda roupa pode ser colocada na máquina, portanto, devemos usar nossas delicadas mãos para deixá-las limpas.
Eu não SUPORTO ter que fazer isso!
Confesso que muitas vezes evitei de vestir uma determinada roupa só porque aquela não era do clube passível de ser lavada na máquina...
...MAS me amarro em passar roupa! Muitas mulheres me chamam de louca por eu gostar de deixar as vestes alisadas, bonitas, bem passadas! (Geralmente preferem lavar ao invés de passar).
Faço isso não só no inverno, como também no verão, sem problema algum.

5.o lugar: GENTE DERROTISTA

Afaste de mim aquele que vive dizendo o famigerado "Não vai dar certo!".
Essa pessoa vai correr o risco de descobrir sobre mim um lado pouco apreciável: que eu posso dar "fora" bem grosseiro quando me aborrecem nesse sentido!
Não, esse tipo de pessoa não tem noção nenhuma!
Já acha que não vai conseguir, antes mesmo de tentar?!
O pior é que quer me colocar para baixo também, dizendo que EU não vou conseguir!
Cai fora! Porque eu estou fora...
...MAS curto pessoas que fazem estratégia minuciosa para atingirem seus objetivos! Para muitos esse tipo de gente é calculista, fria, para mim, é uma forma dela não se dar mal.
Aprecio esse tipo de coisa.


4.o lugar: ACORDAR CEDO

Sei que esse é o clássico dos "ódios" entre todo mundo e é o meu também!
Coisa mais chata é acordar cedo...
Às vezes queremos tirar uma soneca a mais e não dá!
'Tá lá o despertador gritando, gritando, alarmando, me fazendo pular num salto só!
... MAS aprecio muito acordar cedo quando é para ler. Sim, gosto quando às vezes desperto mais cedo, sem despertador, e uso o tempo para ler, estudar; acho o máximo!

3.o lugar : DEBOCHE

Rir é uma coisa; debochar, outra bem diferente!
Tem gente que adora ficar "zoando" o outro de maneira ofensiva, geralmente pegando algum defeito e levando aquilo para o conhecimento de todos!
Fica rindo o tempo todo, como se ele(a) fosse perfeito(a)!
Não suporto atitudes quais essas!
...MAS adoro rir de piadas sem graça!
Para não deixar o(a) piadista "sem-graça", rio bastante para que se sinta bem...
E há piadas tão bobinhas, que acabam ficando engraçadas!

2.o lugar : GENTE QUE ADORA FALAR DE DOENÇA

Caramba, carambolas! Eu gostaria tanto que essas pessoas , que ADORAM falar de doença, mudassem de atitude...
Que morbidez é essa que acomete um ser humano de tal modo que o leve a falar de rinite alérgica ou perfuração no esôfago por horas a fio?
Uma vez fui visitar uma amiga mas ela falou TANTOOOOOOOO sobre doenças que saí de lá deprimida...
Daqui a pouco eu iria acabar desenvolvendo alguns dos sintomas, cruzes!
Quando a visitei uma outra vez, voltou a falar de doenças, mas fui esperta e deu no pé rapidinho...
Ela é boa pessoa, só que tem mania disso!
E nem hipocondríaca é, pois fala muito de doença dos outros, e não toma cuidados com a própria saúde. Estranho isso...
... MAS curto muito gente que tem receita de chazinho para tudo!
Acho o maior barato aquelas pessoas falando: "Toma chá de carqueja com limão!" ( é apenas um exemplo) quando comentamos que estamos com algum problema.
Sei lá, essas pessoas podem parecer chatas para muitos, só que para mim, elas me parecem gente boa, que querem ajudar, querem nos ver melhor...

1.o lugar: HIPOCRISIA

Venda de imagem é um dos piores comércios do mundo!
A pessoa vira para a outra diz que é defensora da bondade universal e é só para usufruir da boa fé, para se fazer de alguma forma...
Isso é detestável, repugante, horroroso, porque brinca com os sentimentos, faz com que a vítima seja manipulada.
Não aceito de modo nenhum!
Por isso, não à toa, tirou em primeiro lugar dentre as coisas que mais detesto!
...MAS, bem, para a HIPOCRISIA, não existe MAS! É horrível de todo!

