PARA QUEM AMA GATOS

PARA QUEM AMA GATOS
(Clique na imagem)

Quais assuntos mais te interessam no blog Fatos de Fato?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Eu amo alguém...

Recados para Orkut


Fui pega pela inspiração alheia, e sendo inspirada de tal modo, não pude me fazer de desentendida: trouxe para cá minhas considerações!
Li um texto que me envolveu enormemente, muito bem escrito, tocante, exuberante...
O artigo em questão é da minha amiga Cecília Sfalsin, uma poetisa sensível e inteligente que, através de seu post, colocou seus leitores numa doce enrascada através de uma pergunta em seu texto, algo que ela explicou em O que me faz amar alguém.
Quase que respondi que não tem fórmula, nem resposta mas, tomada pela emoção das fascinantes palavras - Ceci é craque em nos prender em suas letras soberanas! - resolvi responder a questão com um poema.
Não sei se ficou à altura de sua magnitude, querida Ceci, espero, porém, que eu tenha conseguido transmitir meus pensamentos. (O amor, esse pescador de sentimentos intrínsecos, por ele sempre nos cabe uma retomada mental e espiritual para tentar decifrá-lo!)
Começando pela pergunta - O que te faz amar alguém? - lanço meu título-resposta, agora sem delongas, tentando me situar nos aspectos que me levaram até aqui.



EU AMO ALGUÉM...


EU AMO ALGUÉM quando sou bem tratada; adoro educação e cortesia!;


EU AMO ALGUÉM
quando esse alguém é inteligente; adoro falar e ser entendida;


EU AMO ALGUÉM
quando há compartilhamento de um sorriso; adoro falar minhas bobagens e que se ria das minhas piadinhas bobas ou alegria latente!;


EU AMO ALGUÉM
no silêncio solidário; adoro quando alguém respeita o meu não-falar e se coloca no meu lugar, pacientemente, esperando que eu me pronuncie!;


EU AMO ALGUÉM
quando não pensa mal de mim, não o suficiente para me magoar; quando é bom o insuficiente para me entristecer, sim, mas sem esmagar o meu viver;


EU AMO ALGUÉM
quando o bom-dia que irradia, mais que um simples "dia", envolva a tarde e a noite, a paz que a sua solicitude me envia;


EU AMO ALGUÉM
quando deito e acordo lembrando os momentos que passamos ou que iremos passar juntos, corpos de sonho, que querem se pertencer;



EU AMO ALGUÉM quando não consigo esperar; amar é ter horas que correm perto, mas que demoram, quando longe;


EU AMO ALGUÉM no desespero por desconhecer futuro; o que nos espera, ele me ama também?;


EU AMO ALGUÉM quando regozijo por tê-lo e desfaleço por perdê-lo;


EU AMO ALGUÉM quando ele fala baixinho, usando palavras que os sinos dobram, em tom que até os Céus desconhecem, a palavra saltando de um idioma ainda a ser inventado;


EU AMO ALGUÉM quando me surpreende, me conta coisas que ninguém mais sabe, seu jeito de expor e de estar presente, incoerente, reticente, num modo impensável de ser diferente!;


EU AMO ALGUÉM quando me ganha com ações, a praticidade do que se tem, ao invés da vontade do que se quer...;


EU AMO ALGUÉM quando não preciso dizer: ele já sabe, vasculha na alma o que os olhos não refletem...;


EU AMO ALGUÉM
na persistência de busca; quem ama não se cansa, não esmorece, nem se envaidece...;


EU AMO ALGUÉM
quando é bom caráter; adoro gente que é GENTE, que respeita seu semelhante, que olha o próximo com olhos de amor;


EU AMO ALGUÉM
quando é inesquecível, me colhe em pensamentos, me cativando, qual a Raposa e o Príncipe;


EU AMO ALGUÉM quando me vejo presa e liberta, crio asas voando sob o céu do meu eu que ainda não existia!...


EU AMO ALGUÉM quando acontece aquele momento indizível entre um olhar e outro, e no segundo que lançamos, um mistério de sentimento que me perfura, toma, invade, destrói, constrói, uma química que ninguém explica...;


EU AMO ALGUÉM
, sim, EU AMO, quando me toco que nesse meu peito, bate um coração!
Um coração que poderia sofrer, mas preferiu navegar em alto-mar, à procura do barqueiro, para que ele resgate a
Lorelei que há em mim...


Para ser amor de verdade, tem que não fazer, calar-se, ocultar-se, sentir-se, saber-se incapaz, correr valendo no jogo, apostar e perder, ou não jogar e ganhar...



Quando num íntimo inexplorável, surgiu um sei-quê de não saber, é quando eu sei que não importa o que venha, aconteça, surja...



Nesse exato momento me rendo, sou aquela que ama a ignorância: se não tenho resposta é porque, inexoravel e inquestionavelmente, sem pressa, nem medo, admito e afirmo, me exponho...
EU SOU! E EU AMO ALGUÉM...


