PARA QUEM AMA GATOS

PARA QUEM AMA GATOS
(Clique na imagem para conhecer)

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Descubra algumas das maiores mentiras contadas para as crianças


Quem nunca mentiu, que atire o seu livro do Pinóquio!
As mentiras brancas, aquelas que não vemos a dimensão do quanto podem causar danos, parecem instituicionalizadas por Lei Federal, e passam de pai para filho...
Nesse momento quero me ater a um tipo de enganação para um público-alvo específico, que pela inocência e total confiança em quem amam, caem sem titubear: as crianças.
Aqueles pequeninos seres sábios, com suas tiradas à queima-roupa, de sinceridade extrema, são pegas em emboscadas pelo excesso de amor que sentem pelos adultos que lhes cuidam e - que contrasenso!- o contrário as conduzimos, envolvendo-as em nossas mentiras mais escabrosas...
E quem as protege de nossas falhas, que podem ser de boa intenção, mas que não perdem o seu teor maldoso da falta de clareza de atos?
Abusamos de nosso poder de persuasão e quase nunca nos importamos muito com o ressentimento que um infante nutre, quando descobre a verdade.
Na idade adulta, aquele mundo rosa ( ou azul), criado convenientemente para esparsar a cor cinzenta do céu que nós mesmos pintamos, se desfaz como uma mágica sádica!
As cores que passam a tingir nossos céus destruídos, tomam tonalidades sombrias e muitas vezes nunca mais poderemos sonhar colorido...
Como sermos adultos ao menos não hipócritas, já que a consagração do embuste vem de berço?
Só recorrendo a uma antiga canção dos Carpenters, a Bless the beasts and the children!
Isso mesmo, que Deus "Abençoe os animais e as crianças" para que eles, os pequeninos, ao crescerem, sejam melhores que nós, e o mundo que foi inicialmente pintado de amor, não fique encardido pela sujeira da falsidade!...



Refleti bem sobre as enganações que, propositalmente ou não, expomos os menores.
Podem ser para o bem, mas de boas intenções, o inferno está cheio...
Descubra algumas das maiores mentiras que contamos para as crianças:

  • A mãe diz que vai sair e voltará logo (às vezes demora horas para o retorno!);
  • O medicamento colocado sobre o machucado não vai doer nada, assim com a injeção...;
  • Promessa do pai de que comprará um brinquedo novo após ele, o pai, tê-lo quebrado, ainda que acidentalmente (muitas vezes a criança nunca mais vê aquele brinquedo...);
  • Papai Noel existe e leva presentes para as crianças no mundo todo;
  • O presente que a criança ganhou tem a mesma qualidade do que o do coleguinha ( mesmo inocentes, os pequenos percebem quando algo é inferior a outro!);
  • Dizer que o filho nascera de uma sementinha ou que a cegonha o trouxera;
  • Afirmação de que todo aluno que tira nota 10 na escola, vai ter bom emprego quando estiver adulto;
  • Comer espinafre ( ou outro vegetal) vai deixar a pessoa forte como o Popeye;
  • Se a criança se comportar bem, vai ganhar aquele laptop moderno que ela quer ou um vídeo-game último tipo ( nem sempre os pais conseguem cumprir promessas mais caras...);
  • Mandar o filho desligar a TV para economizar energia ( simplesmente os pais estão o enganando porque não querem que a criança assista programas impróprios);
  • Pedir para tratar bem um(a) vizinho(a) chato(a) dizendo que essa pessoa é muito legal! (Muitas vezes é só uso que se faz da criança para ver se enrola a tal pessoa e esta esquece uma dívida, etc.);
  • Criança malcriada a Cuca vem pegar!;
  • Dar o bichinho de estimação da criança para alguém, alegando que na nova casa não se pode criar animais ( na verdade os pais já queriam se livrar do animal, e viram nessa situação, a oportunidade para tal);
  • Não deixar o filho ajudar nas tarefas de casa explicando que ele está muito cansado (não permite que a criança ajude, por medo de que quebre algo);
  • Os pais não ensinam a lição de casa alegando não estarem com tempo ( quando é porque não entendem daquele assunto, e não querem passar por desinformados);
  • A professora do Ensino Fundamental só escolhe certos alunos para serem os "Ajudantes do Dia" dizendo que foi sorteio ( a verdade é que aqueles são mais hábeis nas tarefas de sala);
  • Dono de estabelecimento de bairro dá, como troco, cinco ou seis balas para a criança, afirmando que é "igual a dinheiro";
  • Ainda sobre dinheiro, adultos entregam nota de 2 reais, enganando que é de 20!;
  • Mesmo quando o lugar para onde as crianças vão é longe, os adultos dizem sempre que é perto...;
  • Quando uma criança mente, os adultos sempre dizem que o nariz dela irá crescer feito o do Pinóquio ( adultos não poderiam mentir mais!);
  • Quando a criança pergunta se ela é bonita, os adultos - sobretudo os pais - afirmam invariavelmente de que ela é, mesmo quando a própria criança sabe que não é tão bela...

