PARA QUEM AMA GATOS

PARA QUEM AMA GATOS
(Clique na imagem para conhecer)

sábado, 20 de agosto de 2011

Não solte os cachorros!


Quem diria, em alguma vez na minha vida, concordar com título de música funk?!
Hoje meus aplausos vão para Who let the dogs out? que, em tradução livre, significa: "Quem deixou os cães saírem?" ou, se preferir: "Quem soltou os cachorros?"...
A cultura é mesmo infinita, por isso, preconceitos musicais ou de qualquer ordem, bote na conta da ignorância!
Adaptando para o sentido que cabe aqui, transformo a pergunta em imperativa negativa:
Não solte os cachorros!
Trabalhador, sobretudo brasileiro, está à sorte do que aprouver o destino, saiu à rua, é para dizer: "Faço-me liberto para o que me espera!" e, como numa roleta russa de mistérios, hoje foi quase "aquele dia" para marcar minha história...
Voltava eu da minha labuta de sábado matutino e me encaminhava para um supermercado aqui do bairro para comprar umas ninharias, quando avistei, numa distância mínima, um desses que "não se deve soltar".
Era enorme!
Não sei a raça, mas o reconheci de filmes.
Com pelugem clara, e cara de poucos amigos, sentado se fazia atento aos seus afazeres de cão, como espantar moscas ou coçar a virilha com os dentes.
Algo em mim gritava para fazer o retorno, mas a protetora de animais que vos fala, pensou que ele sabia dessa nobre façanha e o "encarou", isto é, passou por ele.
Não prestou...
O enorme cão avançou na velocidade de um raio e o estalo da experiência com cães bravios estourou no meu cérebro ( nessas horas que agradeço por ter boa memória!), paralisando todo o corpo, emitindo apenas um grito de susto.
Deu certo!...
Devo, porém, transmitir a celebração do ato não consumado, a uns trabalhadores de construção civil, pedreiro e seus ajudantes da casa em frente( eu disse que quem labuta está para o que der e vier!) , que bradaram com furor o nome do inescrupuloso cachorro, pois sabiam do que ele era capaz!
Se eu fosse escrever minha autobiografia, teria que narrar que minha relação com os canídeos é de encontros e desencontros.
Já fui atacada três vezes por cachorros e, em todas elas, correndo sério risco de ser morta!
Na primeira vez eu tinha apenas 5 anos, o animal me conhecia, e me estranhou assim mesmo, quando estava de "maus bofes". Lembro-me até hoje dele; seu nome era Sheik.
A segunda vez se fez assim: eu ía para o colégio (cursava o Ensino Médio) e um desses grandalhões, armados de unhas e dentes, quase me mastigara no corpo e alma! ( Minha sorte? Ah, nessa época eu já conhecia aquela tática de ficar parada, para que o animal saiba que você está " em missão de paz".)
E a terceira vez, como estou contando, ocorreu há poucas horas, novamente funcionando a minha paralisação, com a ajuda prestimosa dos empregados locais que conheciam o "algoz".
Não é "batata", como poderiam alguns pensarem, que quem ama gatos, odeia cachorros!
Engano tão redondo, que até merece um, dois ou mais parágrafos para esclarecer esse erro!
Amo gatos - isso é claro feito água!- mas também aprecio cachorros, embora não com tanto ardor, é verdade.
Dentre as comprovações de minha sinceridade, estão três cadelinhas que eram minha paixão, e as lembro com todo o aparato típico dos que amam: Morena, Latiffa e Lunita.
Morena era uma vira-lata sem-vergonha, que roubava comida de Latiffa e só atendia a mim!
Era brincalhona e absurdamente amorosa, não era boa vigia, compensava por ser receptiva a carinhos a qualquer momento (chorei barbaridade quando a pobrezinha nos deixou...).
Latiffa tinha a mesma raça que o cãozinho Rufflos do desenho Dennis, o pimentinha (nunca guardo que raça é aquela...) , era linda, pequenina, mansa, totalmente dependente de carinho, ótima tomadora de conta de quintal.
Achava engraçado o seu jeito tão subserviente de ser acariciada na cabeça, gostava tanto, que se urinava toda pela alegria que sentia!
Lunita ficou pouco tempo conosco, e fez história assim mesmo!
Era labradora, belíssima cadela com cor café com leite, e tinha uma energia!!!!
Eu não aguentava com ela... Suas brincadeiras às vezes varavam noites!...
Curtia mais o público masculino da família e os atendia com maior eficácia.
Uma vez até disse a ela: - Lunita, você é das minhas: gosta de homens!"
Morreu de cinomose com apenas 8 meses...
Como dá para notar, nunca usamos os cães para exibição característica de donos irresponsáveis!
Há uns tipos que sentem gozo na boca ( mais do que suas camas lhes proporcionam...) ao dizerem:
-Meu cachorro é brabo! Se alguém entrar aqui, 'tá morto!
Naturalmente se usam de seus animais para fortalecimento de egos, enquanto um dos seus "brabos" não mexem em bolsos...
Hoje mesmo eu poderia ter denunciado a dona do "cachorro que mata", se eu estivesse com muita sede de justiça (ou de dinheiro)!
Estava o animal solto na rua, sem focinheira, e eu estava do lado contrário da calçada, ou seja, não "ultrajava" a casa que o cão tão automaticamente guardava em sua inocência instintiva!
A "digníssima" senhora limitou-se a um "Pra dentro, vai!", sem mover uma palha para saber se eu estava bem!...
Como há pessoas sortudas, não?
Ela contou com uma vantagem nem sempre linear, dos trabalhadores de sábado que só querem tirar um soninho gostoso com o retorno ao lar.
No meu caso em particular, eu requeria a tríplice de ouro: compra, sono e blogagem. (Cara, essa mulher deve arriscar um palpite em alguma "acumulada"!...)
Argumento com os exibicionistas de cães bravos que os guardem em seus canis mais seguros.
Querem proteção para seus lares?
Solte-os no quintal!
Mas ainda opto pelo conselho do quase título do funk americano.
Para evitar divergência com vizinhos mais esquentados, para não contarem com sorte (não esqueça que o contrário de "sorte" é "azar") ou não ferirem de fato quem não conhece nada de regra de quase aprendiz de escoteiro (quem leva a sério a história de ficar parado quando é ameaçado por cães?), não há dica melhor!
Deixe a exibição de lado e mire-se nessa mensagem que, para seu uso próprio, merece todo o nosso respeito:

NÃO SOLTE OS CACHORROS!


(Imagem:

http://who-let-the-dogs-out.net)

12 comentários:

Self-Taught disse...

Além do grande blog que tens, és uma bela professora, que pena que os afazeres impedem de atualizar todos os dias, assim teremos conteúdo de boa qualidade para ler diariamente, dizer também que além de adicionar o link adicionei o teu selo para oportunizar meus leitores a acessar este belo conteúdo, beijos querida e queridos leitores.

Mary Miranda disse...

Cacá, meu anjo!

Obrigada por tão incentivadoras palavras!
Eu bem que gostaria mesmo de escrever posts diariamente mas, como você bem refletira, meus outros afazeres me impedem disso.
Embora não diários, faço de tudo para postar com frequência pois é uma maneira deliciosa de estar em contato com as pessoas que curtem o que escrevo e de fazer o que mais gosto: escrever!
Só tenho que te agradecer por tudo, sempre!

Um forte abraço e mais uma vez deixo aqui registrado o qunto gosto de seus English Tips!

Mary:)

Felipe disse...

Moça Bonita

Seu anjo da guarda estava de plantão, tenha certeza.
Há ocasiões em que não sei quem é mais cachorro: o animal ou o dono.
Uma delas é esta pela qual você quase passa (agradeça ao anjo da guarda).
Outra é quando um daqueles cachorrinhos ou cachorrões, que costumam desfilar pelas calçadas, as usa como ladrinha, sem que o animal (dono) tome a menor providência para a remoção do detrito que, a meu ver, é algo parecido com o que eles têm na cabeça.
Mais um belo texto, apesar do susto. Se você estivesse escrevendo, como nos velhos tempos, me atreveria a dizer que a o texto continha "letras trêmulas".
Beijão do presidente vitalício "ad perpetuam"

Mary Miranda disse...

Meu Canceriano Favorito!

Foi um baita de um susto, amigo, que nem queira saber...
É horrível sentirmos que nossa vida pode estar por um fio, que mais um lance podemos morrer!
Sim, eu sei que foi meu anjo guardião que me acudiu, pois me fez lembrar, às pressas, da tática que aprendi anos atrás!
Isso que você mencionou é algo que me tira do sério aqui no bairro, pois é uma das coisas que mais estragam a beleza do lugar!
Há pessoas que não sabem criar cães.
Pensam que os bichinhos não evacuam, não precisam comer, beber água, descansar e que, antes de qualquer coisa, é uma vida e merece ser bem tratado!
O meu pavor talvez tenha transmitido uma sensação de "letras trêmulas" a você!
Lembro a toda hora da carinha do cachorro! É inevitável!... rsrsrs


Beijos, meu querido!
Amo seus comentários, e você sabe disso!!!!