(Imagens:
http://www.recadosonline.com)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Não esqueça: 26 de dezembro - Dia da Lembrança




Se eu pudesse escolher uma data para nascer de novo, fornecida pelo próprio Criador, assim mesmo escolheria essa - 26 de dezembro- para vir ao mundo!
Acredito que datas natalícias interfiram em nossa personalidade, muito além de explicações astrológicas.
Eu e 26 de dezembro: tudo a ver!
Não é todo mundo que sabe, mas esse dia pós-Natal, simboliza duas passagens interessantíssimas: o Boxing Day (tradição da cultura inglesa) e o Dia da Lembrança ( segundo informações, é assim comemorado porque nesse dia as pessoas tiram para reverem certas situações, refazerem valores, costumes, etc.).
Sou dessas que se lembram de tudo, tudo mesmo, memória afetiva à toda prova, do papelzinho de bala dado com mensagem bonita, do bilhete de boas-vindas, do presente de aniversário, do presente não muito presente, do presente presente, do presente passado, e até do presente futuro!...
Trago no peito tantas boas lembranças - as ruins ignoro todas... - e não sou de remoer o que me entristece.
Imagino que a cada passo que lanço, nesse meu caminhar muitas vezes indeciso, é para frente, pois até o "irracional" caranguejo dispensa o "para trás": ele anda de lado...
Lembro do que me faz bem, das pessoas que transformam aquele segundo que escapa, em algo eterno, e se ilusoriamente me engano, não importa: o que vale na vida é vivermos o sonho. A vida é uma ilusão...
Por isso, o meu convite de aniversário para vocês, meus amigos, é que cada um que aqui compareça, deixe registrado algum momento de lembrança agradável, feliz, de passagem que a eternidade se fez pela bonança, não pela tempestade...
Como disse, sou uma pessoa de lembranças - muitas, por sinal- mas já que o espaço que separei é para uma apenas, trago essa, de aos 23 anos ter ido ao meu primeiro baile dançante. (Podem se assustar, é mesmo incrível! Fui tímida por muitos anos...) onde dancei a noite inteira, arrumei namorado, bebi, me diverti!... Um dos momentos mais felizes vivenciados por mim!
Só consegui ir porque um amigo meu me levou - amigo mesmo, nunca tivemos absolutamente nada, romanticamente falando - e naturalmente que meu agradecimento por esse momento inesquecível vai para ele, que faz parte da família, pelo tempo que nos conhecemos, uma longuíssima data já ( algo entre uma década e talz), meu querido e respeitável Josias Medeiros, que chamamos todos aqui de casa de Russo, por ter sido louro até o começo da idade adulta ( Mãe catarinense, pai nordestino e ele, carioca. Mistura boa, não?).
Nesse baile ele funcionou como um guardião pois, mesmo sendo eu adulta, se sentia responsável pelo que viesse a me acontecer, por isso, a atenção bem vigorosa em meus passos.
Foi até engraçado num dia qualquer, após esse evento, ele conversando com minha mãe:
- Viu? Ela voltou, sã e salva! Tomei conta dela direitinho...
Russo, com certeza, está englobado em tantas das muitas grandes lembranças de minha vida!!!!


Em tempo: Parabéns para James Kottak, baterista da banda Scorpions!
Parece brincadeira, mas só há pouquíssimos meses descobri que o talentosíssimo percussionista é da mesma data natalícia que eu, ou seja, hoje!

Só vim a saber porque cismei de fazer um levantamento biográfico de cada um deles. (Até então, só sabia de Klaus (25 de maio) e Rudolf (31 de agosto)).


Em tempo 2: Algumas fotos minhas, que tirei hoje mesmo, comemorativas do meu aniversário (eu me presenteei; afinal, mereço, né?) com a camiseta do Scorpions - oh, que novidade!!!! haha - que paquerava há muito tempo, mas deixei para esse período especial para adquiri-la. Acho que fiquei bem rocker! Que tal?

(Imagem inicial:
Fonte desconhecida

Imagens minhas:
http://marymiranda-fatosdefato.blogspot.com - Arquivo Pessoal)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Piadas de Papai Noel


Natal é uma época esquisita, que você nunca sabe se deve se entupir de rabanada, vinho e panetone, depois passar o ano todo se arrebentando em malhação para perder os quilos a mais...
Não sabe se chora os bons Natais passados com seus familiares e/ou amigos não mais presentes...
Ou se ri aos borbotões das muitas aventuras natalinas engraçadas que o tempo permitiu em sua vivência!
Pelo sim, pelo não, a data é fictícia, apenas simbólica sobre a chegada do Messias, e se devemos voltar nossos espíritos para o bem, pois é o objetivo da passagem de Jesus - até onde sei- , por que não nos determos no riso? Sem galhofas ou desrespeito com o Mestre, podemos deixar livre nosso sorriso para o entretenimento!
Figura folclórica da época do Natal, que é divertida e não corremos risco de sermos blásfemos, é Papai Noel, com sua barba branca, trenó puxado por renas e umas botas old-fashioned (Deus! Troço mais brega!...), a cobiça da pirralhada, com presentes para os "comportados", o Bom Velhinho não escapa do imaginário das pilhérias!
Selecionei algumas piadas engraçadas, outras nem tanto, outras muito "batidas" e outras... Ah, leia e descubra! (ha)
Estou pegando o querido Santa Claus literalmente "para Cristo" e apresento, sem disfarçar a risada solta, as...



PIADAS DE PAPAI NOEL


Uma garotinha sentou-se no colo de
Papai Noel, no shopping center, e ele perguntou, como de costume:
- E o que você vai querer de presente de Natal?
A menina, com ar de espanto, horrorizada por alguns segundos, respondeu:
- Você não recebeu meu
e-mail?



