PARA QUEM AMA GATOS

PARA QUEM AMA GATOS
(Clique na imagem)

Quais assuntos mais te interessam no blog Fatos de Fato?

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Isso não é gripe suína!


Tudo cai no modismo, é impressionante!
Até doença...
Anualmente, não sei por que raios ocorre isso comigo, contraio uma virose ocasionada por gripe , entre junho e julho, que muito me abate e me joga, literalmente, na cama. (Desde 2006 tem acontecido esse fato)
Fico um tanto deprimida( a primeira que tive me deu a deletéria sensação de morte iminente, e todos os dias era um sufoco acordar e encarar a vida).
Passei um mês, mais ou menos assim.
Em 2007, achei que fosse escapar, mas qual nada!
Ela me "pegou" na segunda metade do inverno, mais brandamente, é verdade, mas não menos assustadora.
Ano passado, idem, e esse ano, não foi diferente...
Bem, a cada "ataque" gripal, o povo trata logo de botar medo, enfiando o nome da doença da moda, para os meus sintomas ( não sei se é para me alertar ou para me colocar mais para baixo ainda...)
Lembrei que em uma delas, disseram que era "febre do frango", que eu deveria ir correndo para o hospital, que eu me cuidasse, e tudo o mais.
Acho válida a preocupação das pessoas, embora, em muitos casos, falte bom-senso em seus discursos.
Deve-se levar em conta como se CONTRAI a doença, e não sair por aí disseminando terror e medo nos outros!
Gripe suína, por exemplo, se pega através de contato direto com alguém que o tenha contraído!
Não vem voando pelo ar...
Outra:
A tendência de toda doença é piorar e não melhorar!
Se você estava com febre num dia, que não conseguia nem se mexer, e no dia seguinte, ainda que a febre esteja lá, mas mais baixa, é sinal que se está melhorando!
Sexta-feira eu estava num estado tal de delírio, que mal conseguia me levantar da cama.
Como trabalho aos sábados ( detalhes em Saber ler é...), achava que teria que faltar, pela primeira vez.
Que nada!
Acordei meio febril, gripada (e muito!), só que com uma disposição muito bem-vinda e surpreendente!
Os dois horários de aula renderam bem, e até consegui fazer uma recreação com os alunos.
Naturalmente, estou me cuidando.
Hora do merchandising ( não estou ganhando nada com isso, é bom esclarecer! haha)
* Antes de dormir, ingiro um comprimido de Doril, para aplacar a febre;
* Quando acordo, bebo um copo de Ades que contenha vitamina C;
* Às refeições, me alimento bem ( no que é possível alguém gripado conseguir!)
* Durante o dia todo , degusto duas ou três laranjas bem docinhas, que me dão um prazer enorme!
Assim vou aplacando a bendita gripe, até ela sumir totalmente!
Tenho visto muita gente também com ela, o que dá-nos a certeza absoluta de tratar-se de uma virose mesmo!
Eu senti claramente que até doença vira modismo, quando o meu aluno, numa inocência tal, diz, infantilmente:
"- Ih, a tia está com gripe suína!"
Oras, nota-se que foi a palavra da moda que não sai da boca das pessoas, que o levara a falar aquela sandice!
Se eu estivesse com a gripe citada, eu poderia estar ali, dando aulas?
E não era para ele próprio estar tremendo de pavor de contraí-la , já que ela pode ser fatal em alguns casos?
Então, para mexer com ele, disse, brincalhona:
"- Eu não! É você quem está, rapaz!"
No que ele deu um sorrisinho e continuou a ouvir o resto das explicações, "numa boa"!
Inclusive, foi esse comentário dele que me levou a escrever sobre esse assunto, querendo dizer que, sem fazer um carnaval em cima de doença, devemos tomar cuidados com o que falamos, pois pode gerar apavoramento desnecessário.
Cuidado, é sempre muito bom.
O que não é nada saudável, é as pessoas se deixarem levar por modismos e " impressionites" bobas!
Já estou bem melhor agora, tanto é que consegui escrever o texto, sem aquele peso na cabeça, característico de gripe.

Naturalmente sou uma pessoa como outra qualquer, passível de adquirir a chamada gripe suína, se for o caso, o que não é esse, posso afirmar.

E um questionamento me persegue:
Será que conseguirei fugir da virose típica ano que vem?
Só Deus sabe...