E um bônus: POEIRA NO PÉ

Eu sou uma andarilha nata!
Acreditariam se eu dissesse que já andei horas (entre duas e três) sem sentir cansaço?!
Vou olhando aqui e acolá, e andando...
Claro, dou minhas paradas, e continuo a andar depois!
Acontece, porém, que se eu estiver de sandália aberta, gruda uma poeira no pé que me deixa transtornada!
Não raciocino mais, fico irritadiça, já quero voltar para casa...
Essa poeira no pé é uma das coisas mais nojentas e horríveis que existem!
Gostaria de saber se alguém já teve a mesma sensação de "sufoco mental" como eu fico neste caso em particular...
Bom, por aqui paro e passo a bola para uma única blogueira:(Espero que ela goste da tarefa!)



Quero saber o que a minha querida amiga tem a dizer sobre as suas coisas detestáveis!

(Imagem:

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Porque eu sou... sincera!


Ser sincero(a) requer cuidados, sabiam?
Pois é, já sofri muito por causa disso...
É que as pessoas acabam achando que é pessoal, que é contra ela particularmente aquela sua opinião.
Contudo, devo frisar que há uma diferença bem grande entre sinceridade e falta de educação.
Nunca fui mal educada; o que já é uma vantagem.
Você não deve sair falando de maneira grosseira que um determinado comportamento de alguém não pode ser usado em alguns lugares!
O tato é tudo.
Quando um(a) amigo(a) pergunta antes de sair, e ele(a) está "nada a ver":
-Que tal estou? 'Tô bem?
Seu auge de sinceridade deve conter as seguintes palavras:
- Claro! Mas aquele casaco preto cai melhor em você. Lembra que todo mundo elogiou?(Apelar para a memória é muito bom nessa hora!)
Uma verdade verdadeira... Será que queremos ouvir?
Para ser sincera, não sou muito chegada quando falam "verdades" sobre mim, ainda mais quando julgo que houve injustiça!
Um ex meu caiu na asneira de comentar que meu penteado naquele dia de encontro não estava legal.
Não prestou!
Fiquei muiiiiiiiiiiiiiiiiito zangada e ele ouviu um monte!...
Eu havia passado a manhã toda dando um trato no cabelo ( só mulher sabe como é!), colocando creme, fazendo massagem capilar, lavando, escovando, pondo redinha, retirando creme, lavando mais uma vez, colocando creme de novo, para ele se resumir a ser apenas isso, sincero?
"Comigo não, violão!", diria minha vizinha mais engraçada (haha).
Ele que fosse cismar de ser franco com quem quisesse!
Naquele dia, o namoro não rolou...
Tinha o moço cometido dois pecados mortais:
1.o) Foi comentar de maneira muito direta, sem nenhum rodeio;
2.o) Implicou com o que eu considero meu patrimônio: meus cabelos longos e negros! ('Tadinho! Não sabia que com cabelo de mulher não se brinca, ainda mais os meus!)
Meses depois que terminamos o namoro (não foi por causa dos cabelos, como poderiam pensar!), eu me lembrei que o dito cujo tinha uma mania esquisita de ser grosseiro e inadequado em muitos momentos, embora eu não atentasse muito para suas explanações.
Sinceridade demais, às vezes magoa.
Não é que vamos começar a mentir.
Basta apenas que façamos o uso da sensatez e o bom-tom.
Dizem que de uma boa conversa ninguém corre, e talvez nessa "boa conversa" consigamos enfocar todos os assuntos, até mesmo aquilo que é um "abacaxi", como dizer que o(a) filho(a) do patrão é muito bagunceiro(a). (Não esqueçam de me contar se algum ser humano sobreviveu a isso depois...).
Vi uma cena no Fantástico uma vez com o Luiz Fernando Guimarães no quadro Super Sincero, que achei de uma franqueza impressionante!
O personagem queria ganhar uma mina e falou na lata:
- Com você eu não quero nada sério! Você não tem o perfil de mulher para casar. Contigo, eu só quero sexo, nada mais!
Como eu ri nesse dia!
Fiquei imaginando se existe alguém assim...
Homens, jamais sejam sinceros a esse ponto, 'tá?
Só estou contando porque ADORO vocês... (haha)
Sinceridade é muito bem - vinda, tendo, é claro , aquele feeling do "contornei".
Pensar antes de falar, moderar o tom de voz, ver o que se perde com aquilo...
Podemos ser sinceros com aquele toque gostoso da "doce verdade".
"Mentiras sinceras me interessam!"...