Próximo ao Natal, Joãozinho resolveu escrever, para o
Papai Noel, uma carta , pedindo uma bicicleta.
"
Papai Noel , fui um ótimo garoto este ano, ajudei meu pai, minha mãe e até meu irmãozinho. Quero uma bicicleta."
Então parou e pensou:
"Ele não vai acreditar. Vou refazer a carta."
"
Papai Noel, sei que não fui muito bom este ano, mas acho que ainda mereço uma bicicleta."
Não satisfeito, ele joga a carta fora, vai ate o presépio, pega a imagem de Maria, coloca dentro do sapato e escreve a seguinte carta:
"Jesus, estou com sua mãe! Se quiser vê-la inteira de novo, mande o
Papai Noel me dar uma bicicleta!"
Duas garotinhas de oito anos conversam no quarto.
- O que você vai pedir ao Papai Noel?
- Eu vou pedir uma Barbie, e você?
- Eu vou pedir um OB.
- OB?! O que que é isso?!
- Nem imagino, mas na televisão dizem que com OB a gente pode ir à
praia, andar de bicicleta, montar a cavalo...
Aprendi que o homem tem quatro idades:
1 - quando acredita em
Papai Noel
2 - quando não acredita em
Papai Noel,
3 - quando é o
Papai Noel e
4 - quando se parece com
Papai Noel...
Conversa entre prostitutas:
- O que você vai pedir para o Papai Noel?
- O mesmo que para os outros, R$ 50,00!
O pequeno Zezinho diz ao pai:
- Pai, vou pedir de presente de Natal ao
Papai Noel, um revólver verdadeiro!
- O quê!? – perguntou o pai. - Você é doido, ou o quê? O
Papai Noel jamais vai atender a esse pedido...
- Quero um revólver verdadeiro! Quero um revólver verdadeiro! – choraminga a criança.
- Basta! – grita o pai - Quem é aqui o dono da casa?
Diz o Zezinho, no mesmo momento:
- É você, mas se eu tivesse um revólver verdadeiro…




Muito curiosa, a menininha chega para o Papai Noel e pergunta:
- Papai Noel, você rói as unhas?
- Rôo, rôo, rôo!...



Qual é a bebida preferida do Papai Noel?
R: É o Gin-Gobel.



Um garotinho, deitado na cama, refletindo sobre a vida:
- Se Deus é quem nos dá a comida, a cegonha é quem traz os bebês e o Papai Noel é quem dá os presentes, então, para que servem os pais?...


Você conhece o Papai Noel judeu?
Ele desce da chaminé com um saco nas costas e pergunta:
- Quem quer comprar brinquedo?


Você conhece o Papai Noel do Paraguai?
Os brinquedos que ele distribui quebram antes de chegar o Ano Novo...


Um menino, que se comportou o ano todo, reescrevendo uma carta para Papai Noel:
"Querido Papai Noel,
Poxa, fazem 3 anos que venho pedindo um caminhãozinho de bombeiros e nada! Por favor, vê se desta vez você me traz um!
Obrigado, Luiz."

Resposta do Papai Noel:
"Querido Luiz,
Seus pedidos já me encheram o saco!
Outra coisa: não é “fazem 3 anos”; não aprendeu ainda? Use sempre “faz 1 ano”, “faz 3 anos”, “faz 2.000 anos”. O verbo
fazer, no sentido de tempo, não tem plural ... Ah, deixa prá lá!
Mas, enfim, quando você estiver dormindo, incendiarei a sua casa. Assim terá todos os caminhões de bombeiros que sempre desejou!
Papai Noel."


A garotinha, conversando com o pai, pergunta:
-Ainda existe gente que acredita em Papai Noel?
-Não, filhinha, só os publicitários mesmo...


Estão andando na rua um Papai Noel, uma loira burra e uma loira esperta. Eles encontram uma nota de 100 reais. Quem pega a nota?

R: A loira burra. Porque Papai Noel e loira esperta não existem!...




Como é a chegada de Papai Noel para as pessoas viciadas em computador?

R.: No dia 25 de dezembro, Papai Noel desce pelo cabo do modem, sai pela porta serial e diz:
- Feliz Natal! ROM, ROM, ROM!



Como é a chegada do Papai Noel para os viciados em bebida alcóolica?

R.: Papai Noel chega atrasado, de ressaca, dois dias após o Natal, pára no primeiro bar da esquina, manda descer uma "branquinha" e felicita, entre um soluço e outro:
- Feliz Natal! RUM, RUM, RUM! (Essa é do meu pai, com adaptação minha)



Obs.: Quem quiser ler Piadas de Papai Noel - Parte II, é só clicar aqui! E Piadas de Papai Noel - Parte III, clique aqui!
Querendo assistir a um vídeo com As Melhores Piadas de Papai Noel, clique aqui!
A maioria das piadas são inéditas!!!!




FELIZ NATAL PARA TODOS NÓS!!!!


(Imagem:
http://jacksonsenadorsa.blogspot.com
Piadas:
Fontes diversas)

sábado, 17 de dezembro de 2011

Não fui criada por vó!...