(Imagem:

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Música "Clair", de Gilbert O'Sullivan : discurso pedófilo

Não haja dúvida: temos que estar alertas a tudo que nos dizem como sendo o certo.
Tudo o que dizem que está certo, está certo, certo?
Errado!!!!
Sem embromação:
Se uma música que sobreviveu durante anos como sendo um clássico do cancioneiro romântico mundial, cujo cantor e compositor levou( e leva) uma vida razoável longe da balbúrdia típica dos figurões célebres, e se a referida canção tem um ritmo delicado e faz homenagem a alguém, claro que a mensagem dela será linda, doce, só transmitirá ideias louváveis e decentes.
Zero para você que pensa isso!
Não, há casos que temos que recorrer aos "autos" para descobrir o que não é nada "claro" , e sim, obscuro até demais!
Já ouvi algumas vezes em minha vida a música Clair, de Gilbert O'Sullivan , um cara que nascera na Irlanda, embora sendo criado na Inglaterra , tendo alcançado sucesso digno na década de 70.
Infelizmente ( ou felizmente, nem sei mais!), quando este senhor surgira e compusera a canção (1972), eu ainda não era nascida, portanto, a ouvia "por aí" quando era criança, sem atentar para a obscuridade que sua letra torpe trazia.
Isso mesmo, gente!
A música fofinha, docinho, lindinha, do tipo para embalar bebê para dormir, para dar ou receber aquele "amasso" dos nossos amores ou até para pedir perdão quando "escorregamos", é um dos MAIORES DISCURSOS MUSICAIS PEDÓFILOS DE TODOS OS TEMPOS!!!!
Podem crer!!!!
Intuição de mulher é fogo!...
Dia desses a ouvi tocando nessas rádios comunitárias , enquanto pedalava à toda a bicicleta (porque estava atrasada para chegar no trabalho, detalhe!) e o finalzinho me chamou a atenção: um risinho inocente de criança entre três e quatro anos.
Meu cérebro avisou:
"Hum! Essa criança deve ser a "Clair" do título! Será a filhinha dele?"
Quando voltei para casa, só via o Google na minha frente! ( Esse tira-dúvidas indispensável!)
Uma busca aqui, outra ali, e vejo um comentário argumentando que Clair tem letra "duvidosa".
Vejo a tradução e não gosto nada do que leio...
Mas há ainda o que se chama do benefício da dúvida.
Vai que a tradução foi mal feita, vai que tudo aquilo não passa de má interpretação e tal?...
Passo a bola para os nativos da língua inglesa, pois ninguém melhor que os falantes verdadeiros de um idioma, para entender as dualidades que as palavras possam ter.(E vamos combinar que o meu inglês ainda é bem modesto para interpretações desse porte...)
Lanço a pergunta num fórum que faço parte em inglês (mais precisamente do inglês americano) e um rapaz muito legal me passou um link de um blog onde uma americana, sem grandes rodeios, esmiuça parte por parte da letra, interpretando cada vírgula e provando, sem muito esforço, que Clair é de pedofilia explícita!
A autora do post é Lynn e o título Disturbing lyrics to Gilbert O'Sullivan's song "Clair" ( Tradução livre para Letra conturbada da música de Gilbert O'Sullivan "Clair")
Notem com os seus próprios olhos, que a referida canção, em momento algum nos arremete a um conceito de um homem que quis apenas homenagear uma garotinha ( ele a trata como mulher!) :
“Clair" - Gilbert O' Sullivan

Clair.
The moment I met you, I swear.
I felt as if something, somewhere,had happened to me, which I couldn’t see.
And then, the moment I met you, again.
I knew in my heart that we were friends.
It had to be so, it couldn’t be no.
But try as hard as I might do, I don’t know why.
You get to me in a way I can’t describe.
Words mean so little when you look up and smile.
I don’t care what people say, to me you’re more than a child.
Oh Clair. Clair …
Clair.
If ever a moment so rare was captured for all to compare.
That moment is you in all that you do.
But why in spite of our age difference do I cry.
Each time I leave you I feel I could die.
Nothing means more to me than hearing you say,“I’m going to marry you. Will you marry me, Uncle Ray?”
Oh Clair. Clair …
Clair, I’ve told you before “Don’t you dare!”
“Get back into bed.”
“Can’t you see that it’s late.”
“No you can’t have a drink.”“Oh allright then, but just wait a minute.”
While I, in an effort to babysit, catch up on my breath,what there is left of it.
You can be murder at this hour of the day.
But in the morning this hour will seem a lifetime away.
Oh Clair. Clair …
Oh Clair."

