PARA QUEM AMA GATOS

PARA QUEM AMA GATOS
(Clique na imagem para conhecer)

sábado, 3 de março de 2012

Fraudes da convivência


Nessas aglomerações de povo, alguém lança seus muxoxos entre dentes, e eu nunca estou ali, para assistir espetáculos burlescos!
Soberba, representante de Balzac, aprendi a não dar pelota para os que menosprezam, se me remedou, problema, se me desaprovou... Em toda rosa há espinhos!
Alterações de voz é para quem perdeu e não sabia, perde a razão, aquele que grita...
Uma caixa de moedas, moedas valiosas de sabedoria, revelam o oculto despertar: tanto mais conhecimento, menos barulho!...
Ridículo ser ignora minha existência julgando-se superior, um homem e sua balança, medindo pesos do quê? Ele não sabe que não se sustenta existir...
Passe por mim e não me olhe na face, cuspa na rua, suje a calçada com o seu descaso, passe "batido", se equilibre na força da vontade que é fingir-se de morto; camaleões mudam de cor... Humanos também podem fazer-se de "desentendidos" de vida!
No passo que se dá rumo à perpetuação, ouvidos são para ouvir, mas jamais escutam a verdade. É mais fácil afugentar a penúria, descobrindo o não-querer, perscrutando o nada, o outro lado da rua que nunca surgiu...
Calúnias, "pegadinhas", que barato, é ver os mangangás voando sobre petúnias, nunca assistimos aqueles pequeninos sugando o néctar! Levei um "corre" de um deles e estou de pé: quero me fazer valer da força que tenho de um suposto pensar do raciocínio imediato!...
Vitoriosos aqueles - que vitória gozada!- não te vejo, mas não deixo de estar, o meu ultraje que de nada vale, uns vinténs de desprezo, uma miséria de superioridade...
Ouça o que eu digo: "Há de muito de Messala aqui para você odiar!", ainda sou alguém que não caiu pelo chão, as batatas-doces das Juninas Festas, um desmoronamento que faz-me mais atenta!...
Olhe o que vejo: "Dá pra enxergar com as mãos o que os olhos não veem!" , se estiver escuro, vou tateando, tropeçando na comédia dos erros, bambeando, bêbada ou "bombada", ali em frente, ressurgida, "randomicamente" num fiapo de ser, que juntará os cacos e formará ilustre construção!
Alguém aí esqueceu de apagar a lâmpada? Eu, não!...
Meu sono é feito no breu dos mortais e no outro dia, haverá a luz; há sempre alguém que acende o fósforo, nem que seja para lumiar o vício do obscuro cigarro...
Famigerado valor desvalorizado, há mais reentrância no duvidoso... Perguntas menores para os grandes, engrandecimento para os desprovidos de talento!... Esse é o caminho para os sujeitos inflados: não permitir a classe dos classificados, porque não se dá asas a quem sabe voar...
O meu espaço vai desde o que tenho até onde o outro possui, limites ilimitados, fazer do que me cabe, a imensidão do meu ser tantas vezes em desalinho!
Mãos unidas em oração, eu peço a um deus surdo, que me faça mais benevolente com os que têm fome, e nem observo na esguelha de sobrancelha, que o transeunte se esquivou do carro... Ajuda, vai, pergunte se se feriu; muda sou, para um deus que me fez a sua semelhança, igualmente surda...
Palidez de conceitos no pavilhão multicor. Ergo a bandeira dos que defendem, e o que é "defender", quando um indefeso grita por justiça? Caia fora porque você não "abraça" a minha causa... Estranho: só se defende o que já é previamente defendido!...
Encare de frente que você ainda não alcançou, e o seu vôo não ultrapassou o albatroz!
Meros apelos, reconheço, porque minhas palavras estão leves feito vento, e você só entende a ignorância!...
Tomo a direita a rua e prossigo, sem máculas de dor que feriram a alma... Saia ileso, não me incomodo: há outras esquinas e eu te pego desprevenido com a minha sobriedade!...
Vá e espalhe a grande nova, que me viu andando despreocupada, após o tombo no palco dia-a-dia; tormenta de mar, navego sem sair do túnel-maremoto!...
Oh, Deus, que me fez gente, aguentando a iniquidade do trato indigente!
Eu mereço, junto aos meus, o sacrossanto direito de me reiterar... Impúrias inglórias, me safo na redoma do que me é impossível...
Não se chuta nem cachorro morto, o que dirá eu, gente e VIVA!
Para os incapazes de pensar e se colocar no banco dos réus, para aqueles que se refazem na intolerância, para aqueles que sorriem da desgraça alheia e para aqueles que ainda me querem derrotada, tenho a clandestina, secreta margem para a veneração.
Pois se matem, invejosos, se quebrem, se arrebentem!...
Quando me olho no espelho ainda, desgraçadamente para vocês, os ímpios, ainda enxergo, tenho olhos de ver e consigo vislumbrar o que almejo...
Miseráveis fragmentados: estou inteira e ainda me deparo sorridente, e eu ainda SOU EU!...