Bem, para sublimar o tema sinceridade, nada mais apropriado que um vídeo do meu querido, sincero-até-demais, Lulu Santos, com o seu hit Sincero ( trilha do quadro do Fantástico).


(Imagem:

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Freddie Mercury e Glória Maria - Entrevista antológica na época do Rock in Rio

Oi, gente!
Nesse post eu quis fazer algo bem diferente do que costumo fazer, que é expor minhas ideias e opiniões diante dos fatos.
Dessa vez passarei a bola para vocês; quero ler o que acham...
Bem, postei um vídeo que eu achei muiiiiiito interessante, uma entrevista do grande Freddie Mercury concedida à jornalista Glória Maria.
Não sei se já assistiram, mas não tem como ficar impassível diante da imagem.
A única coisa que eu direi é que fiquei na dúvida de qual marcador colocar, se o tema seria "Vídeo" ou "Humor"...




Ai, que saudade do Freddie...
Se estivesse vivo, teria feito aniversário no dia 5 de setembro, há poucos dias.
Beijos, onde quer que esteja, meu gateiro preferido!

E aí? O que vocês acharam?

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Lá se foi o inverno...

Brasil é mesmo país tropical, não tem jeito!
Longe ainda está a chegada da primavera , e já pusemos em evidência nossas roupas "veronis": bermudas, shorts, camisetas, óculos escuros e tudo o que for confortável para o bem-estar no calor!
Eu não exijo um inverno rigoroso, daqueles que o cachecol e três mil casacos de lã sejam necessários para aplacar o frio mas, poxa, um friozinho até que vem a calhar, do tipo que o uso de edredons e blusas de frio tenham lógica serem recorridos para dormir!
Semana passada tive que me levantar da cama.
Tinha colocado duas blusas mais fechadas porque, como já era bem tarde (23h.), os nossos graus centígrados costumam ser favoráveis a um soninho gostoso embolado com artefatos aquecedores.
Ledo engano esse meu!
Um suadouro danado me "atacou", que as inocentes blusinhas foram direto para alguma parte do armário, que chega me dar pena delas...
Frio no Brasil é frio "caroneiro": só chega com a chuva!
Sem contar mentiras (porque aqui os "Fatos" são "de Fato" ! (hahaha)) já houve ocasião de tremermos com os termômetros mais baixos no verão que propriamente no inverno!
É porque ocorre muito por aqui (quem mora no Rio de Janeiro conhece bem isso) umas chuvas de verão que duram às vezes uns quinze dias!
Nessa situação é um corre-corre para "desmofar" aquele casaquinho que parece-nos de tantos séculos!...
Ficamos bonitos porém, com a indumentária acidental!
Há uma elegância nos gorrinhos estilo europeu, ou nas botinhas pretas cano longo, que atentam para a mudança brusca na estação e ajudam a não molhar os pés ao passarmos nos buracos dos asfaltos mal-consertados...
E a frente fria?
Ela nos pega de surpresa, geralmente vinda do Sul, que por sua vez foi atingida pela frente fria da Argentina, trazida sabe-se lá se pelo pampeiro (o vento) ou porque los hermanos quiseram dividir conosco a proeza climática de seu território!...
Alguém se atreve a dizer que em Mato Grosso faz frio?
Quem já foi para aquelas bandas, diz que é complicada a coisa (É calor o tempo todo!).
O Skank até eternizou a impossibilidade de quedas de temperatura na capital do estado, ao cantar o quão difícil é não desejar a pessoa amada: "É como morrer de frio em Cuiabá " (Te ver ).
O inverno, vindo no jeito certo, eu gosto dele; não gosto é desse disparate climático e enlouquecedor de nossa terra!
Aqui só existem duas estações na prática - verão e inverno - embora elas se entrelacem de vez em quando.
As frutas não dão em profusão no outono: optam pelo verão.
Na primavera não vemos as mais belas flores: optam pelo inverno.
Se é algum alívio , o advento do aquecimento global também interfere em outras pátrias e nós não nos sentimos tão exóticos como é de praxe chamarem o nosso povo! (haha)
Como está um chove-não-molha nesse exato instante, me armei com meu casaco.
Um pouco de frio, meio tímido, e eu apelo para me aquecer.
Tenho que aproveitar.
Vai que na hora de eu dormir a temperatura não dê um "refresco"?...