Êta povo nosso, que inventa expressão para tudo!
Vejamos quando alguém se mostra um pouco educado demais, do tipo que não gosta de se arriscar (principalmente se for do sexo masculino), logo alguém diz:
- Chega de "frescura", cara! Parece até que foi criado por vó!...
Desse "mal" nunca vou morrer porque não conheci nenhuma dessas criaturas, as chamadas por muitos de "segunda mãe", a que é "mãe duas vezes", as queridas
avós!
Não fui criada por vó!...
Gêneros feminino e masculino não existem no meu vocabulário dos "progenitores duplos", porque também os avôs escorregaram do meu espaço-tempo, eu a caçula e temporona, que deu um "Alô!" para a vida quando os quatro tinham partido há muito...
Fui mordida pelo bichinho da inveja - sou uma humana comum, me deixem em paz!- ao ler duas joias literárias emotivas familiares, patrocinadas por amigos meus queridíssimos na blogosfera, adoráveis, inteligentes e emocionantes, que narraram de maneira fluente e orgulhosa (eles têm esse direito!), as passagens marcantes de seus respectivos avós.
Falo da Anjinha Adriana Helena, tão delicada, exuberante, falando da guerreira vovó Zilda em suas 9 décadas de existência em
Homenagem a minha Vovó Zilda pelos 90 anos completados hoje! e do Musical/Contista, que veio trajado de Restart no 3.o aniversário do Fatos de Fato, o meu companheiro de Arca de Noé diHITTIANA José Sidney (amigo, essa eu não resisti, e nem fiz questão de tentar! ha) que em Quando a MPB concede-nos o sagrado direito de sermos melancólicos , nos brindou com um texto brilhante, canções de saudade do avô, aquele que era um senhor bem louco por futebol!
Meus amigos, jamais terei a vivência que tiveram (ou têm) com seus amados avós, mas também trago história, porque os herdeiros que ficaram foram fiéis (acho!) às personalidades do quarteto saudoso!
Pegando dados relevantes dos meus pais, tios, irmãos e primos, aqui repasso alguns "pescados", que sintetizam a persona de cada um.
Sendo ou não verdade o que me disseram (e dizem), vai ficar como aqui escrevo.
Porque a partir de hoje está nos autos, assino e faço fé!...

Avós paternos

VÔ JOÃO

Era mineiro, mas passou mais tempo no Rio do que em outro lugar, trabalhador braçal da roça, calmo, pouquíssimo estudo, um pisciano bem tímido.
Não era o que se poderia chamar de bonito, mas tinha bom porte!

De poucas palavras, só abria a boca quando bebia, algo que frequentemente ocorria nos fins-de-semana (puxei isso dele, de só me permitir beber meus vinhos, longe dos dias úteis).

Mas ele, além de falar muito, ficava um tanto agressivo, que assustava minha vó e os filhos. (Nunca bateu em nenhum deles, só que era uma situação bastante delicada).

O motivo da separação dele da minha avó, foi o fato que queria se dedicar à agricultura no pequeno sítio onde moravam, e minha vó queria criar galinhas soltas, no que atrapalharia a plantação.

Mesmo separados, continuaram bons amigos!...

Vô João teve morte trágica, com nota em jornal da época pela gravidade.

Por falta de condições de serviço adequadas ao trabalho que desempenhava (era escavador de barreiras), morrera pelo desabamento de uma tora imensurável de terra.
Meu pai teve que reconhecer o corpo, e jamais esqueceu a cena...



VÓ AUGUSTA


Essa minha vó era uma revolucionária para a época!
Mineira, uma leonina porreta aquela "veinha" que fugia do roçado para estudar quando jovem, ela que fora instruída que mulher não precisava saber ler nem escrever!

Por conta disso, de sua "rebeldia", passou a ser uma das poucas letradas, e escrevia cartas a pedido dos vizinhos, quando necessitavam se comunicar com parentes longínquos.

Minha vó Augusta era uma "tampinha", mais baixa ainda que eu, e como reza a "lenda", bem "esquentada"! ( Todo baixinho é nervoso!...)

Quando cismava com alguma coisa, ía até o fim, , parecendo uma máquina de velocidade, sempre muito irrequieta!

Nasceu no dia 13 de agosto, não numa sexta-feira, sem guardar superstição do seu dia, mas "embaçava" com algumas crendices como não passar embaixo de escada ou parar com braços abertos na porta.

Tão moderna e imperiosa em tantas situações, quedou-se em birra esquisita, o maior de seus "empacamentos": odiava tirar fotos!

Uma vez meu pai e o cunhado dele armaram uma "arapuca" para ela sair no retrato sem saber.
Quando revelaram as fotografias, o filho quase apanhou de cabo de vassoura...
Essa minha querida avó morreu no hospital após 17 dias em coma, por motivo que não lembro.
Meus irmãos foram levados pelo nosso pai para se despedirem dela, antes que partisse.

A cena que mais lembram é de seu sorriso, tocando as mãozinhas miúdas e inocentes deles, que ainda não entendiam na
da de separação por morte...


Avós maternos


VÓ CELINA


"Linda capixaba, uma mulher de beleza natural!", se gabam os filhos e netos que a conheceram ( a vi na foto e era mesmo muito bela!).
Não se dava conta de aspectos exteriores, trancando a parte física em roupas fechadas, sorrindo muito pouco. (No caso dela, um dado interessante, já que era libriana, que é o signo da vaidade...)

Era católica fervorosa, do tipo que rezava a cada meia hora, não xingava um só palavrão, fazia o gênero "carola".

Trazia os filhos sob supervisão severa, embora pouco disso tenha valido porque, dos 7 filhos, quatro "se perderam" no Rio de Janeiro, causando-lhe um certo desgosto ( "se perder", na opinião dela, era não seguir os preceitos católicos e deixar o lar antes do casamento).

A sua morte prematura, aos 50 e tantos anos, deveu-se a uma operação de vesícula, que ninguém sabe explicar por que não deu certo.

Ela estava muito bem mas, ao dormir, não acordara no outro dia...
Minha vó, tão bela, adormeceu para sempre!... (Embaixo de seu travesseiro ficou intacto um dinheiro mensal que um dos meus tios "desertores", sempre a enviava do Rio.)



VÔ OSÓRIO


Juntamente com minha vó Augusta, seria meu avô predileto, se eu pudesse conhecê-lo!
Ele era fantástico; possuía todos os ingredientes para eu o idolatrar!

Um leitor compulsivo e um escritor dos melhores, compunha músicas, poemas, textos diversos, um canceriano risonho, bem comunicativo.

Cada filho ganhou suas "letras", através de canções ou quadrinhas.

Também capixaba como minha vó, tinha o sotaque bem forte ( há quem diga que parecia ter uma "batata na boca" ao falar, algo que mamãe também puxou). Torcedor do Botafogo, esse fanático por futebol, grudava no radinho e não largava mais!
Gol do Fogão, e grito ouvido no bairro inteiro!!!!

Tinha uma caligrafia de dar inveja a qualquer um, tanto é que trabalhava como livreiro ( algo como escriturário hoje em dia), no que ganhava um parco salário, mas que dava para sustentar a família grande.

Aliás, tinha nascido para ser pai pois, do tipo "babão", amava os filhos como nunca se viu um pai amar! Os maiores sacrifícios fazia para ver seus rebentos felizes!... (Pai "coruja" é termo pequeno para definir sua adoração...)

Sua particularidade mais forte - nunca conheci ninguém como ele! - é que detestava açúcar! (Rejeitou o leite materno por conter um pouco de glicose natural.)

Nada que fosse ligeiramente adocicado digeria, logo não curtia nenhuma fruta, salvo o abacate, no qual colocava uma pitada de sal (!), para dar um "temperada".
Um romântico, doce homem-menino, ainda que no auge de seus mais de 1,80 m! Morreu três anos depois que vovó partira, de derrame. Seu amor era imenso, não suportou a dor da separação.
Há uma "lenda" que diz que sua cegueira, logo após a morte de minha vó, foi emocional. Creio, porém, que seja pelo motivo que citarei a seguir: só depois de morto, é que descobriu-se que tinha diabetes.

O que poderia ter sido uma maldição, foi uma bênção: não suportar açúcar é a melhor coisa que pode existir para quem tem esse tipo de doença...


Essa foi uma forma de agradecer a existência deles na minha história, do quanto seus bons ensinamentos resultaram em filhos que, se não são perfeitos, são pessoas com valores, espírito de luta e vontade de encarar o que vier!
Adoro saber que meus avós não foram pessoas diferentes, melhores, ricas ou brilhantes.
Sobretudo, o que mais adoro mesmo saber é que, antes de mais nada, eles foram PESSOAS!...


(Imagem:
http://heylittlecookie.blogspot.com
Edição de imagem:
http://marymiranda-fatosdefato.blogspot.com)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Resguardo do Corpo e da Alma


Descarto, impugno a impunidade do meu olhar insano eficaz.
Sã de santa paciência, ó glória dos porquês inabaláveis!
Deixo de ser aquela menina do portão, dos beijos espertos e desbravo caminhos salvos...
Abasteço de certeza meu viver, a fraca desleixada, cabelos em desalinho...
Cheiro de amor por toda parte, pecado dos que respiram.
Somatória ou palmatória, a luva que cobre pudores.
Quem inventou a segurança, quem requer equilíbrio? EU!
Oferta oitentista para os que ainda ignoram, a pequena de mim que cresceu de repente.
- Não, não quero ser adulta agora; permita para quando houver a cura...
Queria rasgar essa acobertada imposta pelos outros, sou fiel, isso me basta.
Mas nunca basta para ninguém!...
Um grito: - Você pode me ouvir? Não sou dessas!...
No calor dos bailes, escapo para um canto e me faço, desembaraço!
Aquela gota que separa lucidez, e uma intimidade que dura horas.
Lá vem a vida alertar do outro dia, dos exames, da corrida por estabelecimento!
Trabalho feito condenada para ser a "certinha" e tombar errada diante do pagar: o tributo por ter fugido!...
Sou "só mais um pedaço de carne" que alguém circundou nuns minutos válidos para a etapa seguinte, sem nome, sem lenço, sem documento...
Perdendo a equipe que me protege, sou uma a mais, criatura desconectada, passível de formar números negativos.
Alguém como eu, alguém que poderia ser eu, perto de mim esvaece, vejo sua caminhada sem passos firmes.
Não peço para trocar de lugar porque ainda temo tropeços de decorrer, e que contradição, um pouco de mim está ali também, esfacelando meu sono já conturbado, com novas preocupações!...
Crânio que não ajuda, só sabe aconselhar - e conselho nunca foi bom!
Eu te vi ontem e era forte, eu te vejo hoje e você decai, eu te verei amanhã, não sei onde, como, nem por que...
Por que você não pode ser como eu, por que não age como os normais, que sonham por um dia, o que ganhariam UM DIA?
Eu te quero bem, meu Alguém, como a mim mesma, e não valeu a pena eu ter ficado resguardada.
Vênus é amor - e todo amor é livre- se me enjaulo, tão fastidiosa se torna minha concepção de futuro...
Segurança é enjoada, mas jaz em sobrevivência!
Você descumpriu nosso trato, de existirmos enquanto houvesse Vida!
A seiva naquele olhar que se perdeu, não sou eu quem vai trazer...
Meu prazer agora é risco...
... De pensar
!
Resguardo do Corpo e da Alma - mais que palavras a serem ditas.
Resguardo do Corpo e da Alma - meu Alguém, é o que eu te peço a partir de agora.
Resguardo do Corpo e da Alma - nada é tão contraditório quanto a prisão por sermos livres!...
Resguardo do Corpo e da Alma...
Nunca é tarde, mas sabemos que é tarde, e é cedo para o dia seguinte...
UM OUTRO DIA virá, num SONHO DE ESPERANÇA, neste inverso de jogo, que nunca adormece e desperta, a cada vez que nos tornamos OTIMISTAS!...


P.S.: Artigo inspirado numa situação trágica que vive meu vizinho, que sofre do mesmo mal que sofria seu irmão, já falecido. Ele não é meu amigo de termos intimidade, mas conversamos às vezes, e sou amiga de sua família, cuja mãe é como se fosse a minha também.
Sempre quando o vejo, ele me sorri, inteiro, forte, porém, sinto meu coração apertar; torço para que vire o jogo! (Não sabe que eu sei de seu problema...)


P.S.2
:
A passagem "Só mais um pedaço de carne" é tradução livre para o título da música da banda SCORPIONS - a espetacular Another piece of meat - que eu ouvia exatamente nessa hora. Coube tão bem no texto, que não restringi minha vontade de inclui-la...




(Imagem:
http://feehumbrella.blogspot.com
)

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Farinha do mesmo saco


Esse negócio de "opostos se atraem", não sei quem inventou...
Os amigos são sempre "farinha do mesmo saco", com o entendimento correto da coisa: pessoas que pensam igualmente!
E na blogosfera funciona assim também; ou alguém aí pensa diferente?
Dificilmente blogueiros que tratam de assuntos tecnológicos se interessarão por blogs de "cultura e hora certa" (como a extinta Rádio Relógio).
"Vice-versas" vêm, que se estendem por muitos "vices" e "versas" aparentemente inconcebíveis!
É "da água para o vinho" a mudança que um blogueiro faz, ao trocar de interesse, passando a procurar outras "plataformas" de informação?
OBVIAMENTE QUE NÃO
!
Não devemos ficar chateados se alguém de um pensamento resolveu se "debandear" para o "outro lado"...
Houve um tempo que, blogueira iniciante, eu só lia blogs basicamente sobre HTML - para tentar aprender algo de relevante, e dos amigos - meus indispensáveis "farinha do mesmo saco".
A desenvoltura e facilidade com que lemos blogs afins, nos tornam íntimos, causando desaforos e mágoas "apressadas" naqueles cujas visitas demoramos a efetuar.
Concluem alguns:
- Olha o cordão do "puxa-saco", que cada vez "aumenta mais!..."

Ler blogs de nosso interesse não tramita pela jurisdição de "troca de favores": se há interesse ali, é só o de satisfazer o nosso lado faminto por informação e/ou entretenimento.
Objetividade é parâmetro primordial na escolha dos nossos blogs "de bolso" porque nossas mentes ou corações sabem por que esse ou aquele entrou para a lista!
Blogueiros escrevem para serem lidos, e não há como saber o que há por dentro de cada leitor que vislumbra seu espaço cibernético.
É POR GOSTO PELO QUE SE LÊ, "TROCA DE FAVORES", AMIZADE OU POR QUE É UM "NAVEGANTE OCASIONAL", QUE "DERRAPOU" NAQUELAS "ÁGUAS" SEM QUERER?
Durma-se com um barulho desses, amigo(a) editor(a)...
Você que faça a sua parte e tente ser bom(a) naquilo que se predispôs a realizar!
SEM RANCORES, SEM COBRANÇAS!
Vejo blogueiros entristecidos porque posts seus, consagrados intimamente pela importância do enfoque, não obtiveram o que se chama de "popularidade", algo decepcionante para qualquer editor de respeito.
Compreendo e ressalto - minha decepção já atingiu várias vezes essa altura de frustração - mas animo a todos com esse consolo:
SE UM POST NÃO FOI VISITADO POR MUITOS, AO MENOS OS INTERESSADOS NAQUELE ASSUNTO ESTIVERAM OU ESTARÃO POR LÁ!
É importantíssimo termos nosso "clube dos afins" porque é o interesse por algo - repetindo : entretenimento e/ou informação - que faz os blogs andarem rumo ao sucesso!
Não vejo mal algum em leitores de blogs que formem "panelas saudáveis", umas "farinhas" que "colam" umas às outras, formando uma "iguaria" não seca, mas salutar e gostosa de ser digerida!...
Acho indevido usarmos sentidos maldosos para funcionalidades que têm duplo sentido. LERMOS MAIS OS BLOGS QUE NOS INTERESSAM não é o mesmo que LERMOS BLOGS POR INTERESSE!
Saibamos ser coesos com o bom-senso, pesquisar mais, abstrair informações, nada de acomodação em "certezas" incertas...
"INTERESSADO " é diferente de "INTERESSEIRO", compreendamos isso de uma vez por todas!
Às vezes, por falta de tempo, desacerto nos compromissos que tomamos no cotidiano, estarmos "sem cabeça" para leituras ou motivos sacramentados nos imprevistos, ATÉ MESMO BLOGS QUE GOSTAMOS, NÃO SÃO DEVIDAMENTE VISITADOS, e que nem por isso o(a) editor(a) dos nossos interesses mais urgentes, devem se sentir menosprezados!
A blogosfera é um jogo de paciência e que tomemos cuidado ao fazermos certas considerações.
"Farinha do mesmo saco", a qual exponho nesse artigo, é toda aquela ligada por interesses comuns a ambos - editor e leitor - e não tem compromisso formal, o da "obrigação" de visitas "marcadas": escreveu-se um post atraente, o leitor, podendo ir lá deixar sua opinião, o fará!
Ao utilizar uma expressão idiomática naturalmente voltada para a má interpretação - "farinha do mesmo saco" - quis eu retirar a camada torpe que a recobre, evidenciando que, assim como a "panelinha", podemos ser da mesma "safra" que outro, nem por isso significar algo pejorativo, de "manipulações" de interesses, nem tampouco, sob obscuras "negociatas", atrairmos mais visitantes para nossos blogs!
Para encerrar, digo apenas o seguinte:
POSTS BONS, INTERESSANTES, MESMO QUE "ESCONDIDOS", VÃO APARECER!
E se os blogs que os contém, vão entrar para a lista dos "Favoritos", estarão "enfarinhados" agradavelmente, SÓ O TEMPO DIRÁ!...


(Imagem:
http://inglespraburro.blogspot.com
Edição de imagem:
http://marymiranda-fatosdefato.blogspot.com)

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Sal da Terra


Em momentos de reflexão de vida, me encanta ressurgir mentalmente a conceituação de multiplicação de valores, e não diminuição...
Pega de surpresa por mim mesma, pergunto ao meu mano mais velho, se ele sabe explicar o porquê de "1 mais 1 é sempre mais que 2", do genial e um tanto esquecido Beto Guedes, em sua canção O Sal da Terra.
Meu mano reflete um pouco, e responde:
-Deve ser porque dois é sempre mais que um...
A explicação dele me tomou de jeito, e me emocionou, com lágrimas tentando escapar mas, teimosa que sou, as guardei na alma.
Se analisarmos com a vontade de sermos uma unicidade, essa multiplicidade que é a humana criatura, meu mano querido está coberto de razão.
Números não explicam quando se trata de gente...
Uma só criatura que se perca e estamos nós, desafortunados, aturdidos, porque não é UM que se estoporou nas pedras do caminho: é a espécie humana, o TODO, que se corrompeu em caos...
Quando há um acidente catastrófico envolvendo um ônibus cheio de tantas pessoas, e das quase cinquenta acidentadas, "apenas" uma morre, caímos, derrotados, falidos em comiseração.
As estatísticas nos alertam sobre o sucesso da operação onde resgatou-se quase todos com vida; infelizes nós que confiamos: "quase todos" nunca foi sinônimo de "todos"...
E aquela única criatura cuja existência, ceifada prematuramente deixara seus familiares entristecidos, seus Natais comprometidos, seu legado de futuro exposto em jornais apelativos?
"Dois é sempre mais que um..."
Sei, por experiência, que o ativamente integrante do Clube da Esquina Beto Guedes quis dizer que cada um que chega é mais alguém que soma, e no final, são tantos uns, que já ultrapassaram o limite do número par, dobro daquela unicidade inicial...
Nosso Planeta Terra precisa dessa confusão, desse dois que é um, desse um que é dois!...
Quando um dia (sem prognóstico fatalista!) desencantarmos, com o nosso Rei Sol decaindo sem sua majestade, estaremos nos encontrando em uma ligação imposta, conquanto sábia.
A dor de UM será de TODOS, e teremos prazer por não sabermos contar...
Guedes traz-nos uma utopia, de pessoas preocupadas com o "mais lindo dos planetas", porém, é bom sonhar!
Dias de união ainda podem surgir, de pessoas que não estejam "maltratando a Terra por dinheiro" ; sempre há uma luta inacabada nos corações daqueles que têm ESPERANÇA!
Por fim, quando eu disse ao mano que a letra se tratava dessa união de TODOS, dos muitos uns que podem surgir num mesmo objetivo, meu mano me embarga a voz (ele não tinha lembrado de qual canção eu estava falando) :
- Essa música do Beto... Puxa, me comove muito!...
Por todo o dia nós, que éramos dois, nos tornamos um, tão visceralmente ligados pela emoção que admitimos simultaneamente sentir, sempre quando ouvimos O Sal da Terra...
É sempre grandioso nos reconhecermos humanos pelo olhar que nos reflete: nessas horas que percebemos o quanto precisamos uns dos outros, uma contagem infinita, que nunca se perde nos percalços de vida!...




Vídeo e letra da reflexiva canção desse irretocável cantor e compositor mineiro, autor de tantas outras músicas inesquecíveis!
Aprecie!



O SAL DA TERRA - Beto Guedes

(Composição: Beto Guedes/Ronaldo Bastos)

Anda!
Quero te dizer nenhum segredo
Falo nesse chão, da nossa casa
Vem que tá na hora de arrumar...

Tempo!
Quero viver mais duzentos anos
Quero não ferir meu semelhante
Nem por isso quero me ferir

Vamos precisar de todo mundo
Prá banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
Vamos precisar de muito amor
A felicidade mora ao lado
E quem não é tolo pode ver...

A paz na Terra, amor
O pé na terra
A paz na Terra, amor
O sal da...

Terra!
És o mais bonito dos planetas
Tão te maltratando por dinheiro
Tu que és a nave nossa irmã

Canta!
Leva tua vida em harmonia
E nos alimenta com seus frutos
Tu que és do homem, a maçã...

Vamos precisar de todo mundo
Um mais um é sempre mais que dois
Prá melhor juntar as nossas forças
É só repartir melhor o pão
Recriar o paraíso agora
Para merecer quem vem depois...

Deixa nascer, o amor
Deixa fluir, o amor
Deixa crescer, o amor
Deixa viver, o amor
O sal da terra







(Imagem:
http://www.pt.dreamstime.com

Edição de imagem:
http://marymiranda-fatosdefato.blogspot.com)

sábado, 3 de dezembro de 2011

Curral religioso



Antes que comecemos a dar nome aos bois, sem distinção pouco elucidativa, me congestiona o espírito imaginar a promiscuidade que virou nosso mundinho de penas, "perdões" e "papagaiada" falaciosa.
Se alguém não me entendeu, me refiro ao curral religioso!
Mas o que temos aqui? Humanos seres "encurralados" em jaulas, recebendo farinha ou ração "verbal", onde bichos são mais produtivos que gente?
Um monte de humanos seres vejo, suando, "ralando", trotando feito jumentos atrás da "palavra", que pode ser recebida de graça, em casa...
Senhores, nós não somos vacas, carneiros, nosso mundo não é a extensão do presépio cristão e como diria o outro, nem cachorros somos, não!
Será que a tomada religiosa para o "aprisionamento pastoril" veio da metáfora do nascimento de Jesus, que viera à luz numa manjedoura e, mal interpretada, tomada ao pé-da-letra, considera-se carneiro subserviente qualquer humano que queira seguir o Mestre?
Os animais são de Deus, mas a significação de "tratado feito cão" encerra conotações bem diferentes de "divino"...
Não adoto o que certos seguimentos fazem, o manuseio da "palavra" feito machado ao cortar árvores!
A balbúrdia já vem de longe, ao retirar-se do Primeiro Testamento, alguns livros importantíssimos, num dos quais, Jesus comprovava, na belíssima passagem com Elias, sobre o "nascer de novo" (e não é só sobre o limitado processo do Planeta Terra que Ele se refiria...).
Trocada uma vírgula, e o poder do "perdão" firmou-se em outras "traduções".
Jesus dissera, com seu aramaico compreensível:
"Em verdade, em verdade vos digo hoje, estarás comigo no Paraíso". (Noção de que Ele está dizendo no dia de hoje, o que ocorrerá um dia. Entenda-se bem : UM DIA!)
E o que nos chega, na manipulação típica dos usufruidores?
"Em verdade, em verdade vos digo, hoje estarás comigo no Paraíso". (Noção de que Jesus levará para o Paraíso hoje, alguém que bastou apenas falar que se arrependia...)
Então é fácil!... Não há transformação, peço perdão, e HOJE MESMO ESTAREI NO PARAÍSO?!
A indústria do "perdoar" é rentosa, porque não há mudança na alma, e ninguém precisa entender o erro que cometeu: é só se arrepender da falta...
Não acho compatível a seres pensantes, a "chantagem" que se faz, colocando na boca de Deus, palavras criadas pelo homem, como: progresso (financeiro), prosperidade (financeira), trabalho (que traga mais status financeiro) e perdão (que se obtém com troca financeira)!
Tratar feito tolos aqueles que sabem ler nas entrelinhas, é o mesmo que chamar alguém de moleque!
Na inocência, a criança se vende por um bolo de fubá que seja, assim os que buscam conforto na palavra, se "entregam" rendidos, de mãos atadas, àquele "doce" após a janta... É justo investir na "palavra"...
Seria eu, de uma demagogia absurda, incentivar o uso de vocábulos consoladores, ao ver barrigas que roncam!
Diga àqueles que têm fome, fome mesmo, uma África de USA We are the world, àqueles jogados na terra árida improdutiva, de arroz iguaria de luxo, que Deus usa a "palavra" para salvar vidas?
"Deus", para quem sente seu estômago inexistente da seiva de pulsar, é aquele camarada maciço de carne, nem temperada é, que se come e nasce a cada prato, que ressuscita nas águas e aplaca a sede, que se veste de verde de comida, mas não de esperança.
"Deus", para quem tem fome, É TER O QUE COMER...
Com toda a sinceridade que meu coração de gente pede nesse momento, digo que a palavra é abençoada, se não for usada para frear feito coleiras ou limitar o olhar qual viseiras de pasto!
Somos seres com alto poder evolutivo; pena não termos noção do quanto...
Deem-nos o ABC, e ele vira uma gramática; deem-nos o 1,2,3, e nos tornamos infinitos!...
É isso o que as religiões devem ter como meta em seus âmbitos sacramentados: doutrinar o irmão para que ele saiba que pode caminhar, pelo bem ou pelo mal, sendo a escolha toda dele!
Fazer o bem pelo "temor" do castigo divino, acaba se tornando uma trava para a longa jornada rumo ao progresso.
Viramos uma criancinha medrosa, que se apavora só em pensar que papai vai bater porque pegou biscoito do pote...
Caridade, o amor fraternal, é virtude de quem sentiu a existência da maldade, e optou por consciência, pela prática da filantropia.
Palavra por palavra, não serve...
Naturalmente que não darei nome aos bois porque nós não somos animais, nem mesmo aqueles que assim nos tratam!
Só peço aos que ainda se submetem à falácia de certos tipos, que Deus não nos fez irracionais!
Usando nossas mentes um pouco mais, perceberemos que todo curral é fétido, por mais bem tratado que seja.
E tome cuidado com o curral religioso que, se não é sujo no espaço, é imundo nas almas daqueles que nos veem como simples, parvas, extorquíveis "vaquinhas de presépio"...


(Imagem:
Fonte desconhecida

Edição de imagem:

http://marymiranda-fatosdefato.blogspot.com)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...