(Imagem:
http://www.sitedecuriosidades.com)

22 comentários:

Jose Sidney Pereira disse...

Uau Mary,

Belo texto. Resposta, desabafo, revide? Nem importa, porque tem todos os pingos nos "is". E fica bem claro o mais importante: ainda é a Mary, do Fatos de Fato, quem está no comando de sua própria vida.

Beijos

Luísa L. disse...

É isso Mary...
Mantém-te TU e poderás provar a liberdade interior de te ser indiferente, que alguém se mostre indiferente. Pois mostrar indiferença é um grito a diferença que fazes.

Beijos!

Cecilia sfalsin disse...

Minha amiga, posso gritar com você, me permita usar suas palavras? entã o tá , la vou eu :

"Pois se matem, invejosos, se quebrem, se arrebentem!...
Quando me olho no espelho ainda, desgraçadamente para vocês, os ímpios, ainda enxergo, tenho olhos de ver e consigo vislumbrar o que almejo... Miseráveis fragmentados: estou inteira e ainda me deparo sorridente, e eu ainda SOU EU!...,

Pronto, eu também precisava deste grito que você com tanta força, coragem , ousadia, intrepidez, capacidade e sem faltar BELEZA,LINDEZA, soltou...é isto ai amiga o mundo foi feito pra quem tem luz interior de dentro pra fora, aquela que não é vista aos olhos nús, so apresentáveis, mas daquela que ilumina quando tá escuro.Somos munidas de coragem e quando caimos conseguimos levantar, que o que nos da pena dos joelhos trôpegos, que mal conseguem caminhar....Adorei....


Beijos

Mary Miranda disse...

Sidney, querido amigo!

Foi uma mistura disso tudo que disse e um pouco mais!
Sou uma pessoa rebelde por natureza e a tal calma que veem em mim, é só fachada porque alguém inconformada com coisas que desagradam, mora no meu espírito...
Não gosto de mesquinhez, nem de falta de consideração que uns seres costumam ter com o seu semelhante e, sendo a "esponja" social que sou, resolvi jogar tudo isso na net!
Sim, amigo, "Ainda tem muito de Mary Miranda aqui para vocês... gostarem!" ( O ódio eu deixo para o detestável Messala! rs)

Aquele abraço a la Gil pra você! :)

Mary Miranda disse...

Lu, que linda mensagem! OBRIGADA!!!!

É um grito libertador, amiga, podermos ser nós mesmos, ainda que em frangalhos emocionais!
Faz parte da vida sentirmos a maldade dos outros, mas o maior vencedor é aquele que sobrevive e se mantém de pé, mostrando ser diferente, àqueles que lhe são indiferentes! (AMEI ISSO!!!!)

Beijo enorme!!!!

Mary:)

Mary Miranda disse...

Você está liberada para gritar quantas vezes for preciso, Cecizinha!