(Imagem:

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Dalits por toda parte!

Como eu prometi na semana passada no post que falava sobre Caminho das Índias , darei um destaque maior hoje a um dos temas da novela, que é a questão dos dalits.
Dalits, segundo a novela, trata-se de pessoas que vivem na Índia e não pertencem à nenhuma casta, sendo reais párias de sua sociedade.
Por essa condição infeliz, são considerados "intocáveis", e sendo assim, os que são de castas, ainda que pobretões quais eles, os consideram impuros.
Ai daquele que os tocar!
Os mais "sábios" tratam logo de apavorar aquele "azarado", dizendo que deve se lavar no rio Ganghis ou se tornará inseto em outra encarnação ( ou até mesmo nessa...).
Nota-se, obviamente, que é peculiar àquela cultura esse tipo de conceito, que parece-nos absurdo e até costumamos duvidar que acontecimentos quais esse possam mesmo existir.
Cultura dos outros é sempre a estranha; a nossa, nunca!
Não sei se vocês já viram uma campanha que passa (ou passava) na Globo, quando em época do Criança Esperança (acho de uma demagogia incrível esse Criança Esperança, mas a campanha é muito bem feita), onde os filhos conseguiam ver crianças pedintes na rua, mas seus pais, não.
Queriam argumentar com isso que de tanto vermos os erros, acabamos nos acostumando com eles, e não tomamos nenhuma providência para os consertarmos.
Assim comparo a questão social comportamental de nosso povo com os "diferentes"!
Como somos cruéis com quem nos é "desfavorecido", seja lá de que forma isso se faça!
Vocês já comeram em lanchonetes mais simples onde entram pedintes?
Eu, já.
É barra, bem barra mesmo ouvir pessoas simplórias perguntando se a gente tem "1 real" para inteirar para a passagem.
Mais barra ainda é nós, os mais "favorecidos" dizermos na cara-dura que o dinheiro que temos é só para pagar o lanche...
E os olhares de todos é como se ali estivessem marginais com revólveres em punho informando o detestável "É um assalto!".
Não sou santinha e também os olho assim, infelizmente, repetindo a frasezinha feita, aquela da falta da grana para ajudar...
Aliás, pedintes em geral são muito mal vistos pois achamos sempre que vão usar o dinheiro para beberem cachaça ou "cheirar"!
Há casos, porém, de miséria pura, de pessoas que pedem para ALIMENTAÇÃO e não acreditamos, talvez por preconceito, talvez por considerarmos que aquilo não nos cabe resolver (o Governo que se vire!), ou simplesmente, que no nosso alter ego, os consideremos "intocáveis", ou seja, sua miserabilidade "pega" e eles não passem de "dalits" em nossa espúria sociedade!Sobre a questão do que é ou não é um "diferente", pode-se estender para tudo, desde àqueles que não tem situação financeira a contento, até mesmo para discordância de pensamentos.
Acredito que muita gente já se sentiu meio "excêntrica" por defender teses que não eram em acordo com a maioria.
Não gosto nem de falar da separação que fazem quando alguém, por exemplo, não está com a roupa da moda ou curte alguma música e/ ou filme já "ultrapassado".
Uma vez comentaram com meus pais que eu era "quietinha" porque não falava muitos palavrões!
Sei muito bem que esse "quietinha" era eufemismo tosco para não me chamarem de "jeca"!Olhem, quando soube disso, fiquei tão arrasada!...
O rodapé da sala era mais alto que eu nesse momento!
Se algum parente de uma família faz alguma bobagem, todos da família se tornam "intocáveis" também!
Onde morávamos, havia uma moça que era filha de prostituta ("Ó, que horror!", os demagogos gritando, como se prostituição fizesse alguém menos merecedor que outros de tentar ser feliz!).
Um dia ela arranjou um namorado do bairro que era "de família".
Todo mundo perturbou o cara dizendo que ele podia deitar e rolar literalmente com a moça porque a filha era qual a mãe, aquele ditado perfeitamente esquecível do "Filho de peixe, peixinho é".
Acabou que ele fez isso mesmo, e depois a ignorou fosse ela um objeto de prazer, e só.
Pessoas são únicas e o rapaz não sabia disso...
Pobrezinha! Ela tinha se apaixonado e sofria muito pelo seu desprezo.
Quando finalmente se deu conta do quão legal ela era, um outro rapaz já tinha a valorizado como devia e os dois ficaram juntos para valer.
O anterior, por desgosto, casou-se às pressas com uma outra moça, casamento que pouco durou. Agora isso nem importa mais!
Em outro plano ele se encontra ( ninguém sabe ao certo por que o "apagaram") , e a "filha da prostituta" leva uma vida saudável junto ao marido e os rebentos...
Como podemos marcar seres humanos assim: "mendigo", "jeca", "careca", "gordo", "maluco", "cheio de Aids", "prostituta", "filha de prostituta"?
Nós perpetuamos consignações que tatuam vidas e a coisa vai longe de modo que nem sabemos mais por que tudo isso ocorre!
Racismo, preconceito contra os gêneros ("Mulher no volante, perigo constante!"), homofobia, orgulho religioso ( "Eu sei a verdade!") , fazendo a nossa convivência um tanto ou quanto insuportável, um inferno de desilusões e incertezas...
Há muitos dalits e eles estão por toda parte!
A corrente do "dalitismo" é invísível, conquanto forte!
Ignoramos quem fala "errado" ( há os palhações que vivem corrigindo as pessoas na frente dos outros, esquecendo que antes de aprender o bom manejo da Língua Portuguesa, deve-se ter em mente que educação também se usa!)
Ignoramos o que não é "normal" para o convívio.
Ignoramos nós mesmos porque nem sempre estamos nos "conformes"...
Devemos parar com frescura!
Antes de atirarmos pedras nos costumes de outros povos, olhemos para os nossos próprios costumes que, se visualizarmos de perto, são apenas tradições bobocas que nada acrescentam e deterioram o que poderia ser melhor!
Lembrem-se que dalits, seja em qual pátria existam, é conceitual e não genético...
(Imagem:

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

O difícil "Caminho das Índias"

Não sei por que motivo, o povo brasileiro tem a mania de menosprezar as novelas, tratando-as como arte "menor".
É visto como "alienado" ou "sem cultura" aquele que admite apreciar esse gênero tão difundido em nossas terras tupiniquins!
Eu não concordo!
Novelas ruins existem, assim como filmes ruins, músicas, seriados, peças teatrais, pinturas e tal e coisa e coisa e tal...
Se formos analisar bem, deveríamos dar um "desconto" para elas porque escrever com qualidade até o final, numa obra com duração de 9 meses, é para deixar qualquer um com a cuca quente; desafio qualquer grande cineasta a fazer o mesmo!
O que ocorre, gente, é que os autores, em sua maioria, são ótimos, de uma criatividade sem par, mas a "máquina televisiva" os dilacera quando impõem aquela droga de merchandising em textos patéticos, os obrigam a encaixarem o novo affair do(a) diretor(a) ( e uma cavalgadura como ator/ atriz), os "modeletes" oriundos de BBB, finais odiosos para a próxima obra do horário vir com força, censuras que não existem abertamente embora no "sapatinho" estejam bem em vigor!
Caminho das Índias, de Glória Perez, a obra de ficção que escolhi para explanar minhas ideias, não é, nem de longe, a melhor novela que assisti na vida ( eu seria injusta com Vale Tudo, Que Rei Sou Eu?, Roque Santeiro, A Viagem , O Clone ( da mesma autora que Caminho) ou a divertida , mas não menos inteligente A Gata Comeu).
Digo mais:
Essa novela tem tanto erro, mas tanto, que se eu não tivesse minha sensibilidade aguçada para proteger folhetins, nem a citaria no meu rol de novelas assistíveis!
Para começo de conversa ( e a pior parte dela):
Como os personagens indianos conseguem se fazer entender PERFEITAMENTE com personagens brasileiros?
Todo mundo fala português na Índia ou no Brasil todos nós falamos inglês fluentemente?
Outra:
A passagem do Brasil para a Índia ( ou vice - versa) é tão barata assim?
É um tal de gente ir e vir com a maior facilidade e chegando em tempos recordes (viajam agora, daqui a pouco, chegam em seus destinos!)
E assim segue...
Porém, eu cheguei à conclusão que novelas são ficção e nós podemos usá-las como bem quisermos, imaginando-se que você próprio tem que SABER O QUE QUER!
Eu sei bem o que quero numa novela: Quero REFLETIR!
Gosto de ver cenas e parar para pensar em como seria aquilo na vida real, como eu reagiria na mesma situação, como ser alguém que se coloca no lugar do outro...
Em meio a tantas críticas que eu já fiz para o Caminho das Índias, tive que descer do meu pedestal de "intelectualidade" e dar as mãos à palmatória:
Que novela humana, minha gente!
Como seus personagens são viscerais, reais, oportunos, humanos!...
Personagens que nos tomam na sua capacidade de nos tornar mais " a ver", nos chamam para a vida, como se dissessem: "Alô! Você poderia ser um de nós!"