Esse último ítem me fez lembrar um ex-aluninho meu aqui do bairro, quando eu era a sua explicadora das lições de casa.
Ele tinha seis aninhos na época. (Tenho o orgulho de dizer que fui eu quem o alfabetizei; a mãe dele me agradece até hoje.)

A "tia" da escola havia passado um exercício que era para verter em gênero masculino, os vocábulos femininos que lá estavam.

Para facilitar no entendimento da tarefa, resolvi explicar que "Dê o masculino" era para dizer o nome dos namorados dos gêneros femininos.

A palavra "vaca", foi moleza: ele disparou logo um "boi" ( o certo mesmo era "touro", mas deixei correr...).

Em "menina"- claro! - um "menino" saiu saltitante de sua boca ligeira!

No entanto, o gracejo se estabeleceu logo a seguir...

Um dos vocábulos femininos causou-lhe emudecimento!

É que a professora colocara o termo "feia" para passar para o masculino!

Fiquei impulsionando:

- Fala, neném, quem é o namorado da "feia"?

Ele pensou, pensou, mas dizia não saber.

Insisti:

- Ah, você sabe sim! Quem é o namorado da "feia"?

Ele parecia fingir que aquela pergunta não existia.

Numa terceira insistência minha, resolveu, então, expandir a sua voz intrigada.

Deixando de lado qualquer trava (toda criança não tem papas na língua!), explodiu de súbito: - "Namorado da feia"? E "feia" tem lá namorado????


Viva a sinceridade infantil!
E que Deus "Abençoe os animais e as crianças"!...

P.S.: O meu ex-aluno agora está um rapazinho muito bonito, que muito sucesso faz com as meninas. Mas como é sério e aparentemente fiel, tem uma namorada oficial, e até me apresentou um dia desses.
E diga-se de passagem que a escolhida não tem nada, nadinha de "feia"...

(Imagem:
http://pt-br.disney.wikia.com

Edição de imagem:

http://marymiranda-fatosdefato.blogspot.com
)

14 comentários:

Anônimo disse...

Olá! Achei interessante o seu texto e concordo que muitas das "mentiras" elencadas por você são, no mínimo, covardia com a criança, entretanto, tentei imaginar como seria o contrário, uma criança ouvindo somente verdades nuas e cruas: "olha, papai noel é só uma invenção pro comércio vender mais no fim do ano, tem injeção que dói mesmo, o seu amiguinho é mais bem bonito que você e a gente vai ter que doar o teu cãozinho só porque não suportamos mais a chatice dos latidos dele". Penso que mentir não é o ideal, mas quem sabe "omitir" certos detalhes ou falar a verdade com sensibilidade, cuidado e bom senso, talvez venha surtir melhores efeitos futuros.
Abraço!

Peter P. Marques disse...

muito bom.

Flora Pires disse...

Minha querida Mary!
Fico impressionada com tua capacidade para descrever de forma tão minuciosa as questões do cotidiano.
Na medida em que vais pontuando os exemplos me sinto viajando no tempo e enxergando varias destas situações.
Eu mesma levei alguns anos para retomar minha “franqueza”, pois muitas vezes fui taxada de fofoqueira porque falava sobre o que via e ouvia. Claro que recebi muito afeto e carinho na família, mas faltou sabedoria, ou melhor, dizendo, conhecimento e “permissão” para explicitarem que nem sempre é delicado dizer tudo o que se passa em nossa cabeça, pois podemos magoar alguém sem saber.
A arte de educar é muito complexa, pois os adultos também foram crianças “enganadas” e aprenderam desta forma.
Mas tenho observado que as crianças hoje em dia estão mais seguras de si. Também passei “vergonha” com dois sobrinhos, titicos de 6,7 anos que me deram uma lição científica, a seu jeito, e moral a respeito do uso do cigarro. Queria um buraco para me enfiar!
Estávamos em um restaurante em São Paulo e fui para a recepção fumar, os dois vieram e me abordaram de uma forma tão genuinamente preocupada e terna que fiquei sem saber o que dizer. A não ser “mentir” que pararia de fumar no dia seguinte. Bem satisfeitos foram até uma urna de propaganda e me trouxeram fósforos de cortesia e me brindaram como recompensa.
Ainda não consegui largar o maledeto cigarro, mas até hoje tenho remorsos da mentira e da falta de palavra para com estes anjos.
Ser adulto é fogo!
Beijos amiga!

Marcela disse...

Tão bom, que imprimi para ler, reler, pensar e ainda enviar para a escola da minha filha caçula.Parabéns!

Felipe disse...