Esse post foi pra isso; de vez em quando é importante soltarmos a voz e mostrarmos que não estamos pra brincadeira, que ainda somos inteiros o suficiente para juntarmos os cacos!
Tolo é quem subestima o seu semelhante e acha que ele não é capaz! No silêncio da voz, há muito de grito em nós, e aparece quando os desavisados menos esperam...
Escrevi o texto para aqueles que pensam como eu, que não há mau sentimento que vença a força de vontade, o ânimo para virar o jogo. Caídos ficamos em um momento, mas não o tempo todo!
Afinal, os cacos foram feitos para serem colados, e dependendo do "artista", não aparecem os remendos...

Beijos, amiga que adoro!

Sua vinda é inestimável!!!!

Mary:)

Felipe disse...

Moça Bonita!

TRIUNFO DA REVOLTA

Há-de chegar o dia das manhãs serenas
bucólicas
amenas
em que a raiva já não rasgue
meu peito
na revolta que se segue
à injustiça sofrida e sem jeito.
Não quero amarras sombrias
correntes frias
crias
duma gestação programada
pela revolta do ontem, do hoje
e, quem sabe, do amanhã .
Revolta que sai fria, destilada
de toda a esperança que foge
enjeitada
abocanhada
no mundo do nada.

Há-de chegar o dia das manhãs serenas
onde andorinhas voarão
jamais em vão,
isso não.
Em que a existência de mim mesma
não me faça cativa
dum gesto que existiu
floriu
sorriu
e mentiu.
Não quero uma vida fria
enredada por abismos
que meu suor construiu
num remoer de existência
em teimosa imprudência
que o mundo me consentiu.

Há-de chegar o dia das manhãs serenas
onde as flores serão tantas
e as cores tão vigorosas
pendentes dum frágil caule,
que essas doçuras pequenas
transformarão
meu rasgão
de solidão
em atitudes e vontades vigorosas
onde esta inércia imbecil
fará parte dum passado estrangulado
por mãos protectoras de alguém
sem rosto
e sem dimensão
mas cantando-me por gosto.

Há-de chegar o dia das manhãs serenas
onde por inteiro, escorraçarei minhas penas.

Liliana Josué

Beijão querida. Um texto de arrepiar.

Bia Hain disse...

Mary, este é mais um daqueles textos que eu classificaria como um desabafo! Muitas vezes quem grita é quem não tem razão, mas às vezes o grito (que nem precisa ser alto) pode vir de uma alma sufocada por injustiças e decepções. Que você siga assim, forte e sendo você mesma, doa a quem doer. Um abraço, saudades de vc!

Mary Miranda disse...

Meu Canceriano Favorito, só você mesmo!...

Que maravilha de poema você, generosamente, nos brindou, querido amigo!
É o que mais sonho, com o dia em que as mãos tragam apenas as rosas e não espinhos, em que as pessoas passem a entender que somos todos do mesmo naipe e o nosso campo de batalha é do mesmo lado, não o inverso...
Somos átomos na caminhada, como você bem sabe, mas juntando eles todos, que bela construção formamos; pra quê inveja, desprezo, humilhação? Somos GENTE, antes de qualquer coisa...

Se eu falar mais, sabe que me emociono, apesar de ser uma capricorniana bem dura na queda, como também sabe você...


Beijos, anjo doce!!!!

Da presidenta vitalícia, recíproca e em regime ditatorial,
Mary:)

Mary Miranda disse...

Bia, querida, boa noite!

É sempre válido, amiga, o desabafo quando em prol de algo louvável.
Todo ato de consideração ao seu semelhante, vale a pena porque, antes de mais nada, é necessária a lembrança que somos todos iguais, embora nos esqueçamos tantas vezes disso...
Quis eu com esse artigo apenas demonstrar, de maneira geral, a maldade, a mesquinhez que existe naqueles que se sentem superiores a nós e nos subestimam, ofendem, como se não fôssemos "farinha do mesmo saco", não tivéssemos vindo da mesma fonte!...

Um abração! (Também estava com saudades suas!!!!)