Mary:)

Valéria Braz disse...

Oi minha flor... que susto heim?! Mas a dica é sensacional, o animal sabe que a atitude de ficar parado é o desafio a ele, portanta "um animal possivelmente mais forte", mas há outros fatores também... exalamos um cheiro característico quando estamos com medo, e esste cheiro pro animal significa vá, você é mais forte! Ainda bem que contou com a ajuda alheia...hehehehe
Olha só, eu já foi mordida por cachorro um monte de vezes, mas o prioe é que não tenho juízo continuo adorando estes bichos maravilhosos e as vezes esqueço que eles podem ter seus dias de tpm..kkkkkkkkk
Flor, eu adoro gatos, adoro cachorros, adoroa cavalo, adoro todo bichinho que se mova.... só tenho nojo de barata e rato de rua...
Tua história com a vizinha descuidade me fez lembra de uma história que tive com um vizinho (que estudou comigo inclusive). Ele tinha 2 dobermans, bravos aoq eu parecia e qeu também latiam a noite toda sem parar. Um belo dia, saindo pra trabalhas, as duas lindas "criancinhas" estavam soltos na tua. Nem preciso dizer que ninguém subia e nem descia a rua.... enfim, a minha casa era de frente da deles e os cachorros estavam mais abaixo da rua e me conheciam, porque eu já havia feito amizade com os ferozes cachorrinhos.... tentei chamá-los mas estavam ireedutíveis vigiando uma Senhora que como vc havia virado estatua. Embora eu fosse "amiguinha" deles minha ousadia bão chegou ao cúmulo de tentar tocar neles...hehehe... sendo assim, atravessei a rua ae fui chamar o dono das criaturinhas.
Ele demorou a sair de casa, e te confesso qeu isto me deixou bem indignada.... depois de prender os cachorros falei pra ele. O qeu aconteceu? Como eles fuigiram? A resposta foi curta e grosa... -Se eu soubesse não teria deixado eles fugirem! Engolei em seco.. e pra provocar perguntei: -Tá, então me responde, porque estes cachorros latem a noite inteira sem parar? (cachorros desta raça, latem pouco e quando latem demais é porque algo os está incomodando)... a resposta foi: - Latem porque não sabem falar!
Amiga na hora, e com toda a classe do mundo respondi: -E você, fala porque não sabe latir????
Resumo da ópera, ele deixou de falar comigo um bom tempo... mas levou os animais no veterinário e descobriu que estavam com problemas estomocais e por isso latiam a noite toda.
Lindona... ainda bem que saiu ilesa desta.
Beijusssssss

Samanta Sammy disse...

Olá querida amiga Musa da Escrita !!!

Nossa que sustos já levou hein moça !!! felizmente nunca passei por isso, mesmo sendo abusada e querendo afagar todos os cachorros que aparecem na minha frente, mesmo que tenham dentes maiores que meus dedos, mas sei de muitas situações como estas que terminaram muito mal...
Concordo contigo, quem não abre mão de treinar um cachorro para ser agressivo, não deve soltá-lo, ou se o fizer que esteja junto e com coleira e focinheira.
Já acho uma tremenda maldade treinar o bichinho pra isso, mas enfim, já que não tem jeito, que sejam responsáveis, ao menos !!
O ser humano ás vezes demonstra uma irracionalidade que me assusta, e até mesmo crueldade ! Aqui onde moro, as pessoas soltam seus cães em qualquer situação, por exemplo, se as cadelas ficam no cio, eles soltam nas ruas, se vão viajar ou o bichinho fica doente, também...
me diga, pra que tem o animal então ? aff fico passada !!!
No caso que você ficou, queria ver se um cão destes, do qual se orgulham tanto de ter transformado em monstros, atacasse um parente dele, um filho, etc, aposto que rapidinho iriam questionar esta ostentação infantil e irresponsável...

Muito bom o texto, como sempre !! arrasou !!

um beijãooo e boa semana !

Jackie Freitas disse...