Moça Bonita!
Há também as mentiras de mãe:
1 - Sou a mulher mais infeliz deste mundo;
2 - Qualquer dia largo essa casa e vou-me embora;
3 - Quando chegarmos em casa dou-lhe uma surra que lhe mando para o Pronto Socorro;
4 - Eu deveria ter nascido homem. etc, etc

Um lindo texto, como sempre.
Beijão da presidência vitalícia

Mary Miranda disse...

Olá!

Pois é, achar o tal consenso, fica realmente difícil...
Mas eu acho que é sempre válido, quando se trata de tenra idade, tentarmos "jogar limpo" por causa do futuro, onde a vida passa e não pede licença: sai atropelando!
Do que vai adiantar dizermos que a injeção não vai doer, se ela realmente dói?
Só iremos enganar uma vez porque, na próxima, se a criança precisar de novo, não vai aceitar fazer aquele procedimento (sem contar que a imagem de "herói" que o adulto confiável tem, cai por terra, por já ter mentido...).
Agradeço muito ao meu pai por ter acabado com o meu Papai Noel quando eu tinha 5 anos!
Na época fiquei um pouco triste porque ele me tinha "tirado" a fantasia.
Porém, fiquei toda boba quando "tirei onda" com meus coleguinhas ao ser uma das primeiras a saber que ele não existia! (Senti-me bem por não terem me enrolado por tanto tempo como as outras crianças).
Até hoje me lembro com certa mágoa (a pior mágoa vem da infância de todos nós...) por me separarem de uma gatinha preta e branca que eu amava!
Não me deixaram levar dizendo que não havia espaço na nova casa(conversa mole) mas o problema é porque era fêmea e temiam que enchesse o quintal de filhotes.
Te garanto que se dissessem a verdade, eu sabendo da situação péssima que tínhamos, entenderia que não daria para alimentar a todos os gatinhos! (Criança é ingênua, mas não é burra!)
Realmente dizer que a criança não é bela, é tarefa hercúlea, mas que tal não compararmos a criança com ninguém?
Não há necessidade de dizer que o coleguinha é mais bonito, por exemplo.
Podemos desenvovler a auto-estima através da unicidade dos seres já que todos nós somos únicos.
Mostrar à criança que ela é amada independentemente de ser bela ou não, ressaltando seus valores, a fará um adulto bem mais feliz do que se fosse chamada de linda numa família que faltasse amor e sinceridade...

Seu comentário muito acrescentou ao post!
Muito obrigada pela ampla visão que nos brindou!

Um forte abraço,
Mary:)

Mary Miranda disse...

Obrigada, Peter!

Abraços,

Mary:)

Mary Miranda disse...

Flora, as crianças são puras e objetivas!


Querida amiga, o que parecia fofoca aos adultos, na verdade, era só o seu eu de criança sendo genuinamente sincero!
Nós, os adultos, através da educação, aprendemos a manejar a arte do disfarce, que se tornam nossas algemas (tenho um poema que fala disso, "Algemas do disfarce".).
Ser "educado" é ser eufêmico, ou seja, você abranda, quando adulto, aquelas ideias latentes que estão alojadas em sua verdadeira opinião sobre as situações.
Não quero dizer que eu saio dizendo tudo que quero pois, afinal, como você magnaninamente falou , eu também sou uma adulta que foi "enganada" na infância (adorei sua definição!) e, portanto, manejo muito bem as armas do embuste.
Mas bem que torço que os pequeninos que estão chegando agora (como os seus sobrinhos, por exemplo) quebrem esse ciclo da mentira "de berço" e construam um mundo mais verídico, mais "real" porque, é muito angustiante chegar à idade adulta e descobrir que as nuvens não são feitas de algodão...
Esses sapientes bebês (parecem que tanto mais novos, mais perspicazes! rsrsrs) sempre me deixam de "saia justa"! (Eles me fazem cada pergunta!...)
E espero, meu anjo, que na próxima vez que os pequenos que você sem querer "logrou" com a história do "amanhã eu paro", ao te perguntarem sobre cigarros, você possa dizer : "Já parei!" ( Perdi algumas pessoas que amava muito por causa desse vício nojento, amiga!)


Um beijo enorme pra você, agradecendo esse seu comentário providencial!
Te quero muito bem, saiba disso!

Mary:)

Mary Miranda disse...

Puxa, Marcela, obrigada!!!!


Só espero que as "tias" da escola não me matem por eu contar alguns de nossos "segredos"! rsrsrs

Beijos,
Mary:)

Mary Miranda disse...

Meu Canceriano Favorito!