Mary:)

Samanta Sammy disse...

Olá minha querida amiga e Musa da Escrita !!

Aiiiiiii que texto incrível !!! Posso bater palmas virtuais ?? acho que é assim : Clap! Clap! Clap!
Ah mas não importa, descrevo em minha humildes palavras o que achei, senti e vi, simplesmente incrível, um desabafo que me deu até dó do alvo (não sei se teve um...) coitado ! Depois de uma bordoada desta tão classuda eu viraria avestruz , enfiaria a cabeça em um buraco, ou Eremita para viver isolado nas montanhas ! Arrasou !
Sabe amiga, encaro da seguinte forma, somos apenas diferentes, mas não somos melhores e nem piores (claro que disso se exclui falta de caráter e maldade, estes são piores sim na minha opinião...) mas tirando isso, se vejo alguém com menos ou mais instrução que eu, ou com mais posses, ou menos, encaro apenas como diferenças momentâneas e que todos merecem nosso respeito e educação.
Se não encaramos assim, creio que mesmo com boas intenções, somos tomados pela arrogância, e aí ferrou tudo, pois ficamos cegos para nossas próprias limitações, magoamos as pessoas, enfim, um caos.
Realmente não compreendo aqueles que sentem até um certo prazer em humilhar, rir do infortúnio alheio, etc...eu teria vergonha de ser tão mesquinha...
Confesso que para tais coisas ainda não sou evoluída o suficiente para entender e relevar, meu sangue ainda é muito quente...mas eu bem que tento.
O final está intenso, poético e tão impactante que chega a emocionar... qualquer dia destes posso roubar para meu face ?? hehehe prometo dar os créditos, claro, achei maravilhoso demais ! :)
parabéns pela elegância em dar este soco (nem foi tapa) com uma belíssima e cara luva de pelica ;)

Grande beijooooooooo e bom findi !!!

(menina, que vergonha, eu ainda não curtia sua fanpage no face... mas já consertei esta gafe horrorosa kkk )beijo

Mary Miranda disse...

Menina Sorriso, amiga do coração!

Obrigada desde já, pelas palavras e compactuação com o meu senso de desabafo...
Não, não foi para UM alvo, e sim, para TODOS os alvos, ou seja, aqueles de alma imunda o suficiente para se sentirem melhores que o seu semelhante!
Se você me perguntar se aconteceu por esses dias alguma coisa relevante nesse sentido, te responderia que não, mas é que sou "esponja das injustiças sociais", uma antropóloga natural!...
Eu vou vendo coisas erradas e "juntando" dentro de mim e, num dia qualquer, isso tudo "explode", dando a impressão de que estou revoltada com algo em particular!...
Sempre penso nisso que o ser humano só evolui quando vê no outro o mesmo direito de ir e vir; não suporto que se subestime quem quer que seja.
A falta de respeito que vejo nas pessoas, quando se sentem um pouquinho só "superiores", o olhar de escárnio ou quando se ignora a existência do outro, me enoja e aborrece, no que me leva a esses arroubos de rebeldia aberta.
Até sobre a mídia eu falei nesse post, na parte: "Perguntas menores para os grandes, engrandecimento para os desprovidos de talento!... Esse é o caminho para os sujeitos inflados: não permitir a classe dos classificados, porque não se dá asas a quem sabe voar..." pois acho um desrespeito o que nossos canais midiáticos fazem com a arte, e também fiz uma referência às "causas" onde, quando precisamos ser defendidos, ninguém nos socorre em: "Palidez de conceitos no pavilhão multicor. Ergo a bandeira dos que defendem, e o que é "defender", quando um indefeso grita por justiça? Caia fora porque você não "abraça" a minha causa... Estranho: só se defende o que já é previamente defendido!..."
Tudo que desrespeita e humilha, que inveja ou tem vontade de se sentir "maior", eu joguei aqui porque são coisas que não aceito e NUNCA VOU ACEITAR!
Você já me conhece e sabe que volta e meia dou meus "socos", com "finesse", é claro, mas um soco porque os "bestinhas" não entendem linguagem delicada...