Preciso esmiuçar a veracidade da esquizofrenia tratada na obra, da questão dos maus tratos que se faz aos "diferentes" no caso dos dalits ( esse questionamento me é tão importante que escreverei um post só sobre isso na semana que vem), da psicopatia que arrebata certos seres humanos, da ambição desmedida, da hipocrisia de alguns casamentos, da maldade social, seja na Índia ou no Brasil?
Por que colocamos uma lupa grande para caçar defeitos em novelas, e óculos escuros para não enxergar suas qualidades?
Muitos filmes que assisti foram verdadeiros LIXOS CULTURAIS, só que ninguém reclama do veículo ( filme), esmera-se apenas em detonar a obra em si, frisando muito bem o título (Lembro de terem os críticos e a população arrebentado com Irmãos Gêmeos, dizendo ser de péssima qualidade, mas ninguém generalizou alegando que filmes não prestam!) .
Quando se trata de novela, costuma-se generalizar ( "Não suporto novela!", o que muitos declaram, no lugar de dizerem : "Não suporto a novela X!")
Assim como filmes, elas também merecem que tenham seus títulos pronunciados, para se falar bem ou mal delas!
Por que isso?
Por que esquecer-se de obras primorosas de nossa dramaturgia?
Por que não usar o termo "mas", por exemplo: "A novela Y é horrível, mas tem umas cenas cômicas legais..."?
Na prática, não funciona assim!
A população se limita a repetir nas ruas aqueles dispensáveis ( para não dizer pedantes!) bordões novelísticos. "Hari baba", "Namastê", "Tic" são o máximo que se assimilou de Caminho das Índias!
Quando as pessoas assistirem as novelas sabendo bem o que querem delas, passarão a apreciá-las!
Se assistimos um filme de ação, esperamos que o mesmo tenha cenas eletrizantes; alguém vai lá se preocupar com o enredo, se é de aprofundamento humano analítico ou de pensamento freudiano?
Peças cômicas de teatro tem obrigatoriedade de trazerem dramas conflituosos onde os personagens chorarão de dor e saudade em suas cenas mais importantes?
Novelas de besteirol, estou correndo, porque não as curto!
Só que na hora de as detonar, uso o título de cada uma delas, mesmo porque existem exceções interessantes como foi Quatro por Quatro.
Sou apaixonada por obras urbanas inteligentes e de suspense, portanto adorei assistir A Favorita e quase todas de Gilberto Braga , ainda que por motivos supracitados, também possuíram suas falhas vergonhosas...
Termino de maneira brincalhona a minha defesa de noveleira.
Lanço um trocadilho que o meu mano do meio adora repetir para sacanear as minhas queridas (ainda que ele dê umas olhadinhas bem constantes em algumas delas!)
"NOVELAS, MELHOR NÃO VÊ-LAS! " ( Alguma semelhança com o conhecido verso de Vinícius de Moraes, "Filhos, melhor não tê-los"?)
E acrescento, sempre:
"MAS JÁ QUE AS VEMOS,
QUE NOS ENVOLVAMOS EM SEUS NOVELOS!"...


(Imagem:

http://caminhodasindia.blogspot.com/2009/01/caminho-das-indias-personagens.html)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...