Tradução:

Clair ...
No momento em que encontrei você, eu juro
Eu senti como se alguma coisa em algum lugar
Tivesse me acontecido
Que eu não pudesse ver
E depois ... no momento em que eu a encontrei novamente
Eu senti em meu coração, que nós éramos amigos
E tinha de ser assim .
Não poderia ser diferente
Por mais que eu tente ... eu não sei por que
Você me atinge, de um modo que não posso descrever
As palavras significam tão pouco quando você olha para cima e sorri
Eu não me incomodo com o que as pessoas dizem
Para mim você é mais do que uma criança
Oh, Clair, Clair, Clair.
e Clair, se alguma vez, um momento tão raro ...
Fosse captado para que todos pudessem compará-lo
Esse momento é você
Em tudo o que você faz
Mas por quê ?
Apesar de nossa diferença de idade ... eu choro
Toda vez que eu a deixo, eu sinto como se fosse morrer
Nada significa mais para mim do que ouvi-la dizer
Eu vou me casar com você
Você quer se casar comigo, tio Ray ?
Oh, Clair, Clair, Clair ...
Eu lhe disse antes ... "Não ouse"
"Volte para a cama"
"Você não vê que é tarde?"
"Não, você não pode beber"
"Está bem, então espere só um pouquinho"
Enquanto eu, num esforço para tomar conta dela
Recobro o meu fôlego ou aquilo que ainda sobrou dele
Você pode ser terrível a esta hora
Mas de manhã o sol parecerá bem distante.
Oh, Clair, Clair"

(Quem quiser ouvir a música, basta clicar no link abaixo :



Obs.: O tio Ray citado na letra, é o próprio Gilbert O' Sullivan, cujo nome verdadeiro é Raymond Edward O'Sullivan.
Clair, a menina que inspirou O'Sullivan, é ninguém menos que a filha do seu empresário na época e que tinha três aninhos quando foi "homenageada".
O cantor costumava frequentar a casa da menina e eles eram bem amigos, como mostra a foto abaixo:
Como dá para perceber em trechos como : " apesar da diferença de idade(?)", "num esforço para tomar conta dela/posso recobrar meu fôlego ou aquilo que sobrou dele"(?), "você não pode beber/está bem, espere só um pouquinho"(?), "eu não me importo com o que as pessoas dizem/para mim, você é mais que uma criança"(?), que as intenções do cantor/ compositor não são nada inocentes.
Os termos usados seriam adequados à uma declaração de amor de um homem para uma mulher, não para uma CRIANÇA!
Por que a diferença de idade dele para ela, interferiria no carinho puro pela menina?
Por que é tão difícil "recobrar o fôlego" próximo de uma garotinha? ( nítida alusão à romance quando a pessoa que nos causa extrema atração, nos tira o fôlego)
Por que ela não pode beber, mas ele diz que está bem e que é para ela esperar um pouquinho? (Então ele foi lá buscar a bebida? Se fosse uma simples água, ele não diria que Clair não poderia beber!)
Por que ele comenta que ela é mais que uma criança? Que sentido real está por trás dessa afirmação, se não que ele a vê como mulher? E por que as pessoas diriam alguma coisa, já que há apenas uma amizade entre eles?

Plagiando a pergunta de um dos comentaristas do blog em questão:

COMO PODE UMA LETRA HEDIONDA DESSAS, TER PASSADO PELA CENSURA NA ÉPOCA????
Será que é por que a pedofilia não era ainda considerada crime ou o povo era tão alienado que não prestava atenção na letra?
Aqui no Brasil é aceitável que as pessoas gostassem da música por não entenderem a mensagem, mas os falantes da língua inglesa, não dá para engolir!
Pensar que essa música permaneceu por tempos e tempos no Top 10 americano e inglês...
Como pudemos ter sido enganados dessa maneira?!
Agora tudo o que disserem que é certo, temos que declarar:
" Confio em você... mas daria para me provar o que diz?"
E foi isso o que fiz com a música Clair...
Gente, ainda que esteja todo em inglês, gostaria que vocês visitassem o blog da Lynn, de onde retirei a matéria, porque lá tem várias fotos, posts de vídeo e dá para sentir o "clima" do assunto:


(Imagem:

http://upbury-in-the-70s.50webs.org/files/music/singles_covers/CLAIRE.JPG)

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Saber ler é...