Amiga, pode levar para o Facebook, sim, se for de sua vontade, o que me será um enorme prazer!!!! (Esse negócio de curtir página dos amigos é um problema: às vezes não acho o botão e os amigos ficam pensando que os estou desdenhando... Logo quando acho, vou lá e curto! rsrsrs)

Beijos, Samzíssima!!!!

Mais uma vez, OBRIGADA!!!!

Mary:)

Dú Pirollo disse...

Olá minha querida amiga Mary, boa noite!!!
Pois é minha querida amiga, desilusões existem e o desabafo é o seu remédio curativo, por um momento ficamos irritados, contrariados e desapontados, mas depois de colocar tudo em ordem é necessário prosseguir, um novo dia nos espera com vontade de nos dar vida... e vamos embora... "A nossa maior glória não reside no fato de nunca cairmos, mas sim em levantarmo-nos sempre depois de cada queda" (Confúcio), é levantar e seguir rumo a felicidade, sempre!!!
Valeu minha amiga, adorei o texto!!!
Tenha uma linda noite e uma semana maravilhosa e abençoada!!!
Abraços com carinho e muita paz!!!

Jackie Freitas disse...

Olá minha Alteza amada!
O mais bonito disso tudo é saber transmitir o desabafo em palavras que encontradas se transformam em um poema visceral! E é essa a Mary, Alteza, rainha das palavras, justa com seus sentimentos...
Os ignorantes permanecerão nas certezas de suas ignorâncias e, quem sabe, um dia terão a honra de ter como luz palavras que os levem a um estágio de aproximação senão do conhecimento, ao menos da humildade...
Neste dia, Alteza, compreenderão algo... Enxergarão algo... Ouvirão algo...
Neste dia lamentarão pelo tempo perdido, pelo tempo onde não sabiam da existência de pessoas como Mary Miranda!
Graças a Deus não estarei entre elas, pois tenho a dádiva de estar aqui... curvada e humildemente agradecida, Alteza!
Sem mais palavras...
Parabéns!
Grande beijo, desta amiga que só aprende e se enriquece contigo...
Jackie

Valéria Braz disse...

Oi minha Flor... que texto, estou sem folego!
Você conseguiu sintetizar o que eu chamaria desabafo amigo!
Aquele desabafo que traz a revolta de ver tantas coisas erradas, tantas injustiças, tanta gente mesquinha se achando melhor que outras. No entanto este mesmo desabafo mostra a voz que parte do saber-se, conhecer-se e traça a certeza, que o mais importante é sempre sabermos o que fizemos e o que somos, porque diante disto nenhuma voz será mais forte ou retumbante, ninguém será capaz de fazer parar!
Vivemos esta anarquia da convivência, sabendo que uns levam mais tempo que outros para encontrar a liberdade de ser, aquela liberdade que não precisa de holofotes porque tem em si a fonte natural de luz!
Amei demais....
Beijo imenso no seu coração

Mary Miranda disse...

Oi, Du, que bom tê-lo aqui!!!!

Já começo reverenciando essa mensagem de Confúcio que postou aqui! É verdade... Cair cairemos sempre, mas o mais importante é a capacidade de se levantar!
As minhas revoltas não são as de sair quebrando tudo, xingando, ofendendo... São bem no sentido que você falou, do desabafo. A vida continua e é ela maior que tudo isso!...

Um abração, querido!

Obrigada!!!!

Mary:)

Mary Miranda disse...

Jackie, minha doce Fênix do Bem!

Querida, suas palavras me "pegaram" de novo, e estou parada, refeltindo sobre a visão e a audição as quais voc~e se referiu!
Como é difícil "enxergar" e "ouvir", né, minha amiga?
Como é difícil focarmos nossos pensamentos para o certo, se não, no mínimo, adequado?
Na dúvida, optemos por sermos generosos! Se não sabemos quem é bom ou mau numa simples fila de banco, que escolhamos ser educados; por que sempre pensamos o pior das pessoas?
Entre um delírio ou outro no texto (rs!), você percebeu majestosamente bem: que o mal de muitas pessoas é se acharem sábias dentro suas ignorâncias!...
Desrespeitar o outro usando sua "importância", nunca foi, não é e nem será prova de que se é melhor...


