PARA QUEM AMA GATOS

PARA QUEM AMA GATOS
(Clique na imagem)

Quais assuntos mais te interessam no blog Fatos de Fato?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Coisas sobre mim, Mary Miranda, que você não sabe...


Recebi com muito gosto uma meme da minha amiga Denize Oliveira sobre "As 6 coisas que as outras pessoas não sabem sobre nós".
Pensei comigo mesma: "Uau! Que maravilha poder contar às pessoas como sou, sendo que em uma brincadeira séria!"
A "brincadeira séria" rendeu mergulhos na minha história de vida e no meu eu mais profundo( deveriam cadastrar esse tipo de meme como recurso de psicólogo numa sessão terápica! Iria dar mais resultado que aquelas perguntinhas típicas deles! haha)
Eis um pouquinho de mim, em 6 etapas explicativas ( quase que "solto a mão" e escrevo um livro...), que espero surpreender vocês, pois essa meme é para isso mesmo!

1 - Mary Miranda, a sobrevivente

Eu tenho, no mínimo, dois motivos para agradecer a Deus a minha existência!
Um dos motivos foi logo ao nascer porque, mais uns minutos, e eu não estaria aqui...
Nasci com o cordão umbilical enrolado ao pescoço que parecia que queria me enforcar!
Estava tão roxa, o que deixou meus pais preocupados (dava a impressão que nem respirava direito...), mas a menina era eu, portanto estava ali para sobreviver!
Abri um berreiro alto, com a sede típica de quem quer estar muito nesse jogo que se chama vida ( tanto é que nem esperei chegar ao hospital, ou seja, nasci em casa!).
Outro motivo, foi nos meus 5 anos, ao engolir uma moeda.
Mamãe tinha colocado o troco do mercado sobre o sofá e a teimosa e curiosa ( que sou eu !) foi lá brincar com os tais centavos. Das mãos para a boca foi um pulo, e engoli uma delas, sem pestanejar!
Logo estavam os familiares me abanando e empurrando o meu pequeno corpo para frente para expeli-la. Nada! A porcaria da moeda ficou entalada na garganta...
Estava já perdendo o ar e ficando roxa, mas o meu mano do meio deu um soco no meu pulmãozinho, fazendo com que eu a engolisse goela abaixo, o que me fez voltar a respirar.
Mas, claro, por ser um objeto estranho, tive que tirar chapa do pulmão para ver onde ela estava instalada, e tendo que sair pelo órgão excretor externo, antes que o ácido hepático a corroesse dentro do meu organismo.
Dois dias depois, minha mãe encontrou a tal moeda nas fezes ( coitadinha, enfiava as mãos todo dia para descobrir o objeto; logo se vê que as mães são o presente mais divino que temos!)
e nunca se viu tanta alegria na casa por causa de algo metálico e imundo...

2 - Mary Miranda, a musical

Ninguém sabe o meu gosto por qualquer instrumento, principalmente os de percussão: adoro, por exemplo, a bateria!
Uma época estava obcecada em aprender bateria de qualquer maneira, mas não conhecia ninguém que pudesse ensinar por preços módicos.
Tenho a intenção de um dia aprender, e se não for ela, que seja um instrumento de corda, ao menos, como guitarra.
(Bem, passei uns 8 meses aprendendo teclado e até tocava direitinho, mas o meu tesão mesmo é com a "batera"...)
E como não bastasse, o lado musical em mim é muito forte mesmo porque também AMO dançar!
Não consigo ficar parada, estou sempre me movimentando com qualquer som à minha volta.
E é bom dizer que não danço tão bem assim, mas não passo vergonha em nenhum lugar.
Sem contar que também quero MUITO aprender a dançar tango.
Meus tios é que sabiam e eu tomei gosto pelo ritmo, embora adore o rock ...
(Vai entender, né? haha)

3 - Mary Miranda, a não-esportista

Sempre fui PÉSSIMA em esportes! Eu era a ÚLTIMA a ser escolhida para qualquer brincadeira que fosse envolvendo atividades esportivas.
Eu ficava triste porque não era por mal que não sabia; era da minha natureza mesmo...
Uma vez quase chorei por ter sido a esquecida numa disputa entre pares para corrida.
Como éramos em número ímpar, fiquei de fora.
Uma colega retornou da sala e o número ficou par de novo, mas o muxoxo que ela fez quando soube que ficaria comigo por falta de opção, doeu mais que dor física!...
Embora ruim em esportes, para pular corda eu era ótima!
Fui a ÚNICA uma vez a cantar e pular a música "O homem bateu em minha porta" sem errar o pulo, enquanto minhas colegas se enrolaram e algumas até caíram.
Ah, e ainda demorei para aprender a andar de bicicleta...
Só com meus 16/17 anos é que fui sentar em uma e pôr na cabeça que aprenderia a andar e estava acabado!
Em apenas um dia aprendi!
Fiquei treinando horas e horas para adquirir o equilíbrio.
Não sou grande ciclista até hoje, mas tenho o orgulho de dizer que resolvo quase todos os meus problemas em cima de uma bike, desde simples compras, a idas a todo pedal para o meu trabalho.

4- Mary Miranda, a astróloga

Sim, gente, já fui uma estudiosa de Astrologia com muito afinco e avidez em melhor descobrir a personalidade de cada signo!
Era estranho que eu só pensava nisso o tempo todo, e justificava todas as atitudes das pessoas pelos seus signos.
Uns pobres coitados geminianos que namorei, sofreram comigo... (haha)
É porque como sou de capricórnio e gêmeos é o signo que mais o "perturba" devido à mentalidade liberal que contrapõe com a "caretice" capricorniana, eu só vivia brigando com eles!
Eu vivia dizendo: "Só podia ser de gêmeos mesmo!", quando faziam algo que me desagradava.
Tive que dar uma parada, como já disse à Denize, porque fanatismo por qualquer coisa é sempre mal-vindo para qualquer um; confesso que aquilo já estava me atrapalhando...
Agora, sou uma "astróloga light" pois continuo curtindo o zodíaco e seus mistérios astrológicos, mas sabendo que caráter e dignidade são bem maiores que um simples signo...

5- Mary Miranda, a não- carioca

Não sou carioca como muita gente pensa!
Carioca, para quem não sabe, é um epíteto que apenas nascidos na Cidade do RJ é que podem ser chamados assim.
Todos nós que nascemos no Estado, sendo da Cidade ou não, somos chamados de fluminenses.
Como nasci em Nova Iguaçu, estado do RJ, sou fluminense (apenas na localização; no time, nunca! Mengooooooooo! haha) e tenho muito orgulho de minha cidade!
Foi por questão de começo no site é que alguém ( que não me lembro agora!) me chamou de carioquinha e, por insegurança, deixei rolar (achei que a galera do diHITT fosse metidinha à besta e fosse me desprezar porque não sou carioca...)!
Mas adoro a Cidade Maravilhosa e muito da minha vida de entretenimento devo à ela, indo a vários teatros, cinemas, praias, parques, casas de show, e tudo o mais!
Garanto a vocês que conheço mais sobre as opções de eventos da Cidade, do que da minha própria cidade, e até falo o "carioquês", aquela maneira cheia de gírias de se expressar ( há pessoas em Nova Iguaçu que juram que não nasci aqui, e que apenas moro! haha)
Sou formada pela UNIG (Universidade Iguaçu), esperando com muita força no coração que as autoridades se preocupem mais com a questão da educação nos municípios menos privilegiados qual o nosso!

6- Mary Miranda, a não-Mary Miranda

Calma, pessoal! Não sou nenhuma fake do diHITT inventando perfis que não existem...
É porque há uma particularidade sobre o meu nome que ninguém sabe no site: meu nome não é Mary, e nem Maria, como uma vez pensou o Joselito.
Meu nome é uma formação por aglutinação dos nomes da minha tia - Marisa- e do meu pai - Angelino, que era chamado por esta de Ângelo. Logo MARISA+ ÂNGELO (no feminino) resultou em MARISÂNGELA.
Mas nos cursos que fiz ( de teatro e de inglês) logo me transformaram em "americana" e virei Mary! (haha)
Eu estou satisfeita porque o nome da minha mãe (essa, sim!) é Maria do Carmo...
Acho que consegui transmitir a vocês um pouco do que sou.
O Popeye me trouxe à tona sua musiquinha de despedida de episódio.
Inspirado nele, canto:

"Eu sou como sou, e isso é tudo o que sou!
Eu sou a Mary Miranda! Pupu"

Jorge Fortunato, meu querido, quer segurar essa peteca? (haha)
Passo somente a você a incumbência de nos revelar o que ainda não sabemos sobre a sua história de vida, meu amigo!

(Imagem:
Edição de imagem:

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Você bebe?


Ok, ok, vocês vão me achar um tanto maliciosa com a pergunta-título "Você bebe?", só que não precisam levar a mal a questão em si.
Não uso o verbo "beber" no sentido intransitivo, ou seja, aquele verbo que não precisa de complemento por trazer perfeita compreensão na força do uso do termo em uma língua viva.
"Beber" aqui é para definir o que se costuma ingerir além da habitual água (não necessariamente bebida alcóolica), que é muito importante, mas não o único líquido do mundo.
Da minha lista de bebidas não-alcóolicas saltam:
* Sucos naturais ( ou não);
* Leite;
* Refrigerantes.

Do subgrupo refrigerantes:
* Coca- Cola (adoro!);
* Antárctica (guaraná);
* Fanta Uva;
* Sprite.


Das alcóolicas, me aventuro em:
* Cerveja;
* Vinho.

Devo explicar correndo, quase caindo aqui em cima do teclado, que não gosto mais de cerveja!
Não bebo mais uma gota...
Na verdade quando eu tinha 14 anos de idade , o meu tio ( que eu adorava muito e infelizmente já nos deixou!) me incentivou a aprender a beber cerveja por questão social, para não passar por "quadrada" numa festa de adolescentes (ledo engano do meu querido tio pois o certo mesmo é você ser quem você é, doa a quem doer!).
Acabou que aprendi a beber tal líquido e por muitos anos fiquei ingerindo-o com gosto.
De uns tempos pra cá peguei nojo de tal bebida!...
Não desce mais, não sei o porquê...
Porém, vinho ainda é a minha única bebida alcóolica que amo de paixão!
Não há um fim-de-semana que eu não "caia dentro" da citada tentação!haha
E tenho o meu eleito vinho, aquele que ninguém que seja assim apaixonado por aquele teor alcóolico possa, uma vez provado o sabor , viver sem ele: Vinho Tinto de Mesa Suave Pérgola!
Minhas queridas amigas, as gauchíssimas Maria Marçal (de aniversário , dia 26 de abril - meus parabéns, amiga!) e Denize Oliveira vão rir bem prosas por eu endeusar os vinhos nacionais gaúchos como sendo os melhores! (Pérgola é um pampeiro (acho!), ora tchê, vindo dos pampas (acho de novo!) da cidade Campestre da Serra, Rio Grande do Sul).
A Maria, que é muito viajada, deve conhecer esse local... (Tomara que ela desbrave aqui a localidade e os fatos curiosos para nós!)
Gente, é bom frisar muito bem frisado: não sou PAGA PARA FAZER MERCHANDISING!
Minha ligação é sempre com o bom gosto e qualidade, portanto, pouco me importo em destacar produtos ou pessoas que mereçam honrarias.
Ai, o vinho Pérgola é bom demais!!!!
Doce, inebriante, fácil apaixonar-se por ele!...
Tá, tá, eu sei que crianças podem ler e querer provar também.
Mas falo logo que não é aconselhável para menores de idade.
Tudo porque como contém álcool, pode causar dependência, e o corpo e o psicológico de um adolescente e criança, não estão ainda preparados.
Essa opinião é de uma adulta, apreciadora de vinho, mas longe de ser uma enóloga, já que não sou entendedora vínea.
Jamais faria como meu tio, que erroneamente me ensinou, através do álcool, que é necessário sobreviver na selva social.
No meu caso, vinho só serve para brindar a vida, nunca lembro das pessoas que usam o líquido vermelho para desculpar suas maldades.
Por isso, pelo uso que faço da bebida, vinho é uma das melhores bebidas que existem, claro, que tirando da lista a indispensável água...
A propósito, acabei de bebericar uma taça dele, o Pérgola, pertinho do meu PC!
(Imagem:
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-110959870-vinho-tinto-de-mesa-suave-pergola-1l-experimente--_JM)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Animais bêbados

Haha Já começo o post rindo!!!!
Vi o Fantástico ontem (para variar!) e me deparo com cenas hilárias de uns animais bêbados!
Mostraram um vídeo onde os bichinhos de uma floresta africana perdiam as estribeiras e caíam "pelas tabelas" na mata!...
Eles ficam entorpecidos de tal maneira que não conseguem dar um passo à frente sem ficarem trôpegos...
O quadro do programa é aquele onde desvenda os mistérios da internet através do Detetive Virtual.
A pergunta era:
"Mito ou verdade? Os animais ficam, de fato, bêbados?"
Resposta: Verdade!
Após a ingestão de uma plantinha de nome amarula, cujo princípio ativo é usado em muitas bebidas alcóolicas ( planta característica do Continente Africano) , os famintos animais silvestres (não param de comer o tal vegetal!) caem, literalmente, por terra, muitas vezes de barriga para cima, largados num soninho gostoso e profundo...
É bizarro ver o avestruz, tão grande, trocando as pernas, coitadinho...
Mas foi engraçado...
Ah, no caso dos bichinhos, a planta não os deixa viciados! ( Que bom! Já pensou? Termos que inventar o "AAA" - Alcóolicos Anônimos dos Animais ???? haha)
Como diria um amigo meu: Sinistro, aí!!!!
Não tem como não darmos boas risadas com o vídeo! hahahahahaha

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Pulseiras do mal


Por causa de uns, muitos pagam.
Eu estou estarrecida com o rumo que deram ao uso às inocentes pulseiras coloridas de silicone (pulseiras do sexo) que as adolescentes se faziam valer para enfeitar os seus braços de menina.
Por conta do significado das cores, eu as apelidei de pulseiras do mal.
Vejam se a conotação não é pervertida para cada uma dessas cores:
AMARELA–dar um abraço no rapaz;
LARANJA – significa uma “dentadinha do amor”;
ROXA– já dá direito a um beijo com língua;
ROSA – a menina tem de lhe mostrar os seios;
VERMELHA – dança erótica próxima ao rapaz;
AZUL – fazer sexo oral praticado pela menina;
VERDE – tem que receber "chupões" no pescoço;
BRANCA - a menina escolhe o que quiser;
PRETA– significa fazer sexo com o rapaz que cortar a pulseira;
DOURADA – fazer todos citados acima.
Não me permiti colorir o nome das cores para não ficar "bonitinho", porque o assunto não é bonitinho.
Na minha concepção, o alarde que estão fazendo na mídia está servindo mais para as pobres meninas ficarem curiosas em comprar essas porcarias, do que propriamente para alertar.
Domingo desses o Fantástico falou sobre o assunto, explicando que pais e/ou autoridades devem tomar uma providência pois ocorreu um caso de estupro hediondo de uma adolescente de 13 anos, onde quatro canalhas a violaram, por ela estar usando uma pulseira preta.
Acreditam que em MOMENTO ALGUM a reportagem explicou o significado daquela famigerada pulseira preta?
Oras! Não somos tolos. Sabemos muito bem que isso serve para atiçar a curiosidade em torno desses adornos femininos, o que leva as meninas a comprarem , fazendo o gênero "cobaias da moda" ("Será que essas pulseiras são tudo isso mesmo?", é o que elas pensam) e, claro, em um mundo capitalista onde vivemos, rende-se maior verba para a empresa detentora dos direitos de venda.
Isso aquece o mercado, e todo mundo ganha dinheiro, menos as desavisadas meninas que, além do dinheiro, perdem a dignidade, e passam a ser vistas nas ruas como "exibição de carne para sexo gratuito".
Essa miserável mídia falada e/ou escrita ainda fica empurrando a responsabilidade para os pais!
Meu Deus! O que ela quer que os senhores responsáveis pelos filhos façam?
Que criem visão multifuncional e ubíqua qual a de Deus?
Não dá para estar em todos os lugares ao mesmo tempo...
Queridas mídia televisiva, radiofônica e seus afins:
VOCÊS QUEREM QUE OS PAIS METAM UMA BALA NO OUVIDO?
Está muito difícil criar-se filhos, e por conta disso, penso seriamente se optarei em tê-los ou não...
Se já foi detectado que esses adornos têm significados subliminares, deve-se imediatamente retirar do mercado, sem prévio aviso!
Mas os poderosos querem isso?
Vendem a imagem de "alertadores", e se acontecer algo de tortuoso com alguma garota, a culpa que recaia sobre as costas dos pais! ("Vocês não sabem vigiar seus filhos...", o que alegariam, no maior cinismo.)
Com isso me lembrei das minhas amadas pulseiras infantis, aquelas de plástico que vinham num doce...
Eram igualmente coloridas e eu importunava à mamãe para comprar um determinado pirulito que as traziam no ato da compra! (Eu tinha tanto amor à elas, que chegava a dormir com os enfeites no braço...)
A minha favorita era uma azul bem clarinha, embora a amarela também não ficasse muito atrás...
Tenho que concordar com a Dani Calabresa ( apresentadora do Furo MTV) que sente saudade da brincadeira que até então era a mais "picante", a famosa salada mista.
No programa, ela explicava que salada mista tem regras infantis, cumpridas de forma justa, pois todos os envolvidos sabiam exatamente o que lhes esperava, coisa que não vemos nessas pulseirinhas atuais, já que muitas meninas nem sabem que fazem parte de um jogo, o que dirá, de um jogo sujo.
Só sei que por conta disso eu, adulta, temo usar umas pulseiras coloridas que possuo, e que nem se assemelham a essas que estão circulando por aí.
É que na semana passada, conversando com um senhor que conheço há alguns anos, juntou-se a nós um outro, que ficou implicando com uma que eu usava na hora, afirmando que aquela fazia parte desses enfeites perniciosos.
Isso ativou um alarme dentro de mim:
- Assim como esse senhor pensa assim, outros também poderão raciocinar nesse sentido. Devo parar com elas...
Estamos numa sociedade doente, doente pela falta de respeito e amor ao próximo, portanto, pelo sim, pelo não, é bom evitar!...
(Imagem:

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Vale Tudo e a justiça

Eu não quero alardear aqui a questão do bom senso, da retidão de caráter, etc, etc.
Sabemos que a justiça de quem é mau é uma, e a de quem é bom é outra, isto é, acompanha as leis e faz o politicamente correto.
Mas quem assistiu a novela Vale Tudo como eu, do ainda espetacular Gilberto Braga, sabe que justiça ali, seja para bons ou maus, é uma só: mostrar com força física que se está muito enfurecido!
Para tanto, é que foi uma das novelas com o maior número de cenas antológicas , desde cenas delicadas e textos fortes, a porradas, socos, pontapés, humilhações verbais, e tudo o mais que fosse cabível para expor o desagrado do personagem.
Mesmo sendo pequena na época, eu compreendi que não adiantava ficar esperando aqueles trâmites legais que sabemos serem morosos em nosso País para resolver-se questões simples, como o fato de alguém ter sido vítima de adultério, por exemplo.
O pobre Afonso - interpretado soberbamente pelo meu querido e gato Cássio Gabus Mendes - foi o "corno" oficial da ficção!
Como aquela cretina da Maria de Fátima (interpretação ímpar de Glória Pires, a melhor dela de todos os tempos!) tripudiou na ingenuidade e doçura do rapaz!...
Claro que ser traído é doloroso para qualquer um, sobretudo por quem se gosta muito, e no caso do personagem, chegou às raias da loucura: foi enganado em TODOS os sentidos!
Então, subentende-se que uma criatura dessas não vá "deixar barato".
Afonso "arrebentou em cima" da mulher cretina, do seu amante, da mãe, e até da sua ex-namorada, Solange (Lídia Brondi que a interpretara e é a sua esposa na vida real).
Ele esperou a justiça dos juízes? Não. Sua justiça se assemelhou àquela de Moisés - "Olho por olho, dente por dente".
Bateu, xingou, acusou, falou "poucas e boas" a todos que o magoaram.
E eu no meu sofazinho, aprovando tudo, dizendo: "Yes! Vai fundo, Afonso!"
Pode parecer estranho eu defender o procedimento dele e de todos os injustiçados da novela, mas é que nem sempre é justo o que dizem ser justo.
No contexto da obra, os de péssimo caráter não entenderiam uma boa conversa, vingança branca, e até mesmo serem presos.
A linguagem tinha que ser a da rudeza, e que o vilão tivesse seus bens retirados, aí, sim, o entendimento se fazia de maneira completa!
Tanto é que o ÚNICO que pagou através da lei, Ivan (Antônio Fagundes), que tinha cometido o crime do suborno e para o bem de uma causa digna, nos causou pena...
A novela Vale Tudo, que tinha como enfoque principal a busca desenfreada pelo poder e dinheiro de maneira torpe, foi uma das obras com o melhor título que já vi, pois "valia tudo" mesmo no sentido moral , e físico, a exemplo do esporte de mesmo nome.
Seus personagens marcantes como Raquel (Regina Duarte), Heleninha (Renata Sorrah), César(Carlos Alberto Riccelli), Marco Aurélio (Reginaldo Faria), e lógico, a cruel e chique Odete Roitman ( Beatriz Segall)- que ocasionou a pergunta que paralisou o País: "Quem matou Odete Roitman?" - já renderam estudos em universidades para profundo conhecimento do comportamento humano e social (aliás, muitas novelas de Gilberto Braga, esse cronista social, têm servido de estudos em universidades nacionais e internacionais).
Eu comentaria por um dia inteiro a perfeição de construção de enredo desse autor que é um mestre em crônicas urbanas, só que não vai dar, por motivos bem óbvios.
O jeito é vocês assistirem a esse vídeo que eu pesquei no YouTube, um dos exemplos da justiça que a novela mostrou ser a correta dentro de seu contexto, o acerto de contas entre Solange (vítima) e Maria de Fátima (ré).
Que cada um tire as suas próprias conclusões, se houve correção ou não em seus atos...




(Imagem:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...