Oi minha Alteza amada e querida!
Ufa!!! Que susto!!!
Eu já te contei que uma época da minha vida vivi com mais de 12 cachorros! Minha casa era um canil maluco...rsrs...meu pai recolhia todos os carentes e abandonados que achava pelas ruas.Apesar disso, minha linda, não tenho grandes paixões por cães... Gosto, mas não tenho em casa! Acho que se eu passar por uma situação como a que você vivenciou, não terei essa calma...rsrs... No meu caso vale a ordem: "pernas, pra que te quero?" hahahahaha... corro muito!
Querida, ando ausente (eu sei), mas estou tentando me aquecer e superar um inverno emocional... mas saiba que te adoro e sempre que posso, faço questão de vir aqui te deixar um enorme beijo e dizer o quanto te adoro!
Grande beijo, minha linda!!!
Jackie

Mary Miranda disse...

Flor Val, tudo ok?

Eu sempre fico abismada com o fato de deixarem cães bravos na rua...
Poxa, acho que não teria o mesmo jogo de cintura que você, de ter sido mordida tantas vezes! rsrsrs
Os animais são inteligentes, amiga, e percebem nossos sentimentos...
Mas era só disfarce, viu?
Por dentro, eu tremia feito vara verde! rs
Essa do vizinho que você contou aí é revoltante!
As pessoas não tomam jeito, pensam que sabem "tudo",e querem sobrepujar seus semelhantes com suas "vozes altas"!
Eu também falaria o mesmo que falou pra ele, querida!
Cara ridículo!...

Beijos, meu doce!
Adoro você e seus comentários abrangentes!!!!

Mary:)

Mary Miranda disse...

Bem pensado, querida Menina Sorriso!

O cachorro dessa gente só é "o bom" quando morde os outros, pois quando é um dos parentes deles, já querem matar, bater, esfolar o pobre do animal!
Sorte mesmo a sua, minha amiga, de ter escapado de ser mordida por cães!
Quando me lembro da carinha daquele cachorro, me dá uma sensação ruim, de estar agora imobilizada ou até morta, sei lá...
Espero mesmo que os donos de animais assim, tomem vergonha na cara, e sintam que, se um escapa, outro pode não acontecer o mesmo, além de nem todo mundo ter a calma que tenho em situações de risco!...

Beijos mil, amiga!
Obrigada por ter vindo e trazido seu comentário tão perfeito!

Mary:)

Mary Miranda disse...

Minha Fênix do Bem, seja sempre bem-vinda!!!!

Nossa! Quantos cães!!!!
A galera já pega no meu pé por eu ter essa mesma quantidade de gatos... kkkkkkkk
Ah, minha amiga, fiquei muito assustada, aliás, até agora ainda lembro do momento quase trágico...
Pois é, meu anjo, como eu disse no post, não é todo mundo que consegue ficar parado diante daquele "algoz" tão voraz, por isso, que é PRIMORDIAL dono de cães brabos os guardarem bem alojados dentro de seus quintais, cujos portões estejam bem trancados.
Minha linda, você falou aí sobre "inverno emocional" e sei do que se trata.
Esse inverno vem de maneiras diversas para cada um de nós; ninguém entende o "inverno" dos outros, mas sabe que é, muitas vezes, bem rigoroso...
De consolo, posso dizer o seguinte:
assim como a estação, esse inverno vai passar!

Enorme beijo pra você, querida Fênix!
Se eu puder te aquecer com uma palavra amiga, saiba que estou aqui, para tudo que me for possível!
Te adoro igualmente; não quero que sofra por nada!...

Mary:)

Valdeir Almeida disse...

Mary,

De antemão peço desculpas se parecerei grosseiro. Muitos desses caras parecem que veem nos cães a extensão dos seus próprios órgãos sexuais. Assim como fazem com seus carros. São caras grosseiros, violentos com muitos músculos e nenhuma inteligência. Julgam-se fortes fisicamente, mas só andam com um cachorro de grande porte do lado.

E sobre os episódios dos quais foi vítima, vejo que você superou os traumas. Fiquei boquiaberto com a atitude da dona do cachorro. Meu Deus, em que mundo estamos?!

Beijos, Mary.

Mary Miranda disse...

Valdeir querido!

Que nada, amigo!
Não pode ser considerado grosseiro, alguém que fala a realidade!
Também penso assim, tanto é que citei no post o gozo que esses donos irresponsáveis sentem, mais do que as camas lhe proporcionam, ao falarem dos "feitos" de seu cão!...
Parece um prazer, quando assistem a pessoas sendo mordidas ou sabendo do sofrimento alheio.
Realmente a tal dona do cachorro foi de uma apatia que, se te assustou daí de longe, o que dirá eu, que era a vítima nessa história? (Será que ela pensou que eu queria invadir sua casa e achou "certo" o procedimento do animal? É bom eu usar a ironia como desabafo...)

Beijos, meu queridíssimo!

Bom demais te ver por aqui!!!!

Mary:)