Meu doce, como me fazem bem suas nobres palavras!Sinto falta delas quando não se deitam aqui, no meu humilde espaço...

Um obrigada profundo e sincero te envio, Fênix, e que possamos ser sempre pessoas lúcidas como já somos, tentando buscar o aperfeiçoamento!...

Beijos da Mary, a que muito te adora!!!!

Mary Miranda disse...

Flor Val, bom dia!

Minha doce amiga, nós, pessoas de bem, não admitimos assistir a certos espetáculos do cotidiano, sem que isso nos toque, em algum momento...
É um desabafo, não haja dúvida, mas sem "endereço certo", é aquela coisa de " se a carapuça serviu...". Quem age de maneira em desacordo com os princípios de humanidade, deve pôr a mão na consciência e ver que o mundo não gira em torno de si!
A doação nossa é de nós para o mundo e não do mundo para nós, mas que, consequentemente, estamos nessa "roda-viva", se nos doamos também recebemos!...
Você me conhece, Valzinha, e sabe que sou uam revoltada por natureza, uma revolta pacífica, com método e objetividade (adorei a definição que usou "desabafo amigo", pois foi assim que me senti na hora que escrevia!). Quando falo sobre algo, é porque sendo ou não comigo, o que em incomoda tem que ser dito!...
Eu falaria muito mais do que suas palavras me injetaram no espírito, porém, não quero me estender...
A questão da convivência, às vezes, me dá um sentimento de "traição social" porque, em via de regra, aprendemos desde cedo a dizer "Obrigada", "Com licença", "Até logo", "Aceita um café?", etc. para nos perdermos num olharzinho de "superioridade" ainda que momentâneo; há uma fraude nos costumes e todo o respeito pelo semelhante se perde nessa situação de mesquinhez...

Beijos, querida!
Eu quem AMOU seu comment primoroso e comot e agradeço por isso!!!!

Mary:)

Adriana Helena disse...

Mary...depois de ler o seu texto e verificar todos os seus argumentos ,estou até sem jeito de postar um comentário!
Não existem palavras que possam expressar um agradecimento ou um louvor por uma obra prima desta,retirada do fundo da alma...
Soou perfeito para os últimos acontecimentos...Um desabafo, uma voz que clama por justiça, uma voz que já está cansada de tantas decepções...
Mary, você é surpreendente!
Deixou-me aqui de boca aberta...
E completamente sem palavras...
Um grande beijo!!!

Mary Miranda disse...

Adri, minha querida!

Obrigada, Anjinha, por seu carinho e lindas palavras!
Todos nós temos, nós os do bem, esse incorformismo com uma realidade que se contradiz!... Mesquinhez, desrespeito, falta de solidariedade, orgulho, etc. não são sentimentos que a sociedade deveria ainda ter, mas é o que mais vemos...
Sinto-me atingida pela falsidade porque não foi assim que me ensinaram, e não será assim que ensinarei aos meus filhos, caso Deus permita que eu gere algum, algum dia...
Estamos todos pra aprender mas há seres que demoram demais os princípios básicos e confesso que isso me dá nos nervos... (rs!)
Não foi nada comigo propriamente dito! É apenas um grito dentro das minhas absorções do dia-a-dia, que volta e meia devo extravasar...

Beijos, doce amiga!
Eu te agradeço, de verdade, pelo comentário incentivador!!!!

Mary:)

moreijo moreira disse...

Nossa profundo este texto fez eu perceber que sou eu mesmo...valeu...fuiiiiii

Mary Miranda disse...

Moreijo,

O bom é isso, nos mantermos firmes em nossos propósitos de vida, sem jamais desfocarmos de quem somos...

Abraços da Mary pra você! :)