Quando nos formamos em algo, nossa cabeça fica repleta de sonhos, algo como acreditar que vai "revolucionar" sua profissão e colocar seu nome "na historia".
Por que todas as pessoas querem ser "únicas"?
Por que cada um de nós não se esmera em fazer um bom trabalho, o que já é bem profícuo?
Eu tenho duas formações paupáveis no Magistério: a de Professora I e II.
Professor I é aquele que tem formação acadêmica, e Professor II, é aquele formado apenas no Ensino Médio.
Para escolher na faculdade qual disciplina me formaria, foi relativamente fácil, já que sempre gostei demais de idiomas ( sem falsa modestia, sempre tive grande facilidade para tal), o que me levou diretamente para Letras, me habilitando para dar aulas a alunos de 5.a série até o 3.o ano do Ensino Médio.
Ser professora II , ou seja, dar aulas para discentes de 1.a à 4.a série, é que foi aquele problema!
Decisão difícil me entregar à uma profissão onde eu estaria alfabetizando mentes ainda bem tenras, com pouca maturidade para entender que estudo, saber ler, escrever, contar, etc., é de suma importância em sua vida como pessoas e cidadãs.
Esta tarefa de mediar o conhecimento( tenho que usar esse termo, se não os pedagogos que lerem isso, podem colocar minha cabeça a prêmio! ) até que foi bem acessível, já que há alguns anos trabalhava apenas em colégios particulares, cuja clientela parecia sempre "pronta" para a aprendizagem.
Até o dia...
... que fui convidada para fazer parte de um projeto de Reforço Escolar aos sábados em um colégio municipal ( naturalmente, público), recebendo como benefício do FNDE , apenas os custos de passagem e alimentação, o que sabemos ser o nosso "salário" em realidade.
Evidentemente que aceitei me integrar à equipe não pelo dinheiro ( seria louca se fosse por isso!), mas para entender a mecânica da mentalidade de uma criança com parcos recursos, que tivesse estudado a sua ainda breve vida em escolas para "pobre" (infelizmente a acepção da palavra, na prática, é essa mesma, por mais duro que seja aceitá-la...) e ver que sua realidade não é bem comercial de margarinas que se assiste na TV.
Eu fiz o meu Ensino Fundamental e Médio em colégios públicos e nunca achei esse "terror" que tanto falavam!
Aprendia quem se esforçasse, os professores estavam "lá", ou seja, eram o que poderíamos chamar de docentes, ensinavam e transmitiam valores.
Realidade de professor é diferente de realidade de aluno?
Estou sentindo uma barreira muito grande para "alcançar" meus alunos nesse reforço de sábado...
Quem são eles, meu Deus, que não reconhecem, em plena 3.a e 4.a séries, quando se trata de uma letra c ou t?
A maioria deles me foi indicada por problemas sérios de leitura.
Eles não sabem "ler"!
E agora????
Então mostro desenhos xerocopiados sequenciais de uma historia com transmissão de valores éticos e morais ( A historia de um menino que ganhara uma medalha e fica exibindo-a para a empregada da casa, que não sabia ler).
Peço para que façam breve análise de cada quadro e que surpresa: eles entenderam a historia!
Leram?
Não!
Simplesmente entenderam aquela "leitura" silenciosa, fizeram o que se chama de "leitura de mundo"!
E agora, que a vida escolar de uma criança não se limita a entender sentimentos ?
A minha formação docente, seja nível I ou II, não me permite "alcançar" aquelas crianças...
Sei que tenho que "revolucionar" no Magistério: ensinar aos alunos a "lerem".
Mas, primeiramente, eu mesma terei que descobrir o que para todo mundo é óbvio: o que é saber " ler"!
Continuo "jogando" um monte de letras "indecifráveis" no quadro e algumas eles estão conseguindo conciliar!
Quando faço o famoso ditado, eles até escrevem algo, e no entanto, o meu júbilo professoral vem em larga escala, quando fazemos nossas reflexões de cenas de TV, revistas que levo, assuntos do dia-a-dia e quando conto historinhas em papéis coloridos, sem nenhuma letra escrita, apenas com a "leitura", aquela escondidinha e tão transparente aos olhos deles!
A formalidade é de evidente importância, saber juntar letras e interpretar o que está escrito, é primordial na sobrevivência como ser pensante social.
Entretanto, temos que ter consciência que a melhor leitura é aquela feita pelo coração porque, passando por ele, sendo "galgado" pelos sentimentos, até a leitura formal, aquela de junção de letras e formação de palavras, virá mais facil e suavemente!
Professores, paremos de "torturar" nossos alunos!
Eles já sabem ler!
E aquele monte de caracteres ocidentais que servem para transmitir mensagens escritas, é melhor dar uma relaxada mental ...
Com o passar do tempo - sem querer fazer trocadilho e já fazendo - eles tiram de letra!

( Imagem:

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Sorria, você está sendo filmado!

Todo mundo já leu por aí: "Sorria, você está sendo filmado!"
Legal! Nessa hora nos sentimos celebridades, não é mesmo?
Pois celebridades já descobriram espertamente que sorriso é cativante, atraente e rende muito dinheiro.
( Sílvio Santos que o diga, aquele que tem até o título de Homem Sorriso)
Você já parou para pensar que esse "sorria" tem uma conotação bem maior do que frase feita?
Sorrir faz bem, move vários músculos faciais, anima o espírito e alegra quem está por perto.
Uma vez ouvi falar que o riso é subversivo.
Concordo em parte.
Quando alguém está rindo sem uma explicação louvável, quem está vendo o acontecido logo pergunta, contrariado:
"'Tá rindo de quê, pô?"
Ou questiona mais contrariado ainda:
"'Tá rindo de mim ou para mim?"
Toda fotinho cheese ( quase o mesmo som de "giz" em português) - aquela que é para botar no álbum de família - exige um sorriso para você aparentar "felicidade".
Droga! Será que não é possível uma pessoa sorrir sozinha, sem ninguém chamá-la de louca?
Sabemos que o sorriso é social .
Nossos antepassados austeropitecos não usavam esse recurso para demonstrar familiaridade, e que ele é "imitado" pelos parentes ( é possível um filho adotivo ter o mesmíssimo jeito de sorrir que sua mãe de criação, por exemplo), mas não podemos nos esquecer que ficar alegre é estado de espírito e o sorriso simboliza esse regozijo da alma.
Não me importo nadinha em rir sozinha sem ninguém por perto para compartilhar.
Se ficar feliz é ser doido, então eu sou!
Adoro sorrir e rir ( aulinha rápida : "sorrir" é um "rir" sem barulho), embora muitas pessoas confundam com deboche.
Jamais rio de pessoas; gosto de rir com pessoas.
É gostoso compartilhar um sorriso aberto com gente legal, que sabe viver!
Não suporto gente "cricri", que vive reclamando dos outros e adora falar de doença...
Sorrir ou rir ( como queira) ainda é o melhor remédio!
Quantas vezes estamos falando coisas bem sérias, complicadas, que conseguimos amenizar ao deixar escapar um sorrisinho qualquer, mesmo tímido, mesmo aquele apenas labial, até sem graça?
Na rua, onde não conhecemos 99% das pessoas que lá transitam, não é muito saudável ficar com os dentes arreganhados para todo mundo porque pode parecer que estamos "dando confiança" ( com a violência que anda hoje em dia...).
Porém, encontrando alguém remotamente conhecido, acho aconselhável abrir um sorriso afável, mostrar que aquela pessoa é especial pelo fato simples de ser uma criatura passível de sorrir!( Os irracionais jamais sorriem; nem as hienas!)
Não parece, mas já foi constatado por cientistas que sorrir rejuvenesce!
Incrível!
Até mesmo os forçados , estilo " preguinhos no canto da boca" fazem bem.
Evite, no entanto, os sarcásticos , aqueles que sempre são abertos para contradizer ou humilhar alguém.
É que eles fortalecem os músculos errados do rosto e com o tempo, você fica parecendo que está usando uma "máscara", e com a "melhor idade", fica bem monstruoso o formato...
Então, você já sorriu hoje?
Ou está esperando ser "filmado" para exibir sua linda dentição, hein? (haha)
Uma perguntinha:
Quem você acha que tem o sorriso mais bonito do meio artístico?
(Imagem:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...