Ah, as mães, essas criaturas docemente misteriosas e incompreendidas! rsrsrs
Elas adoram contar essa mentirada toda que você relatou!
E quando elas dizem: " Se sujar o uniforme da escola, não vou lavar e você vai todo(a) imundo(a) para o colégio!" ?
Em todo o meu tempo de aluna e de professora, eu nunca vi NENHUMA mãe cumprir essa ameaça! rsrsrs
"Ser mãe é padecer no Paraíso"; que ditado mais verdadeiro, não é mesmo, meu amigo?

Beijos mil, meu anjo!
Obrigada por seu comentário tão elucidativo!

Da presidenta igualmente vitalícia,

Mary:)

P.S.: O ítem número 2 era o que eu mais escutava quando eu era criança! kkkk

Valéria Braz disse...

Oi minha querida amiga.... acho que todos nós trazemos no nosso inconsciente as mentiras que ouvimos quando pequenos e junto com elas os resultados imediatos que exerciam sobre o excesso de energia ativa pulsante em cada criança!
Me peguei pensando em quantas destas mentiras eu acreditava quando criança e hoje são apenas recordações que usamos pra cutucar a mãe em encontros de familia....hehehe
É claro que influenciaram negativamento porque até hoje nos valemos de algumas para tentar conseguir as mesmas respostas que dávamos....
Na sua lista admito já usei algumas delas, mas tento na medida do possível pensar antes de falar e ter a certeza de que aquilo que vou falar poderei cumprir... nem sempre tenho conseguido, mas juro que estou tentando....heheheheheh
Muitooooo bom!
Beijo no coração

Mary Miranda disse...

Flor Val,

O mal das mentiras que conta-se para as crianças é que quando crescemos, dá uma sensação de vazio, aquela impressão de "Fui enganado(a)!"
O negócio é darmos uma trava nessas embromações e sermos mais sinceros com os pequerruchos.
Afinal, eles merecem!
Amiga, admito que alguns daqueles ítens já usei, sim!
E depois me dá uma peninha ao ver que acreditaram... rsrsrs


Beijos, querida!
Adorei seu comentário tão sincero!!!!

Mary:)

Samanta Sammy disse...

Olááá querida amiga e Musa da Escrita !!! demorei mas chegueiiiii !!!

Amiga, adorei a postagem, concordo contigo, estas mentirinhas que vamos contando às crianças (opa, vamos não, não minto pras criancinhas heheh ) acabam por de certa forma afetá-los na idade adulta. Podemos achar que são histórias inofensivas, mas a mente e a memória são terreno complexo e traiçoeiro e uma simples mentira pode ter um efeito enorme na cabeça de uma pessoa, o que dirá então da cabecinha das crianças !
Minha mãe sempre foi bem direta e nunca mentia pra mim, se não tinha dinheiro para comprar um brinquedo sentava calmamente e me explicava que não dava, mas que se porventura um dia pudesse, eu o teria e cumpria sua promessa.
Entre outras coisas, também não inventava monstros pra me aterrorizar, etc rsrs
A única coisa que me lembro que me disseram destas foi a do Papai Noel e quando faziam eu jogar meus dentes de leite no telhado pra Fadinha dos dentes kkkkkkk Mas graças aos céus isso não me deixou sequelada :)
Adorei a sua reflexão sobre o assunto, pode parecer simples, mas é uma conduta muito importante que realmente precisamos ter consciência.

Um super beijoooooooooooo e bom restinho de semana !

Mary Miranda disse...

Bem lembrado, Menina Sorriso!

A "Fada dos Dentes"; alguém merece isso? rsrsrs
Eu ficava jogando todo dentinho de leite em cima da laje , para a Fada trazer um dente novo...
O mais engraçado que é um tipo de mentira que até adulto acredita!!!!
Lembro que meus pais ficavam preocupados porque não joguei esse ou aquele dentinho na laje ou guardei embaixo so travesseiro... rs
Sua mãe fez o certo, ao desmistificar certas mentiras que se fala para crianças e agradeço ao meu pai até hoje porque ele "destronou" a majestade do Papai Noel logo cedo! rsrs
Minha doce amiga, o grande caso é que são chamadas de "mentiras brancas" mas são fatos que rodopiam no nosso subsconsciente para o resto da vida!
Talvez (não posso afirmar) um adulto extremamente mentiroso ou fantasioso, tenha sido aquela criança cujos pais inventavam "historinha" para tudo!
O mundo rosa ou azul com tons demasiadamente fortes, sabe?
Crianças que cresceram dentro de mentiras muito arraigadas, têm dificuldades quando adultas, de lidar com a crueza da realidade e se tornam reclusas ou deprimidas.
Bem, se o que falo tem algum peso científico, "só Freud explica!" rsrsrs
Só sei que o máximo que pudermos não mentir para os pequerruchos, é muito, muito bom para o presente e o futuro deles!

Beijos, querida Menina!
De vez em quando é produtivo repensarmos certas "tradições"!
Obrigada pelo comentário sempre construtivo!!!!